Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Argentina: preço bovino eleva consumo da carne ovina

postado em 22/02/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Tudo parece indicar que a carne bovina, um alimento básico da dieta dos argentinos, seguirá faltando com mais frequência na mesa dos consumidores do país. Seu alto preço, com aumentos acumulados superiores a 100% em menos de um ano, faz com que as famílias já não incluam o produto em suas refeições. Quase no mesmo ritmo da queda do consumo de carne bovina, o consumo de carne suína e de cordeiro está subindo.

O preço do quilo de cordeiro de primeira na Argentina, em média, é de 30 pesos (US$ 7,45) contra 33 pesos (US$ 8,20) do quilo bovino. O aumento do consumo de carne de cordeiro na Argentina pode ser dimensionado em números: em menos de um ano, sua venda cresceu mais de 70%, segundo calcula o representante do Frigorífico Vitale, Mateo Vitale.

A crise do campo reduziu a produção de carne bovina, um alimento que está deixando a dieta cotidiana, disse o presidente da Câmara de Açougueiros de Mendoza, província argentina, Mateo De Carolis.

Em 21/02/11 - 1 Peso Argentino = US$ 0,24866
4,01509 Peso Argentino = US$ 1 (Fonte: Oanda.com)

A reportagem é do Losandes.com.ar, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade