Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Espaço Aberto

Agronegócio familiar

Por Xico Graziano
postado em 27/07/2011

14 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Funcionam no Brasil, estranhamente, dois Ministérios da Agricultura. Um se dedica ao agronegócio e o outro, ao produtor familiar. Uma invencionice política difícil de entender. Parece jabuticaba, só existe aqui. Uma safra, dois planos. Em Ribeirão Preto (SP), o governo anunciou as regras do financiamento da safra para a agricultura chamada empresarial. Semanas depois, foi a vez do plano da agricultura dita familiar, lançado em Francisco Beltrão (PR). Uma agricultura, dois discursos. No palanque paulista, as lideranças ruralistas aplaudiam Wagner Rossi, ministro da Agricultura e Abastecimento. No Paraná, os camponeses reverenciavam Afonso Florense, ministro do Desenvolvimento Agrário. Presente em ambos os eventos, a presidente Dilma Rousseff seguiu o roteiro lulista, naquele estilo ambíguo que agrada a gregos e troianos.

Essa dubiedade na gestão governamental se manifesta em vários outros momentos. Nos fóruns internacionais, como na Organização Mundial do Comércio (OMC), frequentemente se percebem cadeiras expressando posições distintas, quando não contraditórias. Uma dá prioridade a abrir exportações, outra discute segurança alimentar. Enlouquece o Itamaraty.

Tudo começou em 1996, quando o presidente Fernando Henrique Cardoso criou o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Sua ideia básica, inédita, foi carimbar uma fatia dos recursos do crédito rural, obrigando sua aplicação nos pequenos produtores, incluindo os assentados da reforma agrária. Faz sentido.

Tradicionalmente, os grandes proprietários abocanham todo o dinheiro para financiamento rural. O Pronaf mudou essa história. Seu sucesso o tornou robusto dentro da política agrícola do País, executada pelo Ministério da Agricultura com apoio do Banco do Brasil.

Quando Lula assumiu, porém, achou por bem transferir a gestão do Pronaf, entregando-a ao Ministério que cuida da reforma agrária. Atendeu à gula da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) e do Movimento dos Sem-Terra (MST). Entregou o ouro. O Ministério do Desenvolvimento Agrário passou a operar o Pronaf segundo critérios exageradamente ideológicos e partidários. Assim funciona o jogo do poder. Afinal, a oligarquia rural também sempre mandou no Ministério da Agricultura.

Um grave problema, porém, surgiu dessa tramoia. Ao apartar o atendimento aos pequenos agricultores em outra pasta, criou-se uma falsa dicotomia. A polarização acirrou a distinção, inexistente, entre agronegócio e agricultura familiar.

Gente que se imagina dadivosa combate o agronegócio, como símbolo do mal. Tal pensamento expõe um dos maiores equívocos produzidos pela esquerda brasileira. Por definição, nada opõe o pequeno produtor à modernização tecnológica nem ao mercado. Ao contrário. Investir em qualidade configura caminho único para o progresso no campo.

Conceitualmente, o termo agronegócio refere-se ao conjunto das atividades produtivas geradas no meio rural. Na pecuária, por exemplo, as empresas de insumos e máquinas fornecem bens e serviços à criação animal. Na outra ponta, colocam-se os frigoríficos, as agroindústrias, os açougues. Eles processam e vendem. Somados aos pecuaristas, esse conjunto caracteriza o agronegócio da carne.

No Brasil moderno, dentro do segmento rural propriamente dito são gerados só 27% do PIB dos agronegócios. Outros 7% do valor econômico se localizam antes da porteira do agricultor, enquanto 66% do valor dos agronegócios - a maior fatia - rola depois da porteira das fazendas.

Na concepção do termo, portanto, somente não participa do agronegócio quem produz para si. E são muitos. Especialmente no semiárido nordestino, cerca de 1,5 milhão de pequenos agricultores pobres e rudimentares mal conhecem a economia comercial. Outro enorme contingente, cerca de 1 milhão de famílias assentadas pela reforma agrária se encontram isoladas.
Nada condena os agronegócios. O cultivo de subsistência, esse, sim, está ultrapassado pelos tempos, sofrendo na miséria. Aqui reside o grande desafio da política pública: conseguir modernizar a agricultura atrasada, integrando-a aos mercados, tornando-a empreendedora. Ao contrário do que vociferam os obscurantistas agrários, a saída da pobreza rural rema a favor dos agronegócios, não contra.

Esse caminho vitorioso tem sido trilhado por incontáveis pequenos agricultores que buscaram conhecimento, integraram-se às agroindústrias, vincularam-se às cooperativas agropecuárias. A produtividade deles cresceu, a renda melhorou. Pequenos, organizados, tornam-se grandes. Essa emergente classe de produtores surge exatamente da inserção positiva no agronegócio, fundindo tecnologia e mercado com boa gestão familiar. Ela fornece hoje o dinamismo da agricultura nacional, puxado pelo sojicultor paranaense ou gaúcho, pelo cafeicultor mineiro ou capixaba, pelo suinocultor catarinense, pelo fruticultor paulista, pelo pecuarista goiano, entre tantos.

Fazendeiro graúdo chega a ter inveja desses progressistas agricultores. Sua área média gira em torno dos 50 hectares e, no conjunto, respondem por aproximadamente 70% da produção agropecuária do Brasil. Embora familiares, não prestam a mínima atenção ao discurso boboca
que, ao intrigá-los com os agronegócios, os condena ao atraso.

O Brasil não precisa de dois Ministérios da Agricultura. Carece, isso sim, de uma política emancipadora no campo, livrando os agricultores pobres, resignados, da manipulação política de líderes que, disfarçados de salvadores, vivem de explorar a miséria alheia. Taí uma boa tarefa: desenvolver uma vacina contra esse terrível mal.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

Xico Graziano    São Paulo - São Paulo

Consultoria/extensão rural

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Gilberto Guarido

Campo Mourão - Paraná - Consultoria/extensão rural
postado em 27/07/2011

Parabéns pela clareza de raciocínio.
Precisamos acabar com esta hipocrisia tola que só serve para alimentar a mídia com reportagens improdutivas e favorecer pseudos líderes mal intencionados.

Gilberto Guarido  Campo Mourão - Pr

Roberto Antonio Thomaziello

Campinas - São Paulo - Consultoria/extensão rural
postado em 27/07/2011

         
             Xico Graziano

         Parabens pela matéria Agonegócio Familiar.Como sempre você é pontual e
    brilhante nas suas colocações e comentários.

                                                                                                         Abraço
                                                                                               Roberto A. Thomaziello
                                                                                                          IAC-Campinas

Carlos Eduardo Costa Maria

Anhembi - São Paulo - Instituições governamentais
postado em 27/07/2011

O tema é interessante e o autor deixa claro sua posição sobre o tratamento diverso entre a agricultura tradicional e a chamada familiar. No meu entendimento não existe dois ministério da agricultura, mas sim uma postura governamental explicita de alavancar a agricultura de subsistência ao um patamar mínimo de dignidade o que não aconteceria se fosse deixado pelo ministério da agricultura que sempre atendeu aos anseios dos grandes latifundiários.

Odilson L. Ribeiro e Silva

Bruxelas - Região de Bruxelas - Bélgica - Instituições governamentais
postado em 28/07/2011

Parabéns pelo artigo. Muito claro e objetivo. Dessa  forma conseguiremos debate para chegarmos a melhores direcionamentos das políticas públicas.

Eumene Sbrana

Sorocaba - São Paulo - Produção de caprinos de leite
postado em 28/07/2011

Esta vergonha só acontece num pais que não é sério, comandado por politicos desonestos e geradores de "cabides de emprego", acordos entre partidos que articulam meios para desvios de verbas e não estão preocupados com o desenvolvimento do pais, menos ainda do produtor agropecuário...

Marcos Vinicius Grein

Balsas - Maranhão - Consultoria/extensão rural
postado em 30/07/2011

O artigo do Xico Graziano é de uma clareza solar. A agricultura dita empresarial e a agricultura familiar não são excludentes, ao contrário, são complementares. Propriedades menores devem gerar mais renda produzindo itens de maior valor agregado, porém, sempre com tecnologia (economicamente sustentável) e qualidade (mercado). O maior problema do campo é a de geração de renda e não de espaço físico para produzir.

José Antonio Padial Posso

Monte Carmelo - Minas Gerais - Produção de café
postado em 31/07/2011

Aí está o problema. Não gosto do termo "agricultura de subsisitência".  Como diz a letra da música - "não queremos só comida...".


O Chico tem toda razão. O papel do governo é o de levar a agricultura familiar a participar de fato do tão malfalado agronegócio (aí entra o associativismo e o cooperativismo).


E sem a mão do Estado através das empresas de extensão rural, por exemplo, na sua função mais nobre que é a de levar os pequenos proprietários a pensarem em formas de saírem dessa eterna situação de dependência (vide as idéias de Polan Laki.com.br), isso dificilmente mudará dada a cultura arraigada no meio.


O fato é que essas empresas não cumprem efetivamente sua função. Vivem num ir e vir de trabalho burocrático que acabam não levando a nada. Sem vontade política nada  muda. E esse estado de coisas interessam muito a governos populistas. Taí a primeira mudança necessária.

Jair Locatelli

Três Passos - Rio Grande do Sul - Consultoria/extensão rural
postado em 31/07/2011

Muito oportuno o artigo.


Quando se busca a eficiência na assistência técnica nas pequenas propriedades logo as mesmas estarão inseridas num estilo empresarial de trabalho e administração, evoluem, crescem e tem lucro. Os filhos permanecem administrando as propriedades após formados garantindo a sucessão das mesmas. Tenho vários exemplos no meu trabalho em propriedades com menos de um módulo fiscal.


No pensamento ideológico de agricultura adotado por alguns,a sua manutenção está comprometida, sem resultado econômico e a disputa por auxílios sociais é grande.

Liodeir Rodrigues Carvalho

Jataí - Goiás - Produção de gado de corte
postado em 01/08/2011

Pobreza se combate com riqueza.

Tecnologia e gestão abrem as portas do desenvolvimento para muitos.
Ideologia gera pobreza em massa.

Educação gera desenvolvimento para quase todos.

Nei Antonio Kukla

União da Vitória - Paraná - Consultoria/extensão rural
postado em 01/08/2011

Muito interessante o artigo, especialmente por alguém como o autor se propor a falar em agronegócio familiar. Oportuno ainda os dois comentários sobre o texto, onde falar que mesmo a agricultura sendo familiar, ela carece e precisa de investimentos em tecnologias apropriadas para as suas condições. Propriedades familiares tem plenas condições plenas de investir na agregação de valor aos produtos que ali são gerados. Assistenciar tais propriedades no sentido de torná-las economicamente viável, repetindo, independente do seu tamanho, faz com que o núcleo familiar ali existente, ali permaneça com renda e poder econômico e assim tenha vida digna. Consequentemente, a diminuição do êxodo rural é vista.


Ainda, independente dos dois Ministérios, algo já está sendo feito com a nova Lei de ATER, onde a contratação de profissionais para dar assistência justamente àqueles que estavam a mercê da sorte, começa a inverter um pouco o cenário de quem não recebia nenhuma orientação técnica efetiva.

Marcos Mendes Biet

Vitória - Espírito Santo - Consultoria/extensão rural
postado em 01/08/2011

Brilhante o prof Xico Graziano, como sempre, simples e direto ao ampliar o conceito ou noção de agronegócio. Para os pequenos agricultores que tem como meta a sustentação de suas familias, passar a gerar excedente de produção, sem ganho de escala e recebendo muitas vezes, preços inferiores aos recebem os empresarios do agronegócio, deveria ser alvo de politica publica com finalidade compensatória.

Diogo Dias Teixeira de Macedo

São Sebastião da Grama - São Paulo - Engenheiro Agrônomo
postado em 01/08/2011

A divisão em dois ministérios só serviu para dar força ao MST, que se tornou não um aliado a agricultura, mas contra qualquer tipo de agronegócio, pequeno ou grande. Virou um verdadeiro negócio, participantes do MST não podem ter carteira assinada, não podem trabalhar, não podem nada a não ser ir na contra-mão, ou estes perdem todos os benefícios como cestas básicas, bolsa família, bolsa gás ... enquanto os líderes do MST se beneficiam de grandes valores "desviados" por eles, e vivem em casas e apartamentos de luxo, uma vergonha que só não vê quem não quer ... diga-se: "Governo Federal".



Xico Graziano escreve com clareza em seu artigo, parabéns, não há agricultura de subsistência que vá acabar com a miséria e a fome, muito menos trazer qualidade de vida aos agricultores, ninguém vive só de feijão ou de mandioca, nínguém quer só arroz na sua mesa, precisam de uma agricultura que traga renda, que sobre para vender e ter dinheiro no bolso para investir em suas terras e produzir e mais ... sem renda não dá.

Henrique Miranda

Brasília - Distrito Federal - Instituições governamentais
postado em 02/08/2011

Também como Engenheiro  Agrônomo vejo dicotomia entre os interesses dos dois ministérios, já que o objeitvo do Agronegócio é um só: gerar riqueza que para quem está incluído na cadeia produtiva. O MDA está cumprindo bem o seu papel de inclusão da Agricultura Familiar, no entanto a conotação política em suas ações é desnecessária.

JULIANA VIEIRA SALLES VARALLO LEITE

Joanópolis - São Paulo - Médica Veterinária/ Produtora Rural- leite
postado em 28/12/2011

Tendo em vista que a estrutura fundiária do Brasil segundo o INCRA em 2003 era composta por 92,56% de imóveis pequenos (menos de 200 ha) e ao contrário, os imóveis médios e grandes (200 ha e mais) correspondiam a 7,44% dos imóveis. A média nacional de área de propriedades rurais e de 66,4 hectares, sendo 49,4% possuindo área ate 10 há; 39,4% de 10 a 100 há, e 47,9 % dos estabelecimentos rurais estão na região nordeste onde e sabido que o nível de escolaridade e bem aquém da media nacional.

Estes 92,56% de imóveis da estrutura fundiária brasileira são desenvolvidas quase na totalidade por atividades de agricultura familiar. São cerca de 4,5 milhões de estabelecimentos segundo a Embrapa, Que infelizmente em geral, são agricultores com baixo nível de escolaridade, que diversificam os produtos cultivados para diluir custos, possuindo pouco ou nenhum conhecimento sobre o gerenciamento e gestão de suas respectivas atividades, e ainda existe pouco sobre a cultura de terceirização da gestão.

Vale a pena ressaltar que os poucos produtores que calculam o custo de produção, quase sempre calculam apenas o custo variável, não remunerando os fatores fixos de produção levando consequentemente a possível prejuízo ou pseudolucro.

O custo de produção agrícola é uma essencial ferramenta de controle e gerenciamento das atividades produtivas e de geração de importantes informações para subsidiar as tomadas de decisões pelos produtores rurais. Reflete, por um lado, a tomada de decisão por parte do produtor no processo de definição do sistema de cultivo, da eficiência econômica e da gestão do seu empreendimento rural.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade