Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Uruguai: conflito na Líbia complica exportações ovinas

postado em 14/03/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A revolta política desatada na Líbia e outros países do Oriente Médio e norte da África não somente está levando ao aumento dos preços do petróleo, mas também, passou a complicar alguns negócios de carne do Uruguai. O frigorífico Oferan S.A. (Trinidad) enfrenta o problema de redirecionar quatro contêineres com um total de 100 toneladas de carne ovina que deveriam entrar no porto da Líbia, pois a empresa de transporte do navio se recusa a entrar devido ao conflito bélico.

Porém, redirecionar a mercadoria não é tão fácil como parece e ter que repatriar os contêineres eleva os custos, produzindo várias perdas para a empresa. "Um dos problemas é o rótulo", disse uma fonte da empresa. Quando se produz e se exporta uma determinada mercadoria a um destino, a carga recebe um rótulo especial para esse mercado. Nesse caso, é para um país árabe e poderia ser usada a alternativa da mercadoria ser recolocada em outro destino árabe, mas não é tal fácil.

Os contêineres estavam chegando nessa semana a portos intermediários - não vão diretamente para a Líbia - e a empresa tentava sondar possíveis negócios em outros destinos para evitar perdas maiores. Segundo o Faxcarne, o negócio com a Líbia tinha sido fechado a US$ 5.000 a tonelada.

A tonelada de carne ovina continua se valorizando no mundo e já alcançou uma média de US$ 4.463, quando, em fevereiro de 2010, estava em média em US$ 3.050. O Uruguai conta com uma menor produção de cordeiros, assim como seus dois principais competidores no mercado internacional, a Austrália e a Nova Zelândia, mas, como a demanda por carne ovina se mantém alta e caiu a produção mundial, os preços se mantêm altos.

Aos mercados do Oriente Médio e norte da África (Egito, Argélia, Líbia, Irã e Iraque), não somente é expotado carne ovina, mas também, há empresas uruguaias que exportam carne bovina. A Líbia é cliente do Uruguai, principalmente no setor de carne ovina, e no ano passado comprou US$ 1,7 milhão.

Precisamente, até 26 de fevereiro, a Líbia demandou 174 toneladas de carne ovina uruguaia, aumentando notoriamente as compras com relação ao mesmo período do ano passado, quando apenas tinha chegado a comprar 23 toneladas, segundo dados do Instituto Nacional de Carnes do Uruguai (INAC).

A reportagem é do El País Digital, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade