Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

SP: procura pela carne reaquece ovinocultura

postado em 25/08/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Um aumento que promete ser duradouro no preço da carne de cordeiro está levando a um reaquecimento no mercado de ovinos de corte no Estado e em outras regiões do Brasil. O preço do animal em ponto de abate, com até 40 quilos de peso vivo, chegou a R$ 6,00 por quilo na semana passada, mais do que o dobro da cotação do início de 2010. No interior paulista, o preço da carcaça oscilava entre R$ 11,00 e R$ 13,50 o quilo, conforme a região.

O valor da carne está em ascensão desde junho do ano passado e, em grande parte, isso decorre da preferência dos uruguaios - tradicionais fornecedores do Brasil - pelo mercado norte-americano. Após a abertura das exportações para os Estados Unidos, o Uruguai reduziu o envio de carne ovina para o Brasil. Assim, os frigoríficos passaram a pagar melhor aos criadores brasileiros.

Também teve influência o ganho em eficiência do setor, que passou a produzir carne com mais qualidade, atraindo consumidores. Como o País não produz o suficiente para suprir o próprio consumo, cortes finos tornaram-se um bem escasso, o que deve garantir um período longo de boas cotações.

Confiante no potencial do mercado brasileiro, há dois anos a empresária Priscilla Quirós fez um teste com um pequeno rebanho em uma fazenda, na região de Campinas (SP). Após um ano de estudos, deu início a seu projeto, com galpão para confinamento de 10 mil cordeiros, fabricação de ração e investimento de R$ 6 milhões. Hoje, o estabelecimento tem 1.500 matrizes e, até 2012, a meta é chegar a 3.500.

A empresa já confinou seus primeiros lotes de cordeiros e lançará marca premium no primeiro trimestre de 2012, com a expectativa de faturar R$ 2,5 milhões. Assim que a carne premium estiver à venda, a empresa poderá fornecer até 8 toneladas por mês. "O fato de o Uruguai ter conseguido exportar para os EUA foi bom para o Brasil, pois a carne disparou de preço, impulsionando os investimentos", comenta Priscilla.

O abate precoce, embora não dispense vacinações e cuidados sanitários, encurta também o período em que o animal fica sujeito à doenças e verminoses. Mas a tecnologia é indispensável, diz o agrônomo Carlos Vilhena, gerente de uma propriedade de ovinos de elite em São Paulo. "Não é animal para criar no quintal. Tem de ser uma atividade bem administrada, seja pequena, média ou grande. O melhor sistema de produção é ter a mãe no campo e o macho na ração. Pode-se terminar o cordeiro em confinamento para ser abatido com 4 ou 5 meses."

Conforme Vilhena, o País conta com 40 mil exemplares de animais selecionados para produzir matrizes e reprodutores. "É pouco para o tamanho do nosso desafio de produzir carne para o mercado interno e externo. Não fazemos mais propaganda para aumentar o consumo de cordeiro porque não temos o produto para entregar. Acabamos de receber consulta da Arábia Saudita para vender carne em larga escala, mas ainda não temos estrutura."

Conforme o gerente de vendas da mesma propriedade, Lucas Heymeier, a carne de cordeiro deve entrar forte nos hábitos de consumo do brasileiro. "A maioria das churrascarias já a inclui no rodízio tradicional. Temos clientes com vários restaurantes e que consomem 10 toneladas de carne por mês sem qualquer investimento em marketing." Ele diz que o animal precoce, antes de atingir a maturidade, produz carne tenra e de sabor delicado. Ele conta que o consumo per capita no Brasil é 0,7 quilo/ano, enquanto a média mundial é de 1,8 quilo. "Temos muito para crescer."

A reportagem é do jornal O Estado de S.Paulo, resumida e adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade