Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

ARG: importadores de alimentos detectam flexibilização

postado em 01/06/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

As promessas da presidente da Argentina, Cristina Kirchner, de não impor barreiras às importações de alimentos processados, foram recebidas com cautela pelo governo brasileiro. O ministro da Agricultura, Wagner Rossi, manifestou esperança de que os produtos brasileiros não sofram restrições. "Até onde fomos informados, houve uma reversão real do quadro", afirmou o ministro.

Rossi se referia às travas, apenas verbais, impostas pela Secretaria de Comércio Interior da Argentina, que recomendou a redes de supermercados e atacadistas do país a suspensão das importações de alimentos que também são produzidos localmente. Não houve proibição oficial, mas fabricantes brasileiros relataram queda dos pedidos. Na sexta-feira (28), Cristina se reuniu com o presidente Lula, no Rio, e prometeu que não haverá barreiras.

Importadores consultados pela imprensa argentina confirmaram que a liberação foi facilitada nos últimos dias, após as advertências brasileiras de que retaliaria a Argentina, atrasando as licenças não automáticas para compras de seus produtos. Hoje, elas são emitidas em menos de uma semana, mas o prazo permitido pela Organização Mundial do Comércio (OMC) chega a 60 dias e o Brasil cogita usar esse tempo com o vizinho.

Ministérios de Agricultura irão se reunir a cada três meses

Os governos do Brasil e da Argentina se reunirão a cada três meses para tratar da agenda bilateral de comércio e cooperação nas áreas sanitária e tecnológica. A decisão foi tomada pelos ministros de Agricultura brasileiro, Wagner Rossi, e argentino, Julián Andrés Domínguez, em reunião realizada nesta segunda-feira (31), em Buenos Aires. Para Rossi, a reunião foi "altamente produtiva", caracterizando um marco para a integração e o comércio agrícola entre os dois países.

A próxima reunião está marcada para a primeira semana de julho, em Brasília. O Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) também deverá participar das conversas, assim como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária da Argentina (Inta), representando a área de pesquisa. Os temas relativos à defesa agropecuária serão tratados pela Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SDA/Mapa) e o Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Alimentar (Senasa) Argentino.

As informações são do Mapa e do jornal Valor Econômico, resumidas e adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade