Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Uruguai: indústria ovina pede abertura de mercado

postado em 13/08/2009

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A indústria frigorífica do Uruguai pediu ao Poder Executivo "mais agressividade" no campo internacional para conseguir a abertura definitiva dos mercados da União Europeia (UE) e dos Estados Unidos para a carne ovina.

O membro da Associação da Indústria Frigorífica do Uruguai, Marcelo Secco, manteve há alguns dias um contato com o ministro das Indústrias, Daniel Martínez, para analisar os passos do grupo de trabalho que executa o Plano Estratégico do Setor Ovino.

Secco disse que medidas como devolução de impostos para exportação de carne ovina são uma boa ajuda, mas sozinhas não são suficientes para conseguir a recuperação do setor.

"O ovino tem uma estrutura de defesa ao mercado interno que é a eliminação do Imposto sobre Valor Agregado (IVA), mas isso não basta para deixá-lo em igualdade de condições frente a outros setores. Para nós, a principal restrição é o acesso a mercados e, por isso, reclamamos uma ação mais dinâmica e agressiva frente aos Estados Unidos e UE buscando que se promovam ações concretas".

"Da tosquia à confecção pensamos que há ações de competitividade a nível industrial que podem ser tomadas, como a devolução de impostos, mas também há outras variáveis que fazem a estrutura de custos. Além disso, pensamos que é necessário ter uma atitude mais proativa na hora de bater em algumas portas para negociar restrições pontuais para a carne".

Os criadores uruguaios de ovinos esperam a abertura do mercado norte-americano, tanto para a lã como para a carne. A Sociedad Uruguaya de la Lana (SUL) manteve gestões com o Governo e conseguiu o compromisso do presidente, Tabaré Vázquez, de dar prioridade ao tema. Espera-se que os EUA abram seu mercado para a carne e que dentro do TIFA (Acordo Estrutural de Comércio e Investimentos) se inclua um acordo de têxteis.

No momento, negocia-se somente a entrada de carne ovina sem osso, mas estima-se que esse critério mudará e habilitará a carne com osso a curto prazo.

A reportagem é do Observa, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade