Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Uruguai: Cresce demanda por carne ovina

postado em 03/09/2009

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O mercado mundial mostra preços firmes para ovinos e os principais países produtores que competem com o Uruguai - Austrália e Nova Zelândia - estão obtendo valores lucrativos para seus produtores.

A apresentação de alguns dados sobre recentes negócios a US$ 2.700 a tonelada, inclusive com a Rússia, onde se incluem carcaças de animais adultos a US$ 3.200 a tonelada, confirmam a recuperação, segundo o economista Carlos Salgado, chefe do Departamento de Informação e Análise Econômica do Secretariado Uruguaio de Lana (SUL).

"Os valores dos principais competidores do Uruguai no setor de carne ovina chegaram ao dobro dos locais". É que tanto os australianos como os neozelandeses têm acesso a mercados de carne com osso, onde se coloca toda a carcaça e se manejam preços superiores por cada tonelada exportada. "A carne neozelandesa está sendo vendida a US$ 3,8 e US$ 3,7 o quilo, enquanto que no Uruguai os preços não superam os US$ 2 por quilo".

Há sinais animadores para o produto. "Os preços se mantiveram firmes e o Brasil, principalmente, que era o mercado que mais tinha baixado no primeiro semestre, hoje mostra que se recuperou um pouco". Por outro lado, chegou-se a um acordo político com o México e a abertura do mercado para cortes desossados é um fato, por mais que falte chegar a um acordo sobre o certificado sanitário e definir a habilitação de plantas. Paralelamente, o anúncio da possível abertura dos Estados Unidos, em condições similares para o produto que as anunciadas para o México, alimentam a esperança dos produtores uruguaios.

Em contrapartida, "Não há muita oferta para a demanda que existe atualmente. Os frigoríficos estão precisando de mais cordeiros e não há", alega Salgado.

Além da alta demanda, outro negócio, o de exportações de animais em pé, está instalado no mercado pecuário e garante um piso de valores. Para cordeiros e borregos de até 2 dentes, com peso de mais de 32 quilos, está se pagando US$ 1. Esse novo embarque representa outra opção para os produtores no momento de vender.

A reportagem é do El País Digital, traduzida e resumida pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade