Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

RS: chuvas não são suficientes para recuperar pastagem

postado em 21/02/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

As chuvas registradas na ultima semana trouxeram um alento aos pecuaristas das regiões da Campanha e Zona Sul no estado do Rio Grande do Sul. Apesar da pequena recuperação das pastagens, a situação segue crítica e causando um menor desempenho da atividade, que se reflete em uma menor oferta de animais para o abate.

O fornecimento de água aos animais continua precário, principalmente nos municípios mais atingidos pela estiagem. Nestas regiões, os animais seguem perdendo peso e o estado geral do rebanho é considerado apenas razoável. Em melhor estado estão os animais que pastejam em áreas que dispõem de sorgo forrageiro, cultura mais adaptada às restrições de umidade.

Já é esperada uma redução no número de nascimentos para próxima primavera devido à visível diminuição da ocorrência de cio nas fêmeas e ao baixo índice de prenhes registrados até o momento. Caso não haja alteração neste quadro de baixas precipitações nos próximos períodos, a situação pode se agravar ainda mais devido à ampliação do déficit hídrico, que continua bastante baixo.

Nas demais regiões do Estado, as chuvas ocorridas mantiveram o quadro de normalidade e o bom desempenho da atividade. O desenvolvimento das pastagens está bom, o que tem refletido em uma melhor condição corporal dos animais, favorecendo também o desempenho reprodutivo do rebanho, que esta em pleno período de entoure. O índice de prenhez e o aparecimento de cio nestas regiões seguem superiores aos registrados nas regiões assoladas pela estiagem. O índice de ganho de peso agrada os pecuaristas, que ficam mais tranquilos em relação à entrada da estação fria, quando os animais geralmente perdem peso.

A oferta de animais para abate nestas regiões está normal. O último levantamento de preços realizado nas principais praças de comercialização demonstrou um comportamento semelhante ao observado no período anterior. Estabilidade e pequena variação dos preços médios praticados em decorrência da menor oferta de animais para abate na principal região de criação.

A vaca gorda apresentou tendência de alta passando de R$ 2,84 para R$ 2,85 o kg vivo, o que representa um aumento de 0,94% no período. Já o boi gordo ficou estável, mantendo seu preço médio de comercialização em R$ 3,22 o kg vivo.

As informações são da Emater/RS, adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade