Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Espaço Aberto

ATER: a sua importância para os produtores

Por Nei Antonio Kukla
postado em 20/10/2010

9 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

No mês anterior falamos sobre a importância da informação. Neste mês iremos abordar o assunto sobre a ATER (Assistência Técnica e Extensão Rural).

O serviço de extensão rural iniciou no Brasil em 1948 no estado de Minas Gerais, executado pela Associação de Crédito e Assistência Rural - ACAR, uma associação civil e sem fins lucrativos, de direito jurídico privado. Em 1956 Santa Catarina criava o serviço de extensão com o nome ETA PROJETO 17, adaptando processos administrativos, filosofia, princípios e metodologias utilizados pela ACAR de Minas Gerais. Como o ETA só tinha vigência por 4 anos,criou-se a Associação de Crédito e Assistência Rural de Santa Catarina (ACARESC) em 1957 para continuar os trabalhos do ETA-PROJETO17. No âmbito nacional foi criada a ABCAR, também nos moldes da ACAR-MG, para coordenar a extensão no Brasil. Em 1974 a ABCAR foi extinta e criada a Empresa Brasileira de Assistência Técnica e Extensão Rural (EMBRATER) e teve início uma queda na qualidade dos serviços de extensão em todo o País. Atribui-se, entre outras, como causa principal a interferência político-partidária nos serviços de extensão.

Em 1984, a EMBRATER definia a extensão rural como processo educativo com o objetivo de contribuir para a elevação da produção, da produtividade da renda e da qualidade de vida das famílias rurais, sem dano ao meio ambiente. Iniciava-se uma nova e importante visão do futuro visando a sustentabilidade das atividades agrosilvopastoris no Brasil. No governo Fernando Collor a EMBRATER foi extinta e os recursos federais ficaram reduzidos de tal forma, que vários serviços estaduais de extensão foram extintos. Em Santa Catarina, em 1990, o governador Vilson Kleinubing "fundiu" os serviços de pesquisa com os de extensão visando economia nos gastos, além de outras motivações pouco racionais.

Os resultados foram mais uma queda na qualidade dos serviços prestados, tanto pela pesquisa quanto pela extensão, com aumento de custos e não com a redução de custos pretendida. Hoje, buscam-se novos caminhos para as empresas públicas de ATER, mas que estão sempre sobre o guarda-chuvas dos governos que muitas vezes não priorizam este setor.

Neste ano de 2010, felizmente foi aprovada a PL 5665/09 e transformou-se na Lei nº 12188/10 que institui a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e Reforma Agrária (Pronater). O que assistíamos em muitos Estados é o engessamento de empresas públicas no tocante a ações práticas do serviço de ATER, isto porque os recursos de custeio sofrem uma enorme burocratização e o agricultor acaba sendo sempre prejudicado.

Por outro lado, sabemos que grande parte dos agricultores precisam ser tecnificados e receber um serviço de qualidade de ATER para poderem evoluir e tornar suas empresas rentáveis. Para isso, terão que recorrer às tradicionais empresas públicas ou as cooperativas de serviços credenciadas pelo MDA para executar esse trabalho. Outra forma de contratação de técnico é por meio particular ou via associações, porém em alguns casos é inviável especialmente para o pequeno agricultor.

Um grande exemplo de Cooperativas de Serviços vem de Santa Catarina, através da UNITAGRI (www.unitagri.com.br), sediada na cidade de Camboriú - SC e com atuação em todo o estado desde 1996 podendo atuar também fora dele. Hoje a Unitagri possui um quadro multidisciplinar de profissionais das áreas de: Técnico Agrícola, Administradores, Engenheiros Agrônomos, Médicos Veterinários, Assistente Social, Biólogos e demais profissões que permitem uma gama enorme de atividades. A cooperativa possui ao todo 600 cooperados atuantes. Suas atividades vão desde a Assistência Técnica e Extensão Rural, consultorias, cursos e capacitações, planos de crédito rural, jardinagem e outras atividades correlatas. Recentemente a Unitagri criou dentro de sua estrutura um Instituto de Educação a Distância, o IAGRAM (www.iagram.com.br) que também oferece cursos e treinamentos online e presenciais.

Mas o que quero passar é que com a nova lei de ATER flexibilizou-se o serviço de assistência e extensão, tendo mais profissionais para atuar, tendo uma infinidade de profissões a disposição dos mais variados interesses e tudo isso se bem utilizado, se encarado pelos contratadores como ferramenta de importância para o desenvolvimento social, ambiental e econômico, será capaz de causar profunda evolução no setor agropecuário.

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

Igor Tobias Paula

Augustinópolis - Tocantins - Produção de leite
postado em 21/10/2010

É verdade. Como médias propiedades não sendo agricultura familiar podem ter acesso a esses serviços.
É possivel.

Nei Antonio Kukla

União da Vitória - Paraná - Consultoria/extensão rural
postado em 21/10/2010

Prezdao Igor: as políticas públicas dão ênfase em Agricultura Familiar justamente para alavancar esses pequenos agricultores. Propriedades médias tbm recebem ATER oficial (cada Estado tem a sua particularidade). Em se tratando de regiões onde a agricultura e pecuária são realmente a base da economia, muitos agropecuaristas resolvem fazer um "consórcio" via Associações de Produtores e desta forma contratar assistência técnica de empresas terceirizadas, como é o caso da UNITAGRI aqui em SC.

Cynthia Fernandes

Guarulhos - São Paulo - Estudante
postado em 21/10/2010

Gostei muito do artigo. Eu serei uma dos profissionais contratados por uma empresa para atuar junto com pequenos produtores. Quero muito fazer este diferencial.

Nei Antonio Kukla

União da Vitória - Paraná - Consultoria/extensão rural
postado em 21/10/2010

Prezada Cynthia Fernandes: Não tenha dúvidas que vc fará a diferença sim. A partir de agora somente recebemos nossos honorários após metas de ATER estarem concluídas, ou seja, o pgto. é feito por etapas. Isso remete as empresas que estão neste ramo a cobrar resultados de seus cooperados/ colaboradores, consequentemente selecionando os profissionais que atuam em seu quadro e, o resultado disto é um trabalho de qualidade que, além do profissional ser reconhecido pelo seu trabalho, ganha mais ainda o produtor rural.

PAULO ROBERTO MARINS CAMPOS

São José do Belmonte - Pernambuco - Consultoria/extensão rural
postado em 22/10/2010

É de suma importância pra agricultura, no geral, uma boa assistência tecnica, devemos coemorar o grande passo que o país deu com a criação da lei da ATER. Mas não podemos coxilar, pois casos de ingerencia politica esta ai a toda hora ocorrendo, não podemos deixar que ela destrua esta ação tecnica,ou melhor, ferramenta para o desenvolvimento social e de sobrevivencia para pequenos agricultores familiares a ter acesso a tecnologias e melhoras de suas ações.

Nei Antonio Kukla

União da Vitória - Paraná - Consultoria/extensão rural
postado em 22/10/2010

Prezado Paulo Roberto Marins Campos: Vivemos um momento ímpar na ATER, onde todos os envolvidos (Técnicos e Assistidos) tem a oportunidade de participar do processo construtivista. Casos de ingerência existem sim e creio que empresas sérias com experiência no mercado, empresas que possuam em seu quadro de profissionais pessoas sérias e capazes profissionalmente, com equipes multidisciplinar e que ofereçam muito além dos serviços contratados, tem condições plenas de fazer um atendimento com qualidade aos agricultores.
Dentro do próprio quadro de tais empresas tem que haver a figura do Coordenador Técnico para que este possa estar diariamente percorrendo os municípios atendidos, no sentido de ouvir e ver os anseios e demandas elencadas pelo público alvo no sentido de conduzir suas equipes para suprir tais carências.

Heli Schlickmann

Itajaí - Santa Catarina - Consultoria/extensão rural
postado em 24/10/2010

Prezado Nei, como Companheiro seu em diversas ações, tenho certeza absoluta, que as novas diretrezes de assistência podem oferecer quebra de paradigmas, na área em tela. O nosso País (com maísculo) tem potencial enorme e ilimimitado para produzir alimentos e gerar renda e dignidade às pessoas doc ampo e da cidade. Basta que as Cooperativas de assistência técnica, que é um modelo de relevada significância para o contexto social, tenham ações firmes e não se deixem influenciar por políticas tendenciosas e de ações pontuais para alanvancar interesses políticos, que não aqueles que a sociedade espera. Os recursos deverão ser empregados de forma mais eficazes, e assim o custo-benefício potencilizado.
Abraços Tec. Agr/Adm. Heli Schlickmann

eldar rodrigues alves

Curitiba - Paraná - governo
postado em 05/01/2011

Caro Nei Antonio
Nossa cabanha fica em Piraquara bem proximo a Curitiba na beira do contorno leste , quando vier a Curitiba sera muito agradavel para nós sua visita .Para falarmos um pouco sobre ovinocultura e em especial a raça SEM MAIS
Eldar
www.cabanha kingsize.com.br

Nei Antonio Kukla

União da Vitória - Paraná - Consultoria/extensão rural
postado em 05/01/2011

Caro Eldar, seria realmente muito agradável conhecer sua propriedade e trocarmos idéias.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade