Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Russos devem construir fábrica de fertilizante em MS

postado em 07/10/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O grupo russo Metaprocess planeja investimentos de US$ 1 bilhão para a construção de uma fábrica de fertilizantes nitrogenados no Brasil. A planta deve ser instalada em Mato Grosso do Sul e consumir diariamente entre 2 milhões e 2,3 milhões de metros cúbicos de gás natural, vindos da Bolívia. Apesar de estrategicamente viável e de as negociações já estarem adiantadas, o preço do gás usado para a produção do fertilizante pode atrapalhar o projeto.


No mercado internacional o preço do gás natural é medido em milhões de British Thermal Unit (MMBTU). No mercado russo, cada MMBTU vale US$ 0,75. Já no mercado internacional, a cotação oscila entre US$ 2,00 e US$ 4,00 por MMBTU. No mercado brasileiro, no entanto, o preço do gás vendido pela Petrobras é de US$ 10,00, segundo Luiz Mauro Camargo, consultor contratado pela Metaprocess para o projeto da fábrica de fertilizantes.

"Se pagarmos esse valor [US$ 10,00], teremos que aumentar muito o preço do produto final. Com isso, os produtores certamente pressionarão o governo brasileiro para facilitar a importação de fertilizantes, provavelmente da Rússia", diz Camargo.

Para atrair o interesse russo o governo sul-mato-grossense colocou à disposição da empresa as mesmas condições oferecidas à Petrobras, que decidiu no fim do ano passado pela construção de sua nova fábrica de fertilizantes também em Mato Grosso do Sul. A planta da Petrobras deverá consumir cerca de 2,5 milhões de metros cúbicos de gás por dia para produzir 1 milhão de toneladas de fertilizantes por ano, em um projeto orçado em US$ 2 bilhões..

A construção da fábrica russa será financiada com recursos do Vnesheconombank - banco estatal russo para desenvolvimento econômico - com a possibilidade de o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) também contribuir com parte do capital. "A decisão ainda não está 100% tomada. Nossa ideia é ampliar as exportações de fertilizantes para em seguida realizar os investimentos", disse Sergey Vasilyev, vice-presidente do Vnesheconombank.

Segundo Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, secretária de desenvolvimento agrário, indústria, comércio e turismo de Mato Grosso do Sul, ter duas fábricas de fertilizantes no Estado não seria algo excessivo.

"O Estado está estrategicamente localizado para atender a demanda do Centro-Oeste e de toda a produção de cana do Centro-Sul. Pelas conversas que tivemos com os russos, eles dizem que teriam condições de começar a produzir após dois anos do início da construção", disse Tereza. Ele observou que as duas fábricas ainda não atenderiam a demanda do Brasil, que importa 70% de sua necessidade.

A reportagem é de Alexandre Inacio, para o jornal Valor Econômico, adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade