Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Leite & Mercado > Giro Lácteo

CNA considera declaração de Minc inaceitável

postado em 03/06/2009

39 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

As relações entre o agronegócio e o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, já estavam ruins, mas agora azedaram de vez. Na semana passada, em Brasília, durante manifestação "Grito da Terra", Minc disse que "os ruralistas encolheram o rabinho de capeta e agora viraram tudo bonzinho, defensor da agricultura familiar. (...) Isso é conversa para boi dormir".

A presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), protocolou nesta terça-feira uma denúncia contra o ministro de Meio Ambiente, na Procuradoria-Geral da República por crime de responsabilidade. A CNA já havia publicado uma nota repudiando a tentativa do ministro, segundo a CNA, de desqualificar os produtores rurais. "(...) Acusar aos brados integrantes de relevante setor da economia brasileira de "vigaristas" e "capeta" denuncia ausência de condições para exercer o cargo", justifica a CNA.

A presidente da CNA considerou o ato do ministro "inaceitável". "Um funcionário público, que usa o posto que lhe foi confiado pelo Presidente da República para desconstruir toda e qualquer ponte em direção ao diálogo com a classe produtiva, deve responder pelos seus atos em todas as instâncias", diz a nota. "A construção de um Brasil ecologicamente responsável está sendo buscada pelo consenso. Ofensas e palavrões são intoleráveis", continua.

O documento redigido pela CNA aponta ainda que os produtores rurais reafirmam ao País o compromisso com a preservação ambiental e com a manutenção da produção de alimentos. "O que não se admite, e não se pode admitir, é que o ministro do Meio Ambiente tente camuflar a solerte intenção de estabelecer o confronto no setor rural brasileiro, mostrando-se desqualificado para o cargo que ocupa."

A senadora argumenta que o ministro teria faltado com a dignidade e o decoro que o cargo requer. "Não vamos aceitar mais nada passivamente. Vamos tentar recuperar a honra e a imagem dos produtores que foi afetada por meio das palavras grosseiras que o ministro do Meio Ambiente disse", afirmou. Durante entrevista coletiva, a senadora mostrou-se decepcionada com a atitude do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em relação ao episódio e disse que esperava atitudes mais contundentes do governo em relação às palavras proferidas por Minc. "Eu quero que ele seja punido. Se fosse eu, você ia ver o que ia fazer, eu o demitia."

Frente Parlamentar

A Frente Parlamentar da Agropecuária aprovou nesta terça-feira (2/6), na Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados, o requerimento 397/2009, que convoca o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, a dar explicações sobre as declarações de que a bancada ruralista era formada por vigaristas.

Antes da votação do requerimento, os parlamentares repudiaram a postura do ministro. O vice-presidente da FPA para a região Norte, Moreira Mendes (PPS/RO), defendeu a exoneração do ministro. "O Brasil precisa de autoridades que tenham responsabilidade com os cargos que ocupam", justificou.

Para o vice-presidente da FPA para a região Sul, deputado Luis Carlos Heinze (PP/RS), Carlos Minc usou de demagogia para incitar os agricultores e ruralistas. Segundo Heinze, vigaristas são aqueles que querem entregar as terras brasileiras para os estrangeiros. "Nós da Frente Parlamentar da Agropecuária é que defendemos o verdadeiro agricultor, seja pequeno, médio e grande", frisou.

Na opinião do vice-presidente para a região Sudeste, deputado Duarte Nogueira (PSDB/SP), Carlos Minc ofendeu a liturgia que o cargo de ministro do Meio Ambiente exige. "O ministro ainda está vivendo o dilema de 30 anos atrás entre preservar ou produzir. Temos que preservar com sustentabilidade econômica", argumentou.

Ao lamentar a declaração, o presidente da Frente, deputado Valdir Colatto (PMDB/SC) disse que o ministro deve se preocupar com as 17 favelas cariocas que estão em unidades de conservação. "É muito mais fácil atacar o pequeno produtor, que fica com a enxada na mão do que cuidar dos problemas ambientais do Rio de Janeiro", salientou.

Minc

O ministro Carlos Minc reagiu à denúncia feita contra ele pela senadora e presidente da CNA, Kátia Abreu. "O fato de os ruralistas estarem preocupados com a minha permanência do ministério me faz achar que estou no caminho certo", completou Minc. "Podem me insultar e pedir minha cabeça que vou continuar governando, vou continuar coibindo os vossos crimes ambientais".

O ministro atribuiu a denúncia ao desespero dos ruralistas. "Essa tensão começou quando nós impedimos eles [os ruralistas] de esquartejar a legislação brasileira e conseguimos refazer o acordo histórico entre a agricultura familiar e os ambientalistas. A CNA perdeu uma margem que ela tinha de manobra, eles estão desesperados e querem me tirar do governo", afirmou.

Minc disse que os ruralistas não mandam no país e por isso não determinam quem entra ou sai do governo. "Que me conste, o Brasil é comandado pelo presidente Lula, e não pelos ruralistas. Alias, se tivesse sendo comandado pelos ruralistas, não ia ter Bolsa Família, ia ter Bolsa Latifundiário", rebateu Minc.

Depois da troca de insultos, Minc chegou a divulgar nota oficial para afirmar que não teve a intenção de insultar a bancada ruralista. "Não mencionei qualquer nome, não ofendi qualquer pessoa. Alertei sobre o risco de manipulação da agricultura familiar pelos grandes com o objetivo de usá-los como massa de manobra contra as proteções ambientais", diz Minc na nota.

O ministro, porém, disse que vai procurar a CNA para tentar entrar em um acordo, mas ressaltou que a agricultura familiar terá maiores benefícios.

Assista parte do discurso do Ministro do Meio Ambiente durante a manifestação "Grito da Terra":




As informações são do jornal O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo, Último Segundo, Portal Exame e G1, resumidas e adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Antonio Luis B.de Lima Dias

Mococa - São Paulo - Consultoria/extensão rural
postado em 03/06/2009

Momento de parabenizar a senadora Kátia Abreu pela rápida resposta ao ministro.

É hora de todos os sindicatos e entidades de classe tomarem posição junto da senadora, para defender a posição dos agricultores.

Márcio Martins Ferreira

Barretos - São Paulo - Produção de ovinos
postado em 03/06/2009

SEM NOÇÃO!!!!!!!

É ministro dos próprios interesses, quando deveria ser do povo brasileiro, deveria defender a sustentabilidade e não incitar a intolerância, deveria buscar soluções e não culpados para uma situação que ele não consegue resolver por falta de conhecimento e quem sabe competencia, parece que está em campanha para eleição. Caro ministro trabalhe pelo seu povo sem demagogia, sem violêcia pois as gerações futuras lembrarão de um ministro desequilibrado e autoritário, trabalhe mais e fale menos deixe seu trabalho falar, aliás que trabalho? Não temos resultado nenhum do Ministério do Meio Ambiente a não ser proibições e ameaças, que saudades da antiga ministra.

Nós produtores conhecemos e abraçamos o compromisso com uma agropecuária econômicamente viável, ecológicamente correta e socialmente justa, ministro é impossível ter paz se o povo tem fome, o senhor precisa de mais equilíbrio emocional para ser tão passional sem ofender aqueles que colocam o alimento na sua mesa (que não é a mesma mesa daqueles para quem o senhor discursa).

"Sou um homem pacífico; Deus sabe o quanto eu amo a paz, porém espero jamais ser tão covarde que confunda opressão com paz, espero também que ninguém confunda ser PACÍFICO com ser PASSIVO, pois mesmo que não haja opressão, o receio de não lutar por nossos direitos pode nos transformar em COVARDES." (KOSSUT)

Fernanda Silva Couto

Santo Antônio do Monte - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 03/06/2009

Este senhor Minc não tem perfil de assumir pasta alguma. Senadora kátia Abreu continue sendo a nossa porta voz!

Bruno Soares

Pompéu - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 03/06/2009

Como produtor, acho difícil até mesmo falar. É uma situação completamente humilhante, e que agora é dirigida pelo governo. Até o Presidente achou engraçada a atitude de Minc, ao invés de cobrar explicações dele.
Estamos sem apoio do governo, mas devemos valorizar a luta de kátia Abreu que busca justiça para os que trabalham por um país sem fome.
Quanto ao Ministro do Meio Ambiente, acho que ele está com os pensamentos alucinados, para não dizer nomes feios. Será que ele não come, será que ele não pensa no alimento que vai à sua mesa todos os dias? Ele deve sempre lembrar então que o que ele come todo dia é produzido por ladrões vigaristas e capetas.

joao jacintho

Ribeirão Preto - São Paulo - Produção de ovinos
postado em 03/06/2009

É louco, quer destruir o Brasil. O povo vive é de alimento e não de demagogia. Ele vai voltar para o Rio daqui uns dias, e vai ficar na praia do Leblon contando loratas, para os desocupados da área.

Abraços aos agricultores, dos menores até os maiores. Cabeça erguida a todos

Fábio Talayer Torres

Nova Monte Verde - Mato Grosso - Consultoria/extensão rural
postado em 03/06/2009

Quem está usando a agricultura familiar para beneficio próprio é o nosso Excelentíssimo Ministro do Meio Ambiente. É só ele perguntar para pequenos e médios produtores sobre o que eles acham da lei ambental, 99,9 % falarão que são contra. Claro, quem vai ser a favor de jogar contra seu próprio patrimônio.

Carlos Magno Pereira

Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Controle Agropecuário
postado em 03/06/2009

Parabéns a Sra Katia Abreu pela sua posição imediata contra esse "Cidadão" que com tamanha irresponsabilidade faz declarações incabíveis sobre a nossa classe produtora, a qual tanto contribui com o desenvolvimento desse país.

Sucessos à nossa classe!

claudio dabus figueiredo

figueiropolis d´oeste - Mato Grosso - Produção de gado de corte
postado em 03/06/2009

As mentes lucidas do Brasil, tem mais uma vez, a oportunidade de entender a grandeza da produção rural brasileira. A produção continua, apesar de sermos governados por uma corja descaradamente corrupta, e salpicada de imbecis ,com seus ridiculos coletes e mentes doentias. Graças a Deus o tempo passa, e leva com ele a lembrança da passagem dessa escoria, por nossas vidas. Esperemos que esse dia não demore muito.

Helvecio Oliveira

Belo Horizonte - Minas Gerais - Pesquisa/ensino
postado em 03/06/2009

Parabéns Káthia.

Renato Campbell Rocha

Presidente Prudente - São Paulo - Engenheiro Agrônomo
postado em 03/06/2009

Vale lembrar também a atuação do Deputado Ronaldo Caiado que defendeu os produtores dessa atitude ridícula por parte do ministro. Precisamos estabelecer uma representação legislativa mais atuante e impositiva.

Marcos José Rezende

Poços de Caldas - Minas Gerais - Indústria de insumos para a produção
postado em 03/06/2009

Gostaria de começar parabenizando a Senadora Kátia Abreu e o Dep. Ronaldo Caiado.

O Ministro Carlos Minc depois de ter caido de paraquedas em um ministério que ele não tem noção do que seja, ter roubado gado que disse estar em terras da união, agora ofende quem trabalha no Brasil. O pior é que o presidente Lula acha isso engraçado.

Vigarista, muito bonito Minc.

Quem anda com sem terra, vai em encontro de apologia de plantio de maconha é realmente muito preocupado com ecologia. (sem terra, ascentados, nunca desmataram na vida!)

O que podemos esperar dessa turma que gasta o que os produtores pagam de impostos? Se o governo Lula e seus ministros não querem ajudar a agropecuária vão viajar, não encham o saco e nos deixe trabalhar.

Minc vai comprar um terno, corte seu cabelo, trabalhe e comece a parecer uma pessoa séria.

Lourival Silveira do Couto

Guaraí - Tocantins - Produção de Ovinos
postado em 03/06/2009

Realmente somos dignos de pena. Diante desse discurso demagogo, de mais um fantoche criado para o circo que nos governa.

wander nader

Araguari - Minas Gerais - Produção de café
postado em 03/06/2009

Este carlos Minc não sabe e não tem consciência perfeita das coisas que fala.Esta acendendo um pavio,não de bomba ,mas da paciência dos produtores brasileiros, que pode estourar a qualquer momento.chamar de "vigaristas" aqueles que estão promovendo exportação e ainda enchendo a barriga do brasileiro,é no minimo uma falta de inteligencia e sensatez da parte do sr.ministro.(com letra minuscula se me permite).

Vicente Romulo Carvalho

Lavras - Minas Gerais - Trader
postado em 03/06/2009

Desta vez o presidente tem razão, o tal de Minc merece este e outros adjativos. Pois, cuida-se de uma figura inusitada, que não se deve levar a sério nada que ele fala, fico louco para ver ele dar umas destas.

Umberto Nascimento Paulinelli

Rio Maria - Pará - Distribuição de alimentos (carnes, lácteos, café)
postado em 03/06/2009

O Sr Carlos Minc, está encadeando um movimento absurdo no brasil, ao tentar acabar com a pecuária na amazonia, ele faz com que os milhares de trabalhadores rurais, fiquem desempregados, passem fome, e que sejam obrigados a se juntarem ao MST, sem contar o fato de anular a pecuaria do norte do pais que contem 19% dos bovinos do brasil e crescia muito acima da media nacional.

Carlos Minc fora-já.

Marcos Salazar de Paula

Lima Duarte - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 03/06/2009

Precisam dizer ao Minc que foram generalizações como estas, com clara tentativa desesperada de manipular a opinião pública contra seus opositores, que levaram milhões de judeus aos campos de concentração nazistas. Como judeu que é, o ministro deveria ter mais responsabilidade e ser mais tolerante. A agressividade do ministro diante de toda uma classe que discorda de seus atos faz lembrar os discursos nazistas. Eles também tiveram altos índices de popularidade em seu tempo.

Guardando-se as devidas proporções, não há diferença entre os verdadeiros capetas de ontem e o ministro capeta de hoje. Governos de extrema direita ou esquerda são idênticos. São inimigos da democracia, não toleram opositores e acabam afundando no lixo produzido por eles mesmos.

Sergio soares da silva

Santa Tereza - Espírito Santo - Produção de café
postado em 03/06/2009

Esta é uma questão complicada, pois há séculos passados o governo incentivou os imigrantes a virem para o Brasil, permitindo assim o desmatamento. Agora vem querer punir os descendentes pelo erro que ele, governo, fez no passado.

Acho que se deve coibir os desmatamentos futuros, mas agora vir com esta lei que está ai, vai ficar dificil, pois moro em uma região montanhosa. Como vou ficar? Nas encostas não poderei produzir, nas poucas baixas, deixo os metros de mata ciliar, além da reserva legal. O que será de nós? E como uma lei vai punir um desmatamento que é bem anterior a ela?

Celso Vieira Junior

HELIODORA - Minas Gerais - Produção de café - SENAR MINAS
postado em 03/06/2009

MINC não pode chamar os ruralistas de vigaristas, mas os ruralistas podem chamar o governo e ministros de tudo quanto é nome. Devo estar sonhando, lendo estes artigos que dizem que os ruralistas e pecuaristas são os salvadores da pátria.

Contem outra. Estão fazendo a mesma coisa que o ministro Minc. Só xingando e defendendo o próprio interesse.

Nada de sensato.

Ramiro Julio

Piuí - Minas Gerais - Produção de café
postado em 03/06/2009

A esquerda está mostrando o seu rosto e seus principios. Está parecendo com o governo de outro país! Mais ao norte especificamente!

Guilherme Treméa

Coronel Vivida - Paraná - Revenda de produtos agropecuários
postado em 03/06/2009

Algo inaceitavel! Esse ato de total irresponsabilidade daquele que se diz ministro, deve ser encarado como enorme falta de respeito com todos aqueles que produzem no nosso país, pessoas essas que movem a economia brasileira, responsavel pela grande maioria das exportações.
Cabe a frente parlamenter mostrar-se forte e unida, defendo todos nós que infelizmente não podemos fazer nada, mas que estamos descontentes e não aceitamos esse tratamento!!

Estêvão Domingos de Oliveira

Caçu - Goiás - Médico Veterinário - Consultoria/Extensão
postado em 03/06/2009

É hora da bancada ruralista e dos produtores demonstrarem força, afinal como funcionário público, cabe ao Minc entender que ele é funcionário da população brasileira. População esta que, mesmo sem valorizar da forma adequada o setor produtivo, precisa dos produtores para o café da manhã, o almoço e o jantar.

Pena que esse ministro ainda não compreende que a melhor forma de conseguir algo hoje é através do diálogo e, principalmente de respeito.

Que nós produtores continuemos a trabalhar e a contribuir para o progresso de nosso país.

Rodrigo Belintani Swain

São Paulo - São Paulo - Produção de gado de corte
postado em 03/06/2009

O ministro esqueceu que os ruralistas representam não só os grandes mas tb os medios e pequenos produtores, que a cna luta a muitos anos para união da classe, e que vigarista é a mamãe dele

Marcello de Moura Campos Filho

Campinas - São Paulo - Produção de leite
postado em 03/06/2009

Em janeiro de 2009, ao ver que o ministro Minc dizia que as acusações na imprensa eram fruto de uma indisposição do ministro Stephanes, que representava os grandes produtores que queriam a reforma do Código Florestal para avançar contra a preservação ambiental, escrevi o artigo "Stephanes x Minc: Reforma do Código Florestal". Nesse artigo lembrei que Stephanes, ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, representa não só os grandes, mas também os médios e pequenos agricultores e pecuaristas, e que sua pasta tem a responsabilidade do abastecimento da população. E coloquei que ao País não interessava desentendimentos e discussões emocionais dos ministros sobre a reforma do Código Florestal, mas um entendimento racional para que o Código Florestal atenda as necessidades nacionais de produção de alimentos e de meio ambiente.

Mas o que se ve de lá para cá são tantas declarações absurdas, fomentando o desentendimento entre a classe produtiva e os ambientalistas, que são inaceitáveis e só podem ser fruto do aumento do destempero emocional do ministro Minc. Tem toda a razão a Senadora Katia Abreu, presidente da CNA, em protocolar na Procuradoria Geral da República denúncia de crime de responsabilidade do ministro Minc, por um funcionário público cujo cargo lhe foi confiado pelo Presidente da República, procurar destruir toda e qualquer possibilidade de dialógo com a classe produtiva, o que não interessa de forma nenhuma ao País.

A única coisa que faz sentido nas declarações de Minc é que quem comanda o País é o Presidente da República. Esperemos que o presidente Lula de um basta ao destempero emocional do ministro Minc ou troque de ministro, para que possamos ter uma discussão racional e com embasamento técnico sobre essa questão e nos asseguremos que a reforma do Código Florestal, que o próprio ministro já admitiu como necessária, atenda as necessidades do País em termos de produção de alimentos e de proteção do meio ambiente.

Marcello de Moura Campos Filho

Orlando Sanches Garcia Filho

Fernandópolis - São Paulo - Frigoríficos
postado em 04/06/2009

Senhores este ministro de circo não é digno de tomar o nosso tempo, pois nós trabalhamos com seriedade para alimentar o Brasil e o mundo, ele passará, nós ficaremos. Diz um velho ditado, o tempo cura o queijo. Vai com deus poeta, pois nossa classe produtora é séria, e não este circo seu.

Rodrigo Benez

Araçatuba - São Paulo - Produção de gado de corte
postado em 04/06/2009

É que a classe ruralista é muito desunida , queria ver ele sem carne na mesa , ou sem arroz , feijão, milho , soja , o que ele quer importar tudo? Ou será que ele não sabe que o nosso pais é o maior produtor de carne, milho , soja , etc do mundo. Ou será que este sujeito não sabe que quem financia tudo isso são ´´ estes produtores vigaristas aqui´´ , e arcam com toda a instabilidade do mercado. Acorda Minc! Acho que você deveria comer mato deve fazer bem a sua saúde mental!

Fábio Mamoni Barduchi

Ipameri - Goiás - Produção de gado de corte
postado em 04/06/2009

Carlos Minc é louco. Ele parece que não sabe que a maioria dos agricultores do sul são pequenos propritários. Quero ver a hora em que a produção agricola e pecuaria despencarem o que será da economia e como sera o desemprego na area rural, ja que aqui em goias a area produtiva sera reduzida quase pela metade.

Breno Augusto de Oliveira

Alto Araguaia - Mato Grosso - Consultoria/extensão rural
postado em 04/06/2009

Espero que esta discussão amadora política, produza algum fruto, pois enquanto produtores de bovinos (leite e corte) estão colocando a cara a tapa, os marajás da soja (cadeia produtiva caracterizada por comercializar quase 80 % da produção sem valor agregado-processamento), suínos e aves ficam em silêncio buscando mercados, subsídios e detonando o meio ambiente.
No meu ponto de vista o problema na esta nos poderes públicos, esta dentro da porteira. Onde estão as iniciativas cooperativistas popularizadas no campo, a Austrália que foi uma Prisão agrícola inglesa, sem políticos e radicalismos apenas com inteligência, profissionalismo e cooperativismo se tornou esta potência agroalimentar que é hoje.
Ficar procurando cabelo em ovo é muito caro hoje em dia, sendo que é mais barato e rentável procurar resolver entraves produtivos com união, propiciar remuneração adequada á funcionários (faz tempo que não encontro nenhum funcionário rural estabilizado e feliz sem querer se mudar para cidade) e ter sucesso!

Rene Motta

Várzea Grande - Mato Grosso - Consultoria/extensão rural
postado em 04/06/2009

Como diz um velho ditado.
De médico e louco todo mundo tem um pouco., mais esse minc é louco de vez.
Achei que já tinha ouvido de tudo em minha vida, mais esse cidadão extrapolou tudo que é razoavel, ele só fala e faz asneiras chegando a beira do ridiculo e da insensatez.
Esse cara(minc) dia ou mais dia ele sai fora do Ministério, já devia ter saido (exonerado).
Pergunto:- Como vai ficar os estragos(geral) praticados por esse cidadão?
Quem tiver as respostas(soluções a curto e longo prazo) por favor me avise.
Rene.

edmilson bergamini

Fernandópolis - São Paulo - Produção de gado de corte
postado em 04/06/2009

É notorio que esse "Carlinhos Minc", está desestabilizando todo o setor agropecuário brasileiro. É um SER totalmente despreparado e irracional. Temo que mais uma vez todo o onus do que foi feito no passado, recaia exclusivamente a nós produtores rurais. Nossa única esperança é propria constituição do país, que estabelece que "todos" devem zelar e cuidar do meio ambiente, inclusive os municipais, estados e a nação.

Roberto Jank Jr.

Descalvado - São Paulo - Produção de leite
postado em 05/06/2009

Este sujeito não tem estatura para Ministro de Estado; se o Lula não fizer nada precisamos lançar o movimento "derruba Minc". Apoio total à Kathia Abreu.

Eugenio Mario Possamai

Água Boa - Mato Grosso - Produção de gado de corte
postado em 06/06/2009

Como foi citado acima não termos muito a fazer, pelo contr´´ario, temos muito a fazer, pois está em nossas mãos tudo nesse pais, temos o voto, temos a produção, que queremos de mais importante? Podemos parar esse País, dai veremos o que o Sr. Ministro fará? A minha opinião é de que todas as nossas entidades de classe deveriam entrar na justiça para o Sr. Ministro retratar-se em cadei nacional de rádio e televisão, ou provar tudo o que ele disse.

elisio antonio de oliveira

Juiz de Fora - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 06/06/2009

Penso que o sr. Minc poderia ser mais coerente ao inves de ficar insitando situações e leis impraticaveis. Colocando o agricultor brasileiro como marginal e esquecendo da participação dele no PIB. Tudo isso em nome do meio ambiente, porem não entendo como nos grandes centros urbanos são jogados nos rios muitas toneladas de dejetos. Lamentavel. Que contraste hein Minc?

sandro luiz rosa reis

Bom Jesus do Itabapoana - Rio de Janeiro - Consultoria/extensão rural
postado em 09/06/2009

É impressionante como uma pessoa que sofreu tanto com a ditadura, se porta nos dias atuais como ela.
Estou envergonhado como produtor rural do Estado do Rio de Janeiro, pois nosso Ministro do Meio Ambiente saiu do nosso Estado para Brasilia e acho que o cargo subiu a cabeça dele.
Estava fazendo um brilhante trabalho no Estado do RJ e agora nos decepciona.

É uma lastima...

Bruno Roberto Médici Pereira

Auriflama - São Paulo - Consultoria/extensão rural
postado em 09/06/2009

Uma pena. Uma pessoa que não deveria ser populista, e sim mais eficiente em conduzir o diálogo entre a produtividade e preservação, que eu acredito que quando feitas de maneiras nobres e com ajuda das tecnologias, desenvolvidas por nós, brasileiros do agronegócio, seriam sim motivo de ataques de esteria em cima de um trio elétrico, palanque ou qualquer cargo de nível nacional!!!

Fábio Silveira Moreira

Governador Valadares - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
postado em 12/06/2009

O coitado do ministro é um desequilibrado, será que ele não se alimenta? Suas palavras não passam de um discurso demagogo, pois frequenta belas praias, mora em uma bela casa e adora caviar e um bom vinho português. E onde fica a agricultua familiar? Para ele, essa não passa do palanque.

luis antonio novita martins

São Sebastião da Bela Vista - Minas Gerais - Empresário
postado em 16/06/2009

Faço minhas as palavras do nobre companheiro de Barretos-SP "03/06/2009- Márcio Martins Ferreira", acima...

Gil Marcos de Oliveira Reis

Belém - Pará - Mídia especializada/imprensa
postado em 19/06/2009

Por favor senhores, o Ministro Minc é apenas um marionete de colete plantado para desviar a nossa atenção.

O jogo é de pesos-pesados, por trás dessa "cortina de fumaça" de colete estão os interesses de grandes grupos internacionais e a idéia é destruir a economia brasileira através da destruição do agronegócio.

Vamos ficar atentos, o greenpeace já começou a ditar as normas da política ambiental na Amazônia.

O ministro está falando em nome do Governo Lula, tudo o que ele diz é a opinião do governo, se alguém tem alguma dúvida é só prestar atenção - ele jamais foi desautorizado, desmentido ou censurado.

ademar crisostomo pereira filho

jaraguá - Goiás - Produção de gado de corte
postado em 02/07/2009

Será possível um Ministro falar tanta besteira? O quê que esse infeliz conhece de Brasil? Ele não passa de mais um despreparado no governo do Lula.

Fernando Andrade Lima

São Luís de Montes Belos - Goiás - Estudante
postado em 08/07/2009

É inadimissivel um país como o Brasil ter um ministro desse. O Brasil que é um país agricola, onde mais de 40% do PIB é fruto do agronegocio, gera milhoes de emprego de norte a sul, ter um ministro como o sr. Carlos Minc é um absurdo. O que nos mantem confiantes é que ainda temos politicos compromissados com o Brasil com a Senadora Katia Abreu. Parabens Senadora por sua coragem em defender o Brasil.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade