Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Argentina dará continuidade a Lei Ovina

postado em 30/06/2009

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A Província argentina de Río Negro junto com as outras províncias patagônicas darão continuidade a Lei Nacional No 25422 de Recuperação da Pecuária Ovina, segundo decisão de reunião na cidade de Buenos Aires pela Secretaria da Agricultura, Pecuária, Pesca e Alimentação (SAGPyA) da Argentina. A reunião foi feita para analisar com os representantes das diferentes províncias (Tierra del Fuego, Santa Cruz, Chubut, Río Negro e Neuquén) as estratégias existentes destinadas à política ovina para a Patagônia.

"A Lei Ovina, como norma, deixará de existir em dois anos. A temporada de 2011-2012 será a última na qual o setor ovino contará com esta importante ferramenta política e de financiamento", disse o secretário de Produção, Daniel Lavayen. "Nossa ideia, que teve a concordância das restantes províncias patagônicas, é trabalhar durante este ano convocando legisladores nacionais para poder apresentar uma proposta no Congresso Nacional para prorrogar a Lei Nacional 25422 e aumentar seu orçamento".

Na reunião, presidida pela subsecretária de Produção da SAGPyA, Carla Campos Bilbao, também se discutiu a utilização dos recursos destinados ao funcionamento da Lei de Recuperação da Pecuária Ovina durante a atual temporada em cada Província.

Río Negro conta com um orçamento de mais de 2 milhões de pesos (US$ 517,12 milhões) pela Lei, ao que deve somar 1 milhão (US$ 263,56 mil) obtidos de recursos de créditos e redistribuição de financiamentos não utilizados. Deve-se destacar que o uso do mesmo é concordado entre todos os membros do setor que integram a Unidade Executora Provincial (UEP) da Lei Ovina.

"Dada a pouca demanda que teremos de créditos, pela difícil situação que vivem os produtores ovinos pela seca, concordou-se entre as províncias patagônicas trabalhar fortemente na distribuição de Aportes não Reintegráveis de até 8 mil pesos (US$ 2,10 mil) por produtor para subvencionar melhoras nos estabelecimentos que promovam a sustentabilidade do pasto", disse Lavayen.

Outro tema analisado foi a interação na cadeia de valor da lã. Neste sentido, Río Negro propôs fortalecer o PROLANA, ampliando e adaptando o programa às possibilidades dos pequenos produtores, consolidando os processos de venda em conjunto.

Com relação à cadeia de valor da carne, "sua consolidação é mais complexa, já que se devem articular os esforços dos diferentes membros que a compõem, desde o produtor até a indústria, sem esquecer dos organismos de controle", disse Lavayen.

"Atualmente, não podemos consolidar os mercados existentes devido a uma oferta dispersa, estacional e cíclica, que se vê prejudicada pelos abates clandestinos. Intervir fortemente em ações para reverter essa situação será chave para a diversificação da produção, onde a carne tenha um rol fundamental na sustentabilidade dos sistemas".

A reportagem é do Infocampo, traduzida e adaptada pela equipe FarmPoint.

Em 29/06/09 - 1 Peso Argentino = US$ 0,26356
3,79420 Peso Argentino = US$ 1 (Fonte: Oanda.com)

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade