Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Uruguai busca exportar carne ovina aos EUA apesar do menor preço

postado em 25/02/2014

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Os Estados Unidos estão interessados pela carne ovina uruguaia e o Frigorífico San Jacinto pensa em manter presença no mercado durante todo o ano, exportando um contêiner a cada dois meses. O primeiro lote com cortes ovinos uruguaios, desossados e maturados aos Estados Unidos, composto de 854 quilos (80 caixas) foi liberado na semana passada e passou por todas as provas técnicas aplicadas pelos controles feitos pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

Esse envio foi feito por avião, mas já está em viagem marítima o primeiro contêiner com mais de 11 toneladas de cortes – pernas, bifes e lombos -, que serão distribuídos por uma empresa norte-americana que maneja 40% do mercado de cordeiro dos Estados Unidos, representante do Frigorífico San Jacinto (Nirea S.A.), precursor na abertura do mercado. A carga chegará em 6 de março no porto da Filadélfia, que foi a mesma porta de entrada para os cítricos. Ainda que conjunturalmente hoje as pernas ovinas estejam com preços mais atraentes na União Europeia (UE), a meta do San Jacinto é manter presença no mercado americano, segundo confirmaram fontes da empresa.

Antes da epidemia de febre aftosa que afetou o Uruguai em 2001, o mesmo frigorífico tinha feito alguns embarques de prova e formalizou a aliança comercial com a empresa norte-americana; hoje, retoma os negócios com antigos clientes, buscando “sondar” o mercado.

A meta do Uruguai é conseguir a entrada de cortes com osso nesse mesmo mercado – o chanceler Luis Almagro há fez seu pedido aos governantes norte-americanos -, mas também se fazem gestões para destravar a entrada de cortes, nas mesmas condições, no México, onde a carne ovina uruguaia segue abrindo caminho.

Almagro se reuniu com o vice-secretário do USDA, William J. Burns, com quem dialogou sobre as negociações entre o Mercosul e a UE, futuras reuniões pelo Acordo Marco de Comércio e Investimentos (da sigla em inglês, TIFA, de "Trade and Investment Framework Agreement") com os Estados Unidos e uma possível visita de José Mujica. “A relação entre ambos os países mostra uma agenda dinâmica que tem se fortalecido nos últimos tempos. O Uruguai tem uma nova perspectiva de comércio com os Estados Unidos graças às habilitações sanitárias e fitossanitárias” para a indústria de carnes e outros produtos.

O chanceler fez um balanço positivo de sua visita a Washington. O resultado “reflete o bom momento da relação do Uruguai com os Estados Unidos”. Segundo o negociado, a carne entrará a US$ 9.000 a tonelada. “Creio que a equação é positiva”, disse Almagro. A abertura de mercado significa uma “nova dinâmica de preço para o setor frigorífico uruguaio e abre novas perspectivas para os exportadores. Esses ventos favoráveis para a produção nacional fazem com que o Uruguai procure a habilitação também para a carne ovina com osso. No entanto, falta responder questionários e entrar em temas de análises de risco. Vamos precisar de muito apoio científico e tecnológico para levar adiante esse processo de habilitação”.

Por outro lado, também se trabalha na criação de compartimentos – uma espécie de curral de isolamento – para que os ovinos não tenham contato com os bovinos que são vacinados contra a febre aftosa e, mediante análise científica, demonstrar à UE que a entrada com osso não representa risco sanitário algum. Essa ferramenta, avaliada pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), também pode ser a saída que permita abrir o mercado mexicano para a carne com osso em um futuro não muito distante.

A reportagem é do El País Digital, traduzida pela Equipe FarmPoint. 
 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade