carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

RS: fórum de ovinocultura na Expoagro Afubra apresenta case de sucesso

postado em 28/03/2014

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Na tarde de ontem (27), aconteceu, durante a programação da Expoagro Afubra 2014 o Fórum da Ovinocultura. No encontro, se falou sobre a viabilidade da ovinocultura nos Vales do Taquari e Rio Pardo, sobre o Fundovinos e sobre o Projeto Cordeiro do Alto Camaquã.

A falta de coordenação da cadeia produtiva, a falta de confiança entre os setores da cadeia, a oferta irregular e a indefinição sobre a qualidade eram alguns dos problemas enfrentados pelos ovinocultores da região do Alto Camaquã. Com o objetivo de superar estes e outros desafios, em 2009 um grupo de produtores se uniu em uma associação e criou o Projeto Cordeiro do Alto Camaquã.

Organizados em grupo, eles tiveram a oportunidade de negociar com a indústria e o varejo para a venda da produção. Assim, definiram padrões de qualidade, preço, prazo e quantidade. A demanda cresceu, assim como a oferta. Apenas no ano de 2013, em abril eram comercializados cerca de dez cordeiros por semana. Em dezembro, esse número passou de 300. Hoje, o projeto faz parte de um grupo que agrega 20 associações, conta com cinco linhas de produtos e mais de 30 itens entre carne, artesanato e culinária.

De acordo com o pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Bagé, Marcos Borba, a tendência é um incremento ainda maior na produção com a busca de novos mercados e pontos de venda. Ele explica ainda que “a qualidade tem mais relação em fazer a utilização correta dos recursos naturais do que com a capacidade de investimento do produtor”.

E é isso que o Projeto Cordeiro do Alto Camaquã quer vender cada vez mais, ovinos com padrão de qualidade e procedência. A ideia de Borba é compartilhada pelo médico veterinário Marcelo Grazziotin, consultor do Programa “Juntos Para competir”, que falou sobre a viabilidade da ovinocultura nos Vales do Taquari e Rio Pardo.

Para Grazziotin, não há como definir se a criação de ovinos é viável ou não. “Existem aspectos importantes para o sucesso do empreendimento, mas a produção tem a capacidade de ser rentável e viável para qualquer tamanho de propriedade.” O médico veterinário explica que, para isso, alguns fatores são determinantes, entre eles, a raça mais adequada de acordo com o tamanho e as características da propriedade. “Além disso, para uma produção bem sucedida, o mais importante não é o investimento, mas o manejo adequado.”

Durante o Fórum de Ovinocultura o Secretário Executivo do Fundo de Desenvolvimento da Ovinocultura (Fundovinos) ainda falou sobre o fundo, instituído em 1998, que dispõe sobre a produção e circulação de carne e derivados como lã. Segundo Roberto Azambuja, além de disponibilizar recursos para financiar a produção, um dos papéis principais do Fundovinos é “promover o desenvolvimento socioeconômico do setor, através da qualidade dos produtos.”

Entre os projetos validados pela Câmara Setorial e aprovados pelo Fundovinos estão a certificação da carne de cordeiro, melhoramento genético de produtores de lã, qualificação da lã da raça Merino Australiano e melhoramento genético de reprodutores.

As informações são da Expoagro Afubra, adaptadas pela Equipe FarmPoint.
 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade