Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Uruguai: queda nas exportações de carne ovina

postado em 16/02/2012

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O crescimento nos abates de cordeiros registrado em 2011 pelo Uruguai explica a menor oferta atual e a baixa nas exportações de carne ovina. Nos mercados consumidores, não observa-se problemas com a demanda.

A queda nas exportações parece ter como principal origem a baixa oferta de carne ovina. O segundo ponto a ser levantado é a dependência do Uruguai pelo mercado brasileiro - forte impulsor do aumento dos preços em 2011 - e que desde o final do ano passado vem comprando menos. Para o analista do Secretariado Uruguayo de la Lana, Carlos Salgado, "o produto estará um pouco mais cogitado nos próximos meses".

Hoje, o Brasil aparece como um comprador de pouco volume. O país deixou de comprar vários cortes pesados - procedentes de ovinos adultos -, porque estão tendo problemas de colocação no mercado. A Austrália e a Nova Zelândia não estão tendo complicações para colocar seus cordeiros no mercado da União Europeia (UE), para onde também vão os cortes de maior valor de carne ovina uruguaia. "Embora a Nova Zelândia tenha baixado um pouco os preços, na Austrália estão muito firmes, principalmente os valores do cordeiro, disse Salgado. Essa é uma boa notícia aos produtores uruguaios que podem esperar uma maior valorização.

Os uruguaios esperam que em breve, os importadores brasileiros voltem a comprar do Uruguai, porque o Brasil não tem outras opções. "O país não compra da Nova Zelândia ou da Austrália, porque os preços e o frete encarecem", comenta Salgado. O Chile e a Argentina, que também são produtores de carne ovina, produzem cordeiros menores e o mercado do Estado de São Paulo, para onde se destina o cordeiro pesado uruguaio, prefere este pelo peso das pernas e dos lombos. Por outro lado, a produção interna do cordeiro brasileiro segue valorizada e em algumas regiões, o preço do kg/vivo está em torno de R$ 6,00.

Para Salgado, a baixa oferta tem uma fácil explicação. "No ano passado, os abates de cordeiros foram maiores que o esperado (cerca de 1,7 milhão de cabeças). Foi um ano muito bom e os valores permitiram que o produtor atendesse melhor o seu rebanho de cordeiros e extraísse o máximo de animais gordos que podia". Houve também queda na oferta de animais adultos, praticamente não há capões e as ovelhas de refugo começar a aparecer após o encarneiramento (março).

Além da dificuldade que a indústria vem apresentando para conseguir oferta de animais, outras duas firmas (Grupo Lares e Olkani S.A.) relatam o mesmo problema. As duas concretizaram a exportação de 10.000 ovinos (ovelhas, capões e borregos) para a Arábia Saudita.

Pelo aumento nos abates de cordeiros em 2011, acentuou-se a falta dessa categoria nos primeiros meses de 2012 e o cordeiro pesado precoce começa a ser visto no mercado esse mês. Nesse ano, há outra vantagem: as recentes chuvas favorecerão a alimentação dos cordeiros pesados.

Salgado destacou que é improvável que os preços do cordeiro caiam. "A oferta é que mandará o futuro. Não vejo um grande golpe em nível de demanda. O golpe veio para baixar os preços e uma vez que se chegue ao equilíbrio, o mercado arrancará de novo".

A reportagem é do El País Digital, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade