Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

RS: hipotermia em cordeiros alerta Fronteira-Oeste

postado em 19/07/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A baixa temperatura seguida de sensação térmica negativa na Fronteira-Oeste poderá causar sérios prejuízos à produção de cordeiros. Segundo o médico veterinário Alexandre Guerra, de Rosário do Sul, neste período de pico de parição, o índice de mortalidade dos animais recém-nascidos pode atingir até 50%.

Ele explica que o cordeiro sai do ventre materno com uma temperatura de 38 graus ao nascer e, dificilmente, consegue suportar o clima no campo que muitas vezes fica abaixo de zero grau ou com uma sensação térmica muito menor em razão do vento ou da chuva. "O cordeiro acaba morrendo por hipotermia", alerta o veterinário. A situação se agrava mais quando há umidade no solo, condição que se transforma em outro problema para a produção dos cordeiros e à saúde do rebanho.

As raças laneiras são as mais suscetíveis às oscilações do clima. As menores perdas acontecem com as raças produtoras de carne. De acordo com o veterinário, um dos cuidados para garantir a sobrevivência dos animais recém nascidos nos campos, fora o manejo constante com a criação, é a manutenção das ovelhas prenhas em potreiros protegidos do vento. Os locais, devem ser próximos de capões de mato ou em áreas com capim alto, que servem para diminuir o impacto do vento sobre os animais.

Guerra salientou que ainda não é possível avaliar a extensão dos danos na ovinocultura da região, pois o período de parição se estende até agosto. Em Santana do Livramento, município com rebanho de 400 mil ovinos, os criadores já começam a ter cuidados no manejo para evitar o comprometimento da produção.

As informações são do Correio do Povo, resumidas e adaptadas pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2022 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade