Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Rodrigues confirma pedido de demissão

postado em 28/06/2006

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Roberto Rodrigues, informou hoje (28/06) que na noite de ontem (27/06), durante jantar no Palácio da Alvorada, pediu demissão ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva por considerar cumprida sua missão no governo. Segundo Rodrigues, o presidente reconheceu a seriedade e a procedência dos argumentos. A sua saída será discutida na próxima sexta-feira (30/06), durante novo encontro com o presidente Lula. "Portanto, ainda sou ministro e continuo trabalhando", assegurou Rodrigues. Ele disse que a indicação do próximo titular da Agricultura caberá ao presidente da República, sem apontar o possível substituto.

O ministro negou que o pedido de demissão tenha motivações políticas, eleitorais ou de caráter pessoal. "Apenas a minha colaboração está terminada e saio com o sentimento do dever cumprido", reafirmou. Ele enumerou os pontos que considerou destaques da sua gestão, como a agronergia e a forte participação do Brasil nas negociações internacionais. "Eu estou convencido de que a agronergia é o novo paradigma na agricultura mundial e vai criar uma nova civilização no planeta. Uma civilização equilibrada, sustentável e renovável", disse, lembrando que nas primeiras semanas à frente do ministério, em janeiro de 2003, levou esse conceito ao governo federal.

Rodrigues ressaltou a criação da Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio no âmbito do Ministério da Agricultura como fundamental para ampliar a presença do País nas negociações agrícolas nos fóruns internacionais, como a Organização Mundial do Comércio (OMC), o Grupo de Cairns (que reúne os principais países exportadores agrícolas) e o G-20 (idealizado por ele). Também lembrou a implementação de comitês consultivos como facilitadores das relações bilaterais entre o Brasil e seus parceiros comerciais como Estados Unidos, Canadá, Chile e Coréia.

Para o ministro, sua saída não prejudicará as negociações agrícolas na Rodada de Doha. Ele informou que uma equipe técnica está assessorando os negociadores brasileiros na reunião do Grupo de Cairns, que acontece em Genebra esta semana. "O ministro Celso Amorim (das Relações Exteriores) defende muito bem a agricultura brasileira, independente da minha presença".

Rodrigues disse ainda que sua saída não implicará em mudança na atual política agrícola conduzida pelo governo federal e informou que as medidas estruturantes que podem amenizar a crise enfrentada pelo setor agrícola estão sendo 'tecnicamente' tratadas. Estas medidas seriam complementares aos pacotes de apoio aos produtores rurais anunciados este ano e envolveriam questões fiscais e tributárias.

"O que era possível fazer, como maior oferta de crédito e redução de juros, foi feito, graças ao empenho do ministro Guido Mantega (da Fazenda), da ministra Dilma Roussef (Casa Civil) e do ministro Paulo Bernardo (do Planejamento). Agora, as questões estruturantes não dependem mais da minha presença", declarou Rodrigues.

As informações são do MAPA.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade