carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

RS: com demanda em alta, criadores de ovinos projetam temporada de bons negócios

postado em 09/12/2013

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O número de ovinos no Estado foi ampliado em 600 mil exemplares desde novembro de 2011, quando o Rio Grande do Sul amargava queda de quase duas décadas no tamanho do rebanho. O dado mais recente divulgado pela Secretaria da Agricultura mostra que atualmente são 4,1 milhões de animais, espalhados por cerca de 50 mil propriedades, a maior parte na Campanha. Há dois anos, esse número era de pouco mais do que 3,5 milhões.

Otimistas, representantes do setor esperam a manutenção do crescimento dos negócios em 2013, mas a maioria não arrisca a falar em cifras. Igualar os resultados do último ano é percebido como algo positivo – e um desafio para a temporada atual de remates.

Considerada termômetro dos negócios, a Feovelha, de Pinheiro Machado, realizada em janeiro, teve no ano passado resultado recorde de R$ 1,54 milhão, com quase 6 mil animais comercializados - 35% acima do registrado em 2012. A feira tradicionalmente registra o maior volume de negócios da temporada no Estado. Presidente da Associação Brasileira de Criadores de Ovinos (Arco), Paulo Schwab projeta aumento de até 10% nos negócios para o período de leilões, que segue até março do ano que vem.

Percentual próximo é estimado para o crescimento do rebanho em 2013 - entre 7% e 8%. Nos últimos anos, houve redução na oferta de matrizes nos remates da temporada – um indicativo de que os produtores estão segurando fêmeas nas propriedades com objetivo de aumentar ainda mais o plantel. “Nas feiras de primavera, o mercado é mais direcionado. Agora vão começar as grandes aquisições” - avalia Schwab.

Com o avanço da agricultura em áreas tradicionalmente usadas para criação de animais, a pecuária no Estado se viu desafiada nos últimos anos a produzir melhores resultados. Beneficiada pela demanda em alta e com incentivos do governo, a ovinocultura reconquista criadores.

Preço do quilo reflete procura

O programa Mais Ovinos no Campo, criado em 2011 na tentativa de recuperar a atividade, chega ao final do seu terceiro ano com a aplicação de R$ 68 milhões dos cerca de R$ 100 milhões de crédito disponibilizados para retenção de fêmeas e aquisição de matrizes e reprodutores. De acordo com a Secretaria da Agricultura, 2.676 contratos foram assinados, o que garantiu o financiamento de 365,3 mil animais.

A atratividade também é reflexo da maior demanda do consumidor por carne ovina, especialmente nos Estados do centro do país. A procura pela carne mantém o valor do produto em alta. Depois de trabalharem com preços entre R$ 4 e R$ 5 o quilo vivo do cordeiro nos últimos anos, alguns produtores estão pedindo – e levando – até R$ 6 pelo quilo vivo, afirma o presidente da Arco. E como o país ainda é dependente do exterior para suprir a demanda brasileira pela carne (principalmente do Uruguai), a perspectiva é de que o mercado siga aquecido.

“A ovinocultura não vinha sendo tratada realmente como uma atividade econômica. Se for comparar com soja, arroz ou gado, a rentabilidade por hectare é superior. Quando o produtor enxergar a ovinocultura como uma atividade rentável, vai optar mais por ela” – defende o coordenador da Câmara Setorial da Ovinocultura, José Galdino Garcia Dias.

Importação de pedigree para melhorar o plantel

A perspectiva de bons negócios com ovinos atrai novos interessados para a atividade e tem reforçado a atuação de criadores tradicionais, como Cláudio Pereira, de Bagé. Nesta temporada de remates, o produtor ofertará 620 animais da raça Ideal - 600 fêmeas e 20 reprodutores – durante a 1ª Feira de Cordeiros do Pampa, que ocorre na segunda quinzena de janeiro.

A expectativa é de que os animais da raças de duplo propósito sejam disputados. A próxima meta do criador é aprimorar a qualidade genética dos 2,4 mil ovinos da raça Corriedale. Para tanto, a intenção é importar da Argentina e do Uruguai cerca de cem animais de pedigree. “O trabalho é intensivo, então tenho de optar por uma raça ou outra. A propriedade não comportava, mas continuo apostando em ovelha. É uma fonte de renda extraordinária” – comenta o criador.

Agenda

Dezembro:

10 a 21: Feira do Cordeiro Missioneiro - São Borja
12: Feira de Ovinos de Verão - Caçapava do Sul 12 a 22: Remate de Ovinos - Santo Antônio das Missões
13 a 14: Feira de Ovinos de Verão - São Gabriel
14: Feira de Ovinos - Capivari do Sul
20 a 22: Mercovinos Bagé

Janeiro:

9 e 10: Feira de Ovinos de Verão - Alegrete
15 a 19: Agrovinos - Bagé
10/1 a 9/2: Feira de Ovinos de Verão - Santana do Livramento
29/1 a 2/2: Feovelha - Pinheiro Machado
31/1 a 1/2: Feira de Ovinos de Verão - Dom Pedrito

Fevereiro:


17 a 21: Exp. de Ovinos de Meia lã - Santa Vitória do Palmar
22 e 23: Exp. Est. de Ovinos Meia lã - Jaguarão

As informações são da Secretaria Estadual da Agricultura do Rio Grande do Sul, adaptadas pela Equipe FarmPoint.
 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade