Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Uruguai trabalha nova estratégia para exportar ovinos com osso

postado em 11/06/2013

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O Uruguai começa a trabalhar uma nova estratégia para poder entrar com cortes ovinos com osso na União Europeia (UE) e outros mercados que não admitem ainda o produto porque o Uruguai é um país livre de febre aftosa com vacinação. Apoiando-se no Código Sanitário da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), o Ministério da Pecuária, Agricultura e Pesca (MGAP) do Uruguai tentará explorar o conceito de “compartimentação” de ovinos para poder vender cortes com osso à UE.

O Código Sanitário da OIE estabelece as normativas para o comércio de animais e subprodutos da espécie. O conceito de “compartimento” já está incluso no Código de Aftosa e outras doenças animais (incluídas aves e suínos); isso faz com que nenhum possa ignorá-lo.

A ideia é criar um compartimento (isolamento) para ovinos – no Uruguai, não se vacina essa espécie contra a febre aftosa -, onde os animais cumpram seu ciclo sob rígidas evidências científicas que demonstrem a ausência de febre aftosa e, uma vez prontos, ser enviados a um frigorífico habilitado para exportar à UE, fazendo parte de um negócio de cortes com osso com algum dos 27 países do bloco europeu.

“Vamos começar a trabalhar”, disse o diretor de Serviços Pecuários do MGAP, Francisco Muzio, junto ao ex-presidente da OIE e integrante da delegação uruguaia, Carlos Correa. “O conceito de compartimento tem uma série de exigências que estamos estudando para poder trabalhar com os privados, no marco de um esforço que significará um passo importante para o Uruguai, ao começar a comercializar ovinos com osso. É necessário estudar muito bem a quantidade de animais que poderá ter, qual deve ser o lugar geográfico onde eles estarão localizados e com que condições de isolamento se devem cumprir”. Em todos os casos, devem ser animais nascidos no país.

A ideia do MGAP é começar a trabalhar agora, buscando ter uma experiência pronta para o ano que vem. A delegação uruguaia já manteve contatos no marco da Assembleia Anual de delegados da OIE, com os representantes da UE e apoiando a ideia.

A cadeia de carnes do Uruguai informou mais de uma vez à Comissão Europeia e às autoridades de outros mercados, como por exemplo, Israel, sobre seu interesse em vender cortes ovinos com osso, mas, por mais evidências científicas que apresentem, até o momento, sempre foi rechaçada.

Todo ano, antes da Assembleia Anual de delegados da OIE, a direção geral de serviços pecuários apresenta evidências científicas baseadas em amostras sorológicas que certificam que não há febre aftosa. Esses levantamentos têm um alicerce fundamental nos ovinos que, por não serem vacinados contra essa doença e conviverem no mesmo campo com os bovinos, seriam os primeiros a adoecer, porque não têm proteção.

A reportagem é do El País Digital, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.
 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Ricardo Inciarte

Montevideo - Montevideo - Uruguai - Revenda de produtos agropecuários
postado em 15/06/2013

Como se puede ver en el artìculo, el Uruguay tiene buenas posibilidades de exportar a la UE carne de cordero con hueso, lo cual mejora mucho la rentabilidad de los frigorìficos y por lo tanto mejora el precio que recibe el productor. Si se concreta esta iniciativa, se podrìa en el futuro vender con hueso a el resto de los paìses a los que Uruguay vende.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade