Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Único clone ovino do Brasil, criado por universidade do CE, está prenhe

postado em 02/04/2015

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Uma borrega da raça Santa Inês, único clone ovino do Brasil, está prenhe. O clone, nascido em 12 de maio de 2014, foi produzido na Faculdade de Veterinária da Universidade Estadual do Ceará (Uece), como resultado de uma parceria científico-tecnológica com a McGill University de Montreal, no Canadá. A cópia é geneticamente idêntica de uma fêmea adulta de alto valor genético e econômico.

A borrega que está com pouco mais de 10 meses de idade, de propriedade da Fazenda Haras Chicote, em Aquiraz, é um clone da ovelha, mãe do carneiro Landhover, único animal bicampeão da raça Santa Inês no Brasil. De acordo com os criadores, a futura mamãe está muito bem de saúde e todos aguardam ansiosamente pelo nascimento do seu bebê no início do segundo semestre.

O clone foi originado a partir de células da pele de uma ovelha adulta de alto valor genético, das quais, por meio da técnica de Transferência Nuclear (TN), foi obtido o embrião, que foi transferido para uma ovelha receptora ou barriga de aluguel. De acordo com os pesquisadores, apesar de ter relatos de dois clones ovinos produzidos em São Paulo, em 2007, esse é o primeiro relato de um clone ovino da raça Santa Inês nascido vivo, e em perfeito estado de saúde. O clone de São Paulo sobreviveu apenas por poucos minutos após o nascimento.

Segundo a professora Ana Paula Rodrigues, dentre outros objetivos, o projeto visa uma análise da capacidade de desenvolvimento do oócito (óvulo) submetidos às técnicas de reprodução assistida como a transferência nuclear (TN), bem como a capacidade de reprogramação celular na raça Santa Inês, originada e explorada nas condições do Nordeste brasileiro.

Os experimentos que resultaram na clonagem foram desenvolvidos pelos pesquisadores da Uece Ana Paula Rodrigues e José Ricardo de Figueiredo, e os professores canadenses Vilceu Bordignon e Hernan Baldassarre, da McGill University de Montreal.

As informações são do G1, adaptadas pela Equipe FarmPoint. 
 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade