Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

RS: projeto pretende aumentar em 20% o rebanho ovino até 2013

postado em 22/06/2011

4 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Um projeto do governo gaúcho pretende aumentar em 20% o rebanho de ovinos do Rio Grande do Sul até 2013. Desde a década de 70, o número de cabeças diminui ano a ano no Estado.

Um dos maiores rebanhos do país fica em Santana do Livramento, na fronteira do Brasil com o Uruguai. São mais de 400 mil cabeças. O produtor rural Delci Francisco Cardoso cria a raça Corriedale para vender a lã. A recuperação do produto no mercado deixou o produtor mais otimista para investir na ovinocultura. "Ele dá muito trabalho, mas quando começa a vender, dá lucro. Ele consome muito vermífugo, mas quando vende a ovelha e vende a lã, desaparece esta despesa toda. Quem está no negócio tem que investir no ovino" - considera Cardoso.

O Rio Grande do Sul já teve 12 milhões de cabeças na década de 70. Atualmente, o rebanho é de quatro milhões. O programa Mais Ovinos, lançado pelo governo gaúcho, quer estimular a produção de carne e lã. Pelo menos 50 municípios vão ser beneficiados com linhas de crédito para a compra de matrizes ou reprodutores e também para a retenção de matrizes. "O objetivo do programa é fazer com que ninguém venda fêmeas, a não ser as de descarte. Que se retenha as fêmeas, ou que se venda as fêmeas para outro produtor e com isso, nós vamos a médio e longo prazo, recuperando o rebanho de ovinos do nosso Estado" - ressalta o secretário da Agricultura, Pecuária e Agronegócio, Luiz Fernando Mainardi.

Um outro incentivo para o crescimento do rebanho ovino é a grande demanda de carne e lã, muito maior que a oferta. Com os preços em alta, a Federação das Cooperativas de Lã do Brasil (Fecolã) espera uma boa comercialização. Entre as principais raças, o quilo da lã está custando em média US$ 4. "Nesta safra, deverá se antecipar a procura por lã pela falta do produto no mercado. As indústrias, na safra passada, não compraram as suas necessidades. Então, podemos dizer que a lã, hoje, encontra-se num momento muito satisfatório" - explica o presidente da Fecolã, Álvaro Lima da Silva.

As informações são do Canal Rural, adaptadas pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Julio Cezar Rebes de Azambuja Filho

São Borja - Rio Grande do Sul - Consultoria/extensão rural
postado em 24/06/2011

"Programa Mais Ovino", lindo! Mas, não se esqueçam da alimentação desses bichos. Maior número não significa aproveitar melhor a área.

Carolini

Pelotas - Rio Grande do Sul - Estudante
postado em 24/06/2011

Que boa noticia, a ovinocultura precisa de apoio mesmo, o produtor precisa ter certeza de que terá comercio para seu produto e assim poderá investir na sua criação.

pedro camiloti

São Paulo - São Paulo - Produção de ovinos
postado em 23/02/2012

boa noite.
voces tem indicacao para comercializacao da lã de ovelhas;
estou no estado de sao paulo
obrigado

Antônio Oliveira

Piratini - Rio Grande do Sul - Produção de ovinos
postado em 19/11/2012

  É um fomento que estimulará o RS recuperar seu rebanhos no ranke nacional, nos anos 70 nosso estado possuia 70 milhões de cabeças , hoje não passa de 4 milhões. Mas juntamente com este programa " Programa Mais Ovino", é preciso um programa de combate ao abigiato, pois sabemos que muitos pequaristas parram de criar ovelhas devido esse problema.
             Antônio Oliveira- RS

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade