Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

SP: temporada crítica no mercado de carne ovina

postado em 06/05/2010

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Estamos vivendo uma temporada crítica no mercado da carne ovina. Frigoríficos sentem a falta da oferta de carne do Uruguai. A escassez da carne importada deste país se deve a dois fatores: a abertura do mercado de países da Europa e dos Estados Unidos para a entrada de carne ovina com osso uruguaia, e a um desentendimento político entre Brasil, Argentina e Uruguai a respeito das importações de carnes, que está causando atrasos na entrada do produto no Brasil. Se antes a carne ovina importada levava menos de uma semana para entrar no país, agora a liberação chega a demorar até 120 dias.

Com a falta da carne uruguaia no mercado vivemos um momento difícil, pois a produção interna não supre a demanda. Mas podemos ver a situação com bons olhos e enxergar uma boa oportunidade para o setor, como mais um estímulo para a organização do mercado interno e o aumento da produtividade.

A falta do produto no mercado leva os frigoríficos a buscar animais de varias partes do país, principalmente das regiões sul e centro-oeste. Apesar dos preços nessas regiões serem inferiores aos praticados no estado de São Paulo, o frete faz com que o preço da carne, posta no frigorífico, suba consideravelmente. Observando a tabela abaixo nota-se que os preços se mantêm acima da média dos outros períodos (R$ 3,60) com exceção das regiões de São Paulo, Araçatuba e Marília.

Após períodos marcados por altos preços em diversas regiões (principalmente de 02/10 a 06/11, devido à preparação para as festas de final de ano, quando os preços da carne chegaram a R$ 4,28, representando um salto de 14,25 pontos percentuais positivos na região de Sorocaba), os preços tenderam à normalidade entre as duas ultimas semanas de dezembro as duas primeiras semanas de fevereiro.

Já no final de março e primeira semana de abril, observou-se nova tendência de alta de preços observada em todas as regiões exceto São Paulo e Araçatuba. As principais explicações para tal comportamento são o período de entressafra do sul do país e dificuldades para a importação da carne ovina do Uruguai. Os preços subiram de forma substancial em algumas regiões como na de São José do Rio Preto, que fechou as negociações ao preço médio de R$ 4,16/kg vivo e na região de Campinas, que apresentou alta de 2,87 pontos percentuais, apresentando um preço médio de R$ 3,94/kg vivo.

Clique na imagem para ampliá-la.

As informações são do Centro de Inovação Tecnológica e Extensão Universitária (UNICITEX)/USP, adaptadas pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

leofar cámera

salto - salto - Uruguai - ingeniero agrónomo-producción ovina
postado em 06/05/2010

La carne Ovina Uruguaya NO entra a EEUU todavía. A Europa entra SOLO sin Hueso,y con restricciones : cuota de 5800 TT. (equivalente Carcasa), SOLO DESHOSADO. La oferta de Carne Ovina Uruguay se ha visto Disminuída por la ACENTUADA DISMINUCIÓN DEL STOCK LANAR , Y LA MUY POBRE PRODUCCIÓN DE CORDEROS DEL AÑO 2009. Lo que sucede además, que se ha incrementado SUSTANCIALMENTE la demanda de Medio Oriente -Arabia Saudita,Emiratos Arabes,etc., que no se están pudiendo abastecer de Oceanía-Australia y Nueva Zelandia.
Saluda atte.
Ing.Agr. Leofar Cámera
Central Lanera Uruguaya

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade