Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Unesp pesquisa oleaginosas na dieta de ovinos

postado em 24/11/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Pesquisa realizada na Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias da Unesp de Jaboticabal (SP) comprova que a inclusão de subprodutos do biodiesel - tortas de soja, girassol e amendoim, por exemplo - na alimentação de cordeiros não só ajuda a baratear a dieta do plantel como resulta em uma carne de melhor qualidade, com menor teor de gordura.

A pesquisa, que teve apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), foi feita com animais confinados da raça Santa Inês, todos machos. Ao comparar a dieta alternativa à alimentação convencional normalmente dada a cordeiros confinados, constatou-se que os subprodutos de oleaginosas podem substituir, com vantagem, a alimentação tradicional, que contém gordura protegida processada industrialmente.

Os resultados também comprovaram o aumento do nível do colesterol bom da carne, redução de gorduras trans e elevação dos ácidos graxos poli-insaturados. "O óleo obtido das tortas ou dos grãos de oleaginosas contém uma gordura protegida, chamada de bypass, que não é aproveitada no estômago e chega ilesa ao intestino. Isso resulta em uma carne mais saudável, com menos colesterol", explica a coordenadora da pesquisa alimentação de ovinos com subprodutos de oleaginosas resultantes da extração do óleo para confecção do biodiesel, Jane Maria Bertocco Ezequiel. Além disso, diz a pesquisadora, esses subprodutos são ricos em ácido graxo palmitoléico, outro aliado no controle do colesterol.

O óleo pode ser também uma alternativa ao farelo, que custa caro para o produtor. "Comprar os grãos para prensá-los na propriedade sai muito mais em conta." A pesquisadora explica que o próprio criador pode adquirir no mercado uma prensa para extrair o óleo. "Ao passar os grãos na prensa, de um lado sai o óleo, do outro sai a torta." Ela lembra que a torta não pode ser armazenada por muito tempo; depois de mais ou menos uma semana, ela perde as propriedades, fica rançosa e tem de ser descartada.

Para o produtor, acrescenta a pesquisadora, adotar uma dieta à base de subprodutos de oleaginosas também pode ser vantajoso em um sistema de produção que integre, por exemplo, o cultivo de oleaginosas e a criação de ovinos. "Ele pode produzir combustível para o maquinário e ainda reduzir os gastos com a nutrição do plantel, item que representa boa cota dos custos de produção."

A reportagem é do jornal O Estado de S.Paulo, adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade