Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

SC: criação de ovinos ganha espaço com preços diferenciados

postado em 04/09/2012

8 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Um nicho de consumo de alto padrão começa a atrair mais produtores em Santa Catarina: a criação de ovinos. Novas indústrias estão surgindo no Estado para a fabricação de linguiça, salame, queijo, iogurte e até sorvete de leite de ovelha.

O grande atrativo deste tipo de criação é o valor agregado que os diferentes tipos de corte do cordeiro e os produtos manufaturados produzidos a partir do leite da ovelha trazem para o produtor.

A comparação feita em um açougue de Chapecó mostra a vantagem de quem vende a carne dos cordeiros. Cortes similares do animal, comparados com os da carne bovina, trazem um ganho que vai de 43% (costela) até 75% (carré de cordeiro e filé simples bovino). A diferença no preço do quilo é ainda maior quando comparados os cortes com carnes suína e de frango. O queijo feito com leite de ovelha é comercializado quase três vezes mais caro do que o feito com leite de vaca.

O efeito deste mercado atrativo está sendo visto nos campos catarinenses. A atividade, que até a década de 1980 se concentrava no Planalto Serrano, para a produção de lã e pelego para a montaria, se expandiu para outras regiões, com destaque para o Sul e Oeste. A carne ovina já virou atração em restaurantes de Chapecó, onde o pernil e o risoto de cordeiro estão entre os pratos mais apreciados.

De acordo com o médico veterinário e pesquisador da Epagri de Lages, Volney Silveira de Ávila, a atividade que antes era informal vem recebendo investimentos em melhoramento genético que refletiu na qualidade do produto. Atualmente, SC já faz bonito em exposições nacionais da raça, como a Expointer-RS e Feinco-SP. "Hoje temos um padrão genético elevado e animais de ponta"- explica Volney Silveira de Ávila, que também é diretor técnico da Associação Catarinense de Criadores de Ovinos.

Um dos resultados é que, se antes os criadores levavam seis a sete meses para produzir um cordeiro com 35 quilos, agora conseguem o mesmo resultado em três meses. Além disso, foram construídos sete frigoríficos de ovinos no Estado. Ávila diz que isso permite oferecer um produto de qualidade e inspecionado.

Produção é herdada por novas gerações

Há três anos, o ovinocultor Dagoberto Toledo investiu R$ 1,5 milhão na construção do frigorífico Guatapará, em Guatambu. Antes, ele abatia uns 30 cordeiros por mês, de forma terceirizada. Com a unidade própria, começou abatendo 200 animais por mês e, atualmente, está com mil cabeças mês.

Toledo tem inspeção estadual e busca a federal para poder vender para o centro do país, aumentando a lucratividade. Sua meta é, em dois anos, atingir a capacidade total de abate, que é de 5 mil cordeiros por mês. Ele destaca que um dos motivos para o investimento é que parte da carne ovina consumida no Brasil é importada, principalmente do Uruguai. O empresário e ovinocultor acredita que a população está começando a diferenciar o que é uma carne de ovelha/carneiro, que é de animais adultos, com mais de dois anos, de um cordeiro, que é um animal jovem, com menos de um ano.

Segundo ele, a carne do cordeiro é mais tenra e macia. A carne dos animais adultos abatidos no frigorífico Guatapará tem outro destino, que é a fabricação de quibe e linguiça. Neste segundo semestre será lançado o salame de carne de ovelha.

Rebanho em expansão

O rebanho de ovinos em SC cresceu de 250 mil cabeças na década de 1980 para as atuais 300 mil, segundo o médico veterinário e pesquisador da Epagri de Lages, Volney Silveira de Ávila. Ele estima em 70 mil o número de produtores ligados à atividade. Desde a década de 1990, a Epagri vem realizando cursos profissionalizantes para produtores e agroindústrias, com foco no manejo e industrialização.

Com o crescimento da atividade leiteira no Estado, a Epagri montou um centro de pesquisa em Lages, com 50 animais, e outro de difusão tecnológica em São Miguel do Oeste, também com 50 animais. Ávila diz que o desafio agora é ganhar em escala de produção para industrializar o produto e ter melhor resultado. Atualmente, o produtor ganha cerca de R$ 5 por quilo vivo de ovelha e entre R$ 12 e R$ 15 pela carcaça. O pesquisador da Epagri lembra que a atividade pode ser desenvolvida em pequenas áreas com mão de obra familiar, o que reforça o potencial de produção no Estado.

Apesar de ter iniciado a criação de ovelhas leiteiras há apenas seis anos, Santa Catarina já tem o maior rebanho leiteiro do país, segundo o presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Ovinos Leiteiros, o chapecoense Érico Tormen. São entre 2,5 mil e 2,8 mil animais mantidos no Estado, de um rebanho nacional de 6 mil cabeças. A produção de leite em SC está em mil litros mês e deve chegar a 1,5 mil até o final do ano.

Queijo, iogurte e sorvete

O chapecoense Érico Tormen foi um dos pioneiros na importação de raças ovinas leiteiras para SC. Em 2006 ele comprou 30 fêmeas e um macho da raça Lacaune, de um cabanha de Viamão (RS). Atualmente, sua propriedade, a Cabanha Chapecó, tem 1,2 mil animais, sendo 70% de raça leiteira. Mas metade dos 250 litros diários vão para alimentar os cordeiros. O restante é vendido para uma indústria de queijo de ovelha em Chapecó. O preço do litro que o produtor recebe é R$ 2, o triplo do leite de vaca (R$ 0,65).

Figura 1 - Ordenha de ovelhas - Chapecó/SC. Crédito da foto: Sirli Freitas/Agencia RBS.



Mas, para agregar ainda mais valor à produção, há dois anos a cabanha iniciou um projeto de produção de iogurte de leite de ovelha. Depois de vários testes foram desenvolvidos três sabores: abacaxi, morango e mamão.

Figura 2 - Produção de iogurte com leite de ovelha. Crédito da foto: Sirli Freitas/Agencia RBS.



O produto já foi lançado em feiras da região, mas ainda não está sendo comercializado. A produção em SC é pioneira, mas no RS já existe uma fábrica. O que deve ser inédito é o sorvete de iogurte de ovelha, que já foi testado e deve ser lançado em setembro.

A produção de queijo de ovelha, também chamado de pecorino, é outra aposta da região. O empresário Jorge Zanotto, de Chapecó, montou há cinco anos um laticínio para a produção de queijo de vacas Jersey, com a marca Gran Paladare. Um ano depois, começou também a criação de ovinos de leite e desenvolveu um queijo pecorino, que atualmente abastece as principais redes de supermercado de SC.

Ele tem 200 animais e, atualmente, industrializa 300 litros por dia, sendo 30% de produção própria e o restante compra de outros dois produtores. A produção do pecorino representa 30% da industrialização. Estes queijos saem da fábrica com preço entre R$ 40 e R$ 60 e, nos supermercados, chegam a custar R$ 96 o quilo. Por enquanto, ele comercializa apenas em SC.

Figura 3 - Queijo de leite de ovelha - laticínio Gran Paladare. Crédito da foto: Sirli Freitas/Agencia RBS.



As informações são do Diário Catarinense, resumidas e adaptadas pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Cláudia Freire de Andrade Morais Penna

Belo Horizonte - Minas Gerais - Pesquisa/ensino
postado em 05/09/2012

Parabéns pelo post.
É somente mostrando que há mercado que um setor pode expandir.
E que venham cada vez mais produtores de carne e, principalmente, de lácteos ovinos...pois são produtos realmente diferenciados.

Tiago Schultz

Mafra - Santa Catarina - Produção de ovinos de corte
postado em 05/09/2012

Muito prazeroso ler este tipo de artigo. Bola pra frente amigos ovinocultores!

Edson Dedé Morais

Jaboticatubas - Minas Gerais - Produção de ovinos de leite
postado em 10/09/2012

Excelente matéria... precisamos mesmo que haja uma maior divulgação das vantagens dos produtos da ovinocultura!

alan

OUTRA - OUTRO - OUTRA
postado em 18/06/2013

eu gostaria de obter o numero de telefone de  Érico Tormen, para entrar em contato para obter leite para o termino de um projeto  em pouca quantidade se poderia me repassar ate dia 20-06 agradeço

Edson Dedé Morais

Jaboticatubas - Minas Gerais - Produção de ovinos de leite
postado em 18/06/2013

Neste endereço v consegue o contato, Alan cabanhachapeco@cabanhachapeco.com.br . Boa sorte!

alan

OUTRA - OUTRO - OUTRA
postado em 25/06/2013

se puder me ajudar eu necessitado de mais informações sobre produção de leite de ovelha e seus derivados.

Octávio Rossi de Morais

Sobral - Ceará - Pesquisa/ensino
postado em 01/07/2013

Alan, precisando de informações sobre ovinocultura leiteira entre em contato comigo: octavio.morais@embrapa.br.

Roberta Farias Silveira

Pelotas - Rio Grande do Sul - Estudante
postado em 10/11/2013

Muito interessante e importante mostrar que há inúmeras possibilidades, basta ampliar os horizontes e fazer acontecer. Baita reportagem, estão de parabéns.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade