Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

RO: veterinários discutem criação de ovinos

postado em 13/05/2009

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A ovinocultura de Rondônia, a segunda do Norte do Brasil em quantidade de animais, com um rebanho de aproximadamente 125 mil cabeças, é tema de uma série de encontros que inicia nesta quarta-feira (13). As atividades começam às 8 horas no auditório da Emater/RO. O encontro é uma iniciativa conjunta da Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Regularização Fundiária (Seagri) com a Emater/RO e a Embrapa Rondônia.

O objetivo é apresentar os resultados de pesquisas recentes sobre a situação da cultura no estado, revisar o sistema de produção e traçar estratégias para o fortalecimento da atividade, uma importante alternativa para o modelo de agricultura e pecuária familiar.

Será apresentado o Diagnóstico da ovinocultura do Estado de Rondônia: resultados e discussões, um trabalho coordenado pelas médicas veterinárias Sandra Régia de Paula Carvalho e Emanuela Panini Souza, da Seagri e da Emater, respectivamente.

O estudo revela a desorganização da cadeia produtiva de carne ovina no Estado, dificultando o avanço da atividade. O primeiro aspecto negativo diz respeito ao rebanho. Faltam animais com genética superior, com alto desempenho para a produção de carne. As ovelhas demoram a se desenvolver, é alta a taxa de mortalidade e baixo o rendimento de carne por carcaça. Outro ponto negativo é a falta de estruturas adequadas para transporte e abate. Não existem frigoríficos para ovinos no Estado, o que dificulta a fiscalização sanitária. Os animais são abatidos tarde demais, de maneira desorganizada. A carne chega ao consumidor com preço elevado, mais cara que a carne bovina, e com baixa qualidade.

Por outro lado, 75% dos produtores entrevistados na pesquisa demonstraram interesse em expandir suas criações. Em uma mesma área é possível criar dez vezes mais ovelhas do que vacas, para efeito de comparação. Além disso, a gestação ovina é mais curta que a bovina e é comum nascer mais de um filhote por vez, o que favorece o aumento do rebanho em pouco tempo. A matemática mostra que a atividade é lucrativa, se a cadeia produtiva estiver ajustada desde o produtor até o consumidor.

Além da apresentação do diagnóstico e do resgate histórico da atividade, o encontro vai abordar temas como alimentação e pastagem, controle de parasitas, sanidade e normas de abate.

As informações são do Mapa e do site Rondonoticias, resumidas e adaptadas pela equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade