carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Alta no preço da carne faz criadores investirem no plantel de ovinos no Ceará

postado em 22/09/2014

2 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Os criadores de ovinos do sertão do Ceará estão aproveitando o bom preço da carne para investir no rebanho. O estado tem o terceiro maior rebanho de ovinos do país, com pouco mais de dois milhões de cabeças e em torno de 77 mil produtores. A fazenda no município de Umirim é uma grande produtora de leite por causa da genética e, principalmente, graças ao pasto irrigado, uma raridade no sertão do Ceará. Mesmo com a dificuldade para ter pastagem, os proprietários decidiram criar também ovelhas e carneiros para corte e já estão com oito mil cabeças. O incentivo foi o aumento na procura da carne desses animais. "Tudo o que você consegue produzir, está praticamente vendido. O consumo hoje da carne de ovino de qualidade está muito alto", diz o criador Rafael Carneiro.

De acordo com a associação de criadores do estado, o preço da carne subiu muito nos últimos quatro anos. “O preço da carne de ovino em maio de 2010 era de R$ 7,48. Agora em agosto de 2014, está em R$ 14,65 o quilo abatido. Os restaurantes em Fortaleza têm uma procura muito grande por carne de ovino e caprino e a produção não tem crescido a contento. Por conta disso, a procura tem sido maior do que a oferta e o preço tem aumentado”, diz Amilcar Silveira, presidente da cooperativa.

O Ceará tem o terceiro maior rebanho de ovinos do país, com pouco mais de dois milhões de cabeças. O aumento do preço da carne não fez crescer de forma significativa o número de produtores que hoje está em torno de 77 mil. Mas incentivou os produtores a fazer investimentos na melhoria do plantel.

A fazenda de Rafael Carneiro usa matrizes da raça Santa Inês e reprodutores da raça Dorper no sistema de confinamento. Com o bom momento da atividade foi possível investir em inseminação com sêmen fresco. A fêmea é inseminada logo em seguida à coleta do macho. As matrizes têm até dois partos por ano. Os animais são abatidos com 120 dias e um peso médio de 40 quilos.

Os proprietários estão fazendo um teste com uma nova dieta para diminuir os custos de produção. O método chamado de grão inteiro leva 80% de grãos milho e 20% de ração, que contem soja e minerais. “Até agora avaliado, diminui mais de dez por cento o custo de produção. Outra coisa que a gente observa é que o rendimento de carcaça do animal aumenta pelo menos 5%”, diz o veterinário Péricles Montezuma. A fazenda tem capacidade para aumentar a produção de carne de ovino. No lugar existem sete pivôs instalados, mas quatro estão parados por falta de água para abastecer a irrigação da pastagem que ajuda na alimentação dos animais. “Um fator limitante aqui para a gente é a falta de água. Nós já estamos atravessando o quarto ano consecutivo de baixa pluviosidade. Às vezes, a gente tem até tem que diminuir um pouco o plantel por conta de falta d'água. Com a falta d'água eu não consigo fazer o alimento", explica Carneiro.

O criador Sérgio Martins também enfrenta dificuldades para ampliar os investimentos na propriedade em Pentecoste. Ele criava ovinos mestiços. Mas, há um ano, ele resolveu comprar 150 matrizes da raça Dorper e um reprodutor. O criador esperava chegar este ano a 500 animais. Só que isso não será possível. O pasto na fazenda é irrigado. Mas do rio que abastece a propriedade, ele não pode usar nem uma gota de água. Por causa da seca, há dois meses, os produtores da região estão proibidos de utilizar a água do rio na irrigação. “Eu tenho água, mas não posso usar. Meu objetivo é fazer um investimento de R$ 2 milhões, até chegar no que eu quero. Eu estou começando e peguei logo esse ano ruim. Então, vou ter que ter paciência e com o tempo eu vou chegando lá”, diz Martins. O rio Curu, que banha a propriedade do criador, está com menos de 3% do volume de água.

As informações são do portal G1, adaptadas pela Equipe FarmPoint.
 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

isabel martinha s. leite

OUTRA - OUTRO - advogada/ ramo de direito agrario
postado em 30/09/2014

Os nordestinos padecem por todos os lados, quando não falta a chuva ela vem em demasia ou se tem agua, mas não pode ser usada.
Como sobreviver com estes fenômenos da natureza.

Ainda assim, temos orgulho de ser NORDESTINO, fortes e trabalhadores.

Que o supremo arquiteto do universo, nos proteja  e mande chuvas no tempo certo.  

atanasio benedito rosa

Icó - Ceará - Produção de ovinos de corte
postado em 19/10/2014

Gostei dos comentário , com isso posso aprender mais e usar na minha produção dos animais .  

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade