Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Uruguai não cumpre cota ovina anual com UE

postado em 09/10/2012

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Esse ano, não se cumprirá a cota de 3.400 toneladas de carne ovina sem osso que a União Europeia (UE) outorgou ao Uruguai. Na semana passada, a indústria frigorifica devolveu ao Instituto Nacional de Carnes (INAC) 1.295 toneladas que representam 37% da cota, quando no ano passado, tinham devolvido apenas pouco mais de 500 toneladas. Os frigoríficos justificam a devolução de parte das cotas dizendo que os valores que os importadores da Europa estão pagando não tornam esse mercado mais atrativo que o da região.

A UE também está manejando estoques altos e os importadores, segundo dizem os operadores, não se mostram receptivos em receber ofertas. Com esse panorama, a indústria uruguaia busca diversificar mercados, apostando na Rússia, China e outros, e insiste na necessidade de obter uma cota ovina nos Estados Unidos.

A devolução de cotas não é um bom sinal, principalmente para os criadores, mas o mercado é quem manda. O problema é que o estoque ovino vinha crescendo - recuperando-se cerca de 5% segundo os últimos dados do Governo - e o produtor receberia, dependendo de como terminasse o negócio, um preço pelo ovino que estaria 20% a 30% abaixo do recebido no ano passado, segundo estimou o presidente do Secretariado Uruguaio de Lã (SUL), Joaquín Martinicorena.

"A decisão do criador para a próxima encarneirada dependerá de como terminará o negócio de carne e lã. Será um ano onde não se alcançarão os preços para a carne e a lã que se registraram no ano passado", disse um produtor de ovinos.

O maior desestímulo ao produtor seriam os preços recebidos no final de outubro ou começo de novembro, que é quando sai ao mercado boa parte dos cordeiros gordos. Os nascidos esse ano, no geral, são cordeiros leves, de uns 25 quilos, que saem habitualmente ao mercado no final do ano. No geral, são cordeiros engordados em campo natural e, em muitos casos, são cruzamentos.

Se os produtores engordam cordeiros próprios, ainda que menos, vão receber bons preços por seus animais. Porém, em novembro, também ocorre o pico de oferta dos cordeiros pesados e o invernador, que compra os cordeiros, será mais afetado.

A consequência direta será que o invernador baixará o preço ao criador no ano que vem e esse provavelmente ficará desestimulado e produzirá menos cordeiros, pois encarneirará menos ovelhas. Até agora, o rebanho cresceu, porque são os criadores que estão apostando forte em um maior crescimento e os invernadores os acompanham.

A reportagem é do El País Digital, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2022 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade