Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

RS: cuidados podem evitar a morte de ovelhas durante o período de inverno

postado em 22/08/2011

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

No estado, a mortalidade de cordeiros nas primeiras semanas de vida varia de 15% a 60%, segundo a Emater, dependendo na situação da fazenda. "Essa mortalidade está vinculada com o estado corporal das ovelhas quando elas estão parindo. Se no último terço faltar alimento, elas dão um cordeiro muito frágil, muito fraco, que não consegue superar as dificuldades do momento em que eles nascem, que é no inverno e até em um inverno bastante rigoroso, como pegou esse ano um período bastante considerável de geadas com cinco ou seis dias de geadas", explica o agrônomo César Medeiros.

As complicações no parto, que podem provocar a rejeição, estão entre as principais causas da alta mortalidade. Longe da mãe, o filhote acaba não tomando o colostro. Quando não tem mais jeito de fazer a ovelha aceitar o cordeiro, a solução é levá-los para a creche. Os filhotes tomam leite na mamadeira.

Cordeiros com menos de 3,5 quilos dificilmente resistem ao rigor do inverno gaúcho. Por isso é importante calcular o período da monta. "Fazendo montas determinadas, de períodos determinados, sabendo quando esses animais vão parir, para que a gente possa recolher para um local protegido. Não precisa ser coisas requintadas, mas ambientes que possam tirar o animal da chuva, do excesso da formação de gelo, que esse animal consiga parir dentro de um ambiente minimamente protegido e, se for possível, assistido pelo proprietário", sugere o agrônomo.

As informações são do Globo Rural, resumidas e adaptadas pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

antonio erisvan

São Miguel - Rio Grande do Norte - Produção de caprinos de corte
postado em 26/08/2011

estou localizado na regiao de serra do alto oeste onde não a fazendas de grande porte só pequenos produltores com um grande potencial pos sõ muntos criadores em pequeno espaço e pouca conhecimento, tento convencelos em genetica procurar bons reprodultores mas e uma luta em vão pos tanto a emater com o sindicato dos trabalhadores não se intereça em fazer uma palesta ou mesmo um dia de campo.
Tenho um pequena chacara onde estou tentando implantar uns bom reprodultore tanto boer com santa ines.
                                                    obrigado chacara santo antonio
                                                                                erisvan

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade