Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia Produtiva > Espaço Aberto

Ovinocultura: oportunidade de negócio?

Por Nei Antonio Kukla
postado em 20/01/2011

6 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A ovinocultura vem sendo comentada em vários meios como leilões, feiras e eventos agropecuários como o "boom" do agronegócio nacional impulsionada por alguns fatores dentre os quais destaco: o interesse dos mercados interno e externo pela carne de cordeiro, a elevação dos preços pagos ao produtor especialmente no ano de 2010, provavelmente, resultado de movimentos decrescentes de rebanhos importantes como da Austrália e da Nova Zelândia, e também da diminuição das vendas externas do Uruguai, que reduziu seu abate em 42%.

Hoje a oferta brasileira é inferior à demanda, mesmo nosso consumo sendo baixo, ou seja, de apenas 700 gramas de carne ovina/per capita/ano, enquanto em alguns países do Oriente Médio, por exemplo, o consumo chega a 15 kg/per capita/ano.

A empolgação que gira em torno do setor é observada inclusive nos fóruns e debates proporcionados também por este site, onde criadores, técnicos e pessoas que têm gosto pela atividade externam a motivação vivida hoje pela cadeia produtiva.

Se puxarmos em nossa memória, fato semelhante ocorreu na cadeia produtiva da soja no início da década de 2000 onde no estado do Paraná, mais precisamente no norte pioneiro, agricultores chegaram a plantar a cultura até em terrenos urbanos desocupados em função da forte cotação do grão. Foi um momento de investimentos na primeira colheita, na segunda e terceira, quando repentinamente os preços despencaram e os agricultores se depararam com dívidas de médio e longo prazo junto aos agentes financeiros devido à renovação de frota agrícola e pagamento comprometido com a queda dos preços.

No setor leiteiro fato semelhante ocorreu, este mais recentemente. Investidores de profissões liberais da cidade montaram estruturas para a atividade impulsionada pelo bom momento do setor e, após um curto período o excesso de produção em algumas regiões fez o preço cair e aí vieram as frustrações.

Então, a ovinocultura é uma oportunidade de negócio?

Sem dúvidas que sim, uma ótima oportunidade inclusive, mas seus investimentos devem ser pautados em algumas questões básicas como vocação para a atividade, aptidão da propriedade e região em que ela se encontra, uma vez que temos poucas plantas frigoríficas para ovinos e muitas vezes o frete para longas distâncias compromete o resultado final da atividade.

Voltamos a falar do país vizinho Uruguai, que coloca no mercado brasileiro um produto altamente competitivo a preços mais baixos que o nosso e, o produtor brasileiro, ainda não dispõe de know how suficiente para tocar a atividade com a máxima eficiência, pois não dispomos de plantas frigoríficas suficientes (como já citado) e não temos oferta de produção suficientes para justificar determinados investimentos estruturais.

Como iniciativa louvável o Governo Federal criou a Câmara Setorial de Ovinocultura, o que é um fato importante, porém, ainda faltam direcionamentos por parte das esferas estaduais para contribuir com o desenvolvimento da atividade nos Estados.

Há 30 anos o setor de suinocultura e avicultura vivia experiência semelhante com grandes rebanhos, mas pouca articulação e, o primeiro setor com fortes restrições de consumo sob a imagem errônea de que a carne suína provocava malefícios a saúde. Graças à organização destas duas cadeias hoje há uma imagem positiva e um setor organizado e articulado.

Com tudo isso, quero dizer que os interessados em entrar ou mesmo ampliar a atividade ovina, devem cuidar da empolgação deste momento e fazer seus investimentos mediante um planejamento técnico-econômico de forma a alcançar êxito no empreendimento.

Direcionar recursos e esforços no sentido de formar pastagens de qualidade é muito mais vantajoso do que fazer instalações luxuosas. Ter conhecimento, amparo técnico e se atentar aos cuidados com verminose é muito mais necessário do que sair comprando genética e depois se deparar com problemas sanitários até então desconhecidos (especialmente para os criadores iniciantes).

Enfim, com certeza a ovinocultura assumirá destaque no agronegócio nacional, mas devemos entender que não é tão simples assim colocar animais na propriedade e achar que com isso teremos resultados positivos. Há muito mais que isso a ser feito e, num cenário macro, temos que ter consciência que estamos investindo para colher os frutos a médio e longo prazo.

Num artigo próximo devemos tratar também da questão da inserção da carne de cordeiro na mesa do consumidor, o que também é de suma importância para o aumento da escala de produção dentro da porteira.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

LUIS CARLOS PINHEIRO MAIA

Eusébio - Ceará - Produção de ovinos
postado em 21/01/2011

Gostei muito do tema, pois a ovinocultura tem que ser tratada de uma forma seria e com os pés no chão.Devemos incentivar a criação de ovinos, em todos os níveis da sociedade, desde daquele pequeno produtor ate o grande. Atualmente o poderio genético dos melhores da raça ovina estão na mão de poucos criadores que criam na maioria das vezes como hoby, e não como atividade principal. Devido a esse fator a atividade empanca, deve existir incentivo do gonverno federal para q o pequeno ou mini produtor possa ter em seu pequeno rebanho, um reprodutor PO. melhorando seu rebanho.

Marribe Síria Cardena

Mirassol d'Oeste - Mato Grosso - Distribuição de alimentos (carnes, lácteos, café)
postado em 25/01/2011

Olá Nei, gostei muito de suas palavras e sua visão especialmente quando você diz: uma ótima oportunidade inclusive, mas seus investimentos devem ser pautados em algumas questões básicas como vocação para a atividade, aptidão da propriedade e região em que ela se encontra, uma vez que temos poucas plantas frigoríficas para ovinos e muitas vezes o frete para longas distâncias compromete o resultado final da atividade.
O que vemos na maioria das vezes é muita empolgação e depois frustação, como já ocorreu com muitos proprietarios em minha região.
Acredito que o maior conselho seja " Pés no chão ".
Abraços
Parabéns!

eldar rodrigues alves

Curitiba - Paraná - governo
postado em 30/01/2011

TEMOS MUITO A PERCORRER VEJAM ESSE VIDEO E TERAO UMA VAGA IDEIA DE COMO TEREMOS QUE NOS ORGANIZAR PARA ATINGIRMOS OS MERCADOS
http://www.youtube.com/watch?v=aGMw5kB5J6c&feature=related

Nei Antonio Kukla

União da Vitória - Paraná - Consultoria/extensão rural
postado em 31/01/2011

Prezada Marribe:
O seu conselho "pés no chão" vale não somente para a ovinocultura, mas sim para qualquer atividade, principalmente qdo. se quer iniciar.
A largada por aí fazendo investimentos por somente empolgação já fez muita gente falir.
Tudo deve estar pautado em premissas básicas e amparo técnico para investimentos.
Abraços
Nei

Greiciane de Oliveira Lima - Zootecnista

Echaporã - São Paulo - Consultoria/extensão rural
postado em 19/03/2011

Caro Nei,
sua matéria foi muito consciente. De fato todas as atividades rurais precisam ser encaradas como atividades empresariais, havendo necessidade constante de estudo de mercado e planejamento.
Sua colocação de que é necessário vocação para ovinocultura foi acertada e de que é necessário acompanhamento técnico também. Com estes pilares básicos é possivel uma ovinocultura rentavel e sustentável. Todos temos muito a aprender.
Parabéns!

Nei Antonio Kukla

União da Vitória - Paraná - Consultoria/extensão rural
postado em 22/03/2011

Prezada Greiciane de Oliveira Lima:
Nós como profissionais temos muito chão pela frente com o grande desafio de levar a ferramenta mais importante ao ovinocultor: o conhecimento.
Com esta ferramenta não há dúvidas que a previsão de efeitos danosos a atividade, possa ser feita antes que o ovinocultor sinta no bolso, bem como, o acerto de medidas corretas para a atividade na propriedade permitem que o produtor cresça na atividade.
Isto só é possível através do conhecimento e nós somos responsáveis na sua disseminação.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade