Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Uruguai: carne ovina permanece valorizada

postado em 23/02/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Em 2010, a tonelada de carne ovina uruguaia no mercado brasileiro se valorizou em mais de 70%. Sem parar com as compras e ainda importando um bom volume, o Brasil diminuiu o ritmo das importações para frear o aumento de preços. O país também possui um bom volume de carne estocada.

Hoje, o grande suporte dos valores da carne ovina do Uruguai é a União Europeia (UE). Segundo dados estatísticos do Instituto Nacional de Carnes do Uruguai (INAC), o preço médio da tonelada de carne ovina - em 12 de fevereiro - foi de US$ 4.390, quando na mesma data do ano anterior, não passou de US$ 2.896.

Com esses valores, os produtores estão retendo a maior quantidade de ventres possível e buscam inseminar a maior quantidade que podem. Inclusive, com as ovelhas mais velhas que antes eram destinadas aos frigoríficos ou ficavam no estabelecimento para consumo (hoje, o consumo está sendo substituído por carne bovina), hoje busca-se obter um último cordeiro.

O grande problema do Uruguai é a falta de matéria-prima para exportação, mas esse mesmo problema está ocorrendo na Austrália e na Nova Zelândia. No entanto, o menor volume está sendo compensado com o aumento dos valores internacionais.

Até a semana passada, a UE importou 670 toneladas - apenas 17 toneladas a menos que o importado no mesmo período do ano anterior. A China está se posicionando hoje como o quarto maior importador de carne ovina uruguaia, mas, a esse destino, são vendidos assados e outros cortes de menor valor e não os cortes traseiros desossados como são exportados para a UE.

Para alguns operadores de mercado consultados pelo El País, o Brasil será um forte importador de carne ovina uruguaia, mas os mais pessimistas garantem que não fortalecerá sua posição compradora até que termine com a carne que tem estocada.

A reportagem é do El País Digital, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2022 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade