Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Uruguai: com abertura dos EUA, preço ovino valoriza

postado em 03/03/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A entrada de carne ovina uruguaia nos Estados Unidos, que deverá ocorrer durante esse primeiro semestre do ano, ajudará a valorizar a produção de cordeiros uruguaios, ainda que também seja um nicho para cortes de animais adultos.

Historicamente, o grande mercado para carne ovina sempre foi a União Europeia (UE), mas, no ano passado, durante uns seis meses, o Brasil começou a comprar e a pagar preços mais altos pela carne uruguaia. Este ano, o Uruguai ganhará um outro mercado de altíssimo valor: os Estados Unidos.

"Nos Estados Unidos, uma perna sem osso fresca vale US$ 12 por quilo (preço FOB/planta), enquanto que um produto similar, mas congelado, no Reino Unido, Bélgica ou Alemanha vale US$ 10 por quilo (valor FOB/país). Há uma diferença de valores interessante", disse o analista econômico do Secretariado Uruguayo de la Lana (SUL), Carlos Salgado.

Os produtores de ovinos dos Estados Unidos hoje estão recebendo mais de US$ 7 por quilo, porque o país tem um baixo estoque de animais lanares que não supera as 5,3 milhões de cabeças e a produção de cordeiros baixou entre 2% e 3% no ano passado; para 2011, a estimativa é de baixa de 4% (segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos - USDA).

Salgado recordou que os Estados Unidos produzem cerca de 90.000 toneladas anuais de carne ovina e que consomem tudo. "Há alguma exportação ao México, mas é mínima, diria que é quase insignificante". Desse volume, 61.000 toneladas são de cordeiros e, o resto, são animais adultos, sendo os principais abastecedores Austrália e Nova Zelândia, que podem entrar com produtos sem desossar.

A indústria uruguaia tem experiência no mercado dos Estados Unidos, porque, até 1998, o frigorífico San Jacinto esteve vendendo cordeiros pesados a esse destino. O mercado fechou no ano 2000, por causa da febre aftosa.

A reportagem é do El País Digital, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2022 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade