Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Uruguai celebra o do Dia Nacional dos Ovinos e discute entraves da cadeia

postado em 16/05/2013

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A primeira celebração do Dia Nacional do Ovino, em Cerros de Amaro, no Uruguai, antecipou-se à determinação formal desse dia, que será feita através de um projeto que já está em estudo no Parlamento. A celebração organizada pelo grupo Corriedale del Este contou com a participação de expositores das diferentes raças ovinas, dando um sentido unificador ao setor.

Em nome dos produtores, o ovinocultor Gerardo García Pintos advertiu sobre a excessiva carga que o setor ovino uruguaio carrega, dizendo que o setor é “estratégico para a disseminação da família no meio rural”. Ele, que é vice-presidente da Associação Rural do Uruguai (ARU) destacou que no país há aproximadamente 15 mil produtores com mais de 50 ovinos, sendo que 9 mil deles são pequenos produtores e têm 30% dos ovinos. “É a base social da família que está no campo”, comentou ele.

Ele disse também que há 40 mil pessoas que trabalham envolvidas nas cadeias da lã e da carne. “Quando começa a tosquia no Uruguai, o movimento financeiro é de aproximadamente US$ 15 milhões, que são distribuídos em forma de salários para os tosquiadores e trabalhadores uruguaios”. Além disso, o setor exporta um total de US$ 400 milhões.



No entanto, ele destacou que a importância do setor não se reflete em políticas do governo e enfatizou o problema dos custos, mas especialmente, no “atraso cambiário que existe no país”. Também citou as iniquidades tributárias. “O ovino tem o IMEBA (imposto sobre bens agropecuários) mais alto: 2,5% para a lã. Por que os ovinos têm o IMEBA mais alto? Incrível. As tarifas portuárias seguem pagando as tarifas mais altas. Por que? Ninguém explica”, frisou ele.

Representando o Ministério de Pecuária, Agricultura e Pesca, o diretor nacional de Desenvolvimento Rural, José Olascuaga, apresentou um resumo do recente Plano desenvolvido no Ministério. Ele disse que foram aprovados 115 planos, que compreendem 1.020 produtores, por um total de investimento de US$ 3,6 milhões. “Sabemos que pode haver oportunidades importantes dos produtos ovinos no plano internacional, mas, além das conjunturas, além dos vaivéns do preço e além dos apontamentos de García Pintos, entendemos que o setor tem oportunidade no futuro”.

Leia mais sobre os planos de gestão do Uruguai desenvolvidos pelo ministério clicando aqui.

A reportagem é do El País Digital, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint. 
 

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Jose Nilo Aquino

São Borja - Rio Grande do Sul - Empresário
postado em 17/05/2013

Boa tarde.
Causa surpresa essa informação pois o atual presidente do Uruguai, Sr. José Mujica, é socialista é criador de ovinos. Ao que parece o discurso não se aplica na prática.
Vamos torcer para que os produtores uruguaios consigam atingir seus objetivos, pois assim sendo, teremos reflexos positivos em nossa ovinocultura ( lã ) também.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade