Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Uruguai: preços em baixa pressionam mercado de lã

postado em 26/06/2013

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O mercado de lã do Uruguai não conseguirá decolar no segundo semestre do ano, tanto em número de operações, como nos valores. Membros do setor disseram que veem sinais positivos que podem ser traduzidos apenas em 2014. “A falta de aumento nos preços, que são sensivelmente mais baixos que os da safra passada, obedece ao fato de que os principais demandantes de lã, tanto para o Uruguai, como para os outros grandes mercados exportadores, não passam por um bom momento”, disse o analista do Secretariado Uruguaio de Lã (SUL), Carlos Salgado.

“A baixa nos preços mundiais da lã, assim como de outras matérias-primas correspondem ao mal momento econômico pelo qual a Europa passa. Isso, por sua vez, repercute na China, o principal mercado comprador, tanto do Uruguai como de seus competidores. O país asiático processa e vende à Europa grande parte do que compra”. O analista também disse que a desaceleração no crescimento econômico que vem ocorrendo na China, desde muitos anos, está jogando contra, pois reduz a demanda por lãs dos principais produtores em geral e do Uruguai em particular.

Salgado disse que em um panorama onde se espera que se produza um valor similar, ou talvez um pouco maior, de 32 milhões de quilos nessa safra, pode existir um remanescente sem vender, ainda que não seria da magnitude do da campanha de 2012/13. Esse volume sem comercializar em mãos dos produtores é de 30%, ou seja, uns 9 milhões de quilos. “Tudo dependerá da reativação da demanda na segunda parte da campanha”.

Diego Saavedra, gerente da Central Laneira Uruguaia, concordou com Salgado que o mal momento econômico pelo qual a Europa atravessa e a desaceleração da economia da China são as principais causas dessa situação. A desvalorização que tem sofrido nos últimos meses o dólar australiano, disse Saavedra, também está jogando contra, já que tem como consequência uma diminuição no preço da lã medido em dólares americanos.

Por sua vez, o presidente da União de Consignatários e Rematadores de Lãs, Ricardo Stewart, disse que os atuais valores não agradam os produtores, que estão esperando os preços de 12 meses atrás. “Isso é mais acentuado na lã fina, cuja queda de valor é de 25%. O produtor hoje não está vendendo em algumas categorias - há poucos valores de referência. É muito difícil que alguém que há um ano vendeu a US$ 8 por quilo hoje o faça por US$ 6 pelo mesmo tipo de matéria-prima. Nas lãs grossas, a situação ameniza um pouco, já que as baixas foram menores”. Stewart concordou que o “fator Europa” é a principal causa de toda essa situação.

Apesar de tudo, há alguns sinais positivos. Salgado disse que há alguns sinais que dão esperança para o mercado, mas que esses poderiam se concretizar apenas nos primeiros meses de 2014. “Países como Alemanha e Itália começaram de forma muito lenta a aumentar suas compras e os Estados Unidos vêm saindo em alguns aspectos da crise econômica que atravessa. Embora esse último país não seja um comprador do Uruguai, por sua influência, pesa nos valores internacionais”.

A reportagem é do El País Digital, traduzida e resumida pela Equipe FarmPoint.
 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade