Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Sindirações estuda produção de aditivos no Brasil

postado em 25/02/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Na tentativa de reduzir a dependência de nutrientes importados, empresas de nutrição animal estudam a construção de uma indústria de química fina, que poderia substituir as importações de alguns ingredientes utilizados para a para formulação de seus produtos - que somam US$ 1 bilhão por ano.

Quem está comandando a avaliação deste projeto é o Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações), que já constatou o interesse de pelo menos dez associados dispostos a investir em uma nova fábrica. Sem revelar quais são as empresas envolvidas, o vice-presidente do Sindirações, Ariovaldo Zanni, informa apenas que são multinacionais que já atuam no segmento de nutrição humana e animal no Brasil, mas que dependem de componentes importados.

"Por enquanto, estamos na fase de estudo de viabilidade. Já passamos dados de mercado para o governo, que nos pediu para avaliar os pontos fracos e fortes, além das ameaças e oportunidades que uma indústria dessa poderia trazer para o mercado", afirma o vice-presidente do Sindirações, Ariovaldo Zanni.

As negociações com o governo envolvem três ministérios - Fazenda, Agricultura e Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Essa aproximação com o governo não é por acaso. Mesmo com o interesse, o setor privado cobra uma contrapartida que passa por vantagens fiscais e tributárias, bem como financiamentos públicos, vindos principalmente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Esses produtos importados são aditivos, misturados às rações formuladas para alimentação animal. Entre os principais estão algumas vitaminas e aminoácidos, que são utilizados para melhorar o desempenho produtivo dos animais e considerados estratégicos pela indústria. "Até 2050 a demanda por carnes vai crescer 70% sobre o que se produz hoje. Não há como praticamente dobrar a produção sem o uso desse tipo de tecnologia para atender aos critérios sustentáveis de produção", afirma Zanni.

Além de reduzir as importações do setor, a produção desses nutrientes no Brasil reduziria a dependência nacional dos fornecedores estrangeiros. O executivo do Sindirações lembra que no período dos jogos olímpicos de Pequim, os fornecedores chineses - que respondem por 30% do abastecimento brasileiro - simplesmente deixaram de exportar por aproximadamente seis meses, para reduzir o volume de emissões e contribuir para o controle da poluição.

"Os nutrientes são para a pecuária o que os fertilizantes são para a agricultura. Não podemos correr o risco de ficar desabastecidos", afirma Zanni.

A matéria é de Alexandre Inacio, publicada no Valor Econômico, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade