Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Bahia ganha 15 novos frigoríficos

postado em 23/07/2010

5 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

"O governo do Estado está realizando o maior feito da pecuária dos últimos anos", disse na última terça-feira (20) o secretário estadual da Agricultura, engenheiro agrônomo Eduardo Salles, ao assinar com 15 prefeituras um termo de compromisso para a implantação, através da Agência de Defesa Agropecuária, Adab, de 15 unidades frigoríficas de abate. "Associamos fiscalização com desenvolvimento", disse o diretor geral da Adab, Cássio Peixoto, acrescentando que os novos abatedouros vão se somar aos 30 existentes, ampliando o combate ao abate clandestino, garantindo carne saudável e de qualidade na mesa do consumidor.

Com a planta padrão desenvolvida pela Seagri, os novos abatedouros são modulares e terão capacidade para abater de 30 até 100 animais por dia. Este projeto está sendo executado com parceria dos ministérios da Agricultura e do Desenvolvimento Agrário. A planta padrão está à disposição, gratuitamente, das prefeituras, e acessível também à iniciativa privada. O principal objetivo dessa medida inovadora, e já referenciada pelo Ministério da Agricultura, é criar micro pólos de abate, fortalecer as cadeias produtivas regionais, melhorar a qualidade da carne, combater o abate clandestino no Estado, além da gerar emprego e renda para a população.

Contando com a presença da secretaria da Casa Civil, Eva Chiavon, corpo técnico da Adab e representante do Sebrae, o secretário e o diretor geral da Adab realizaram uma reunião técnica com os prefeitos dos municípios de Itanhém, Barra, Santa Rita de Cássia, Medeiros Neto, Valente, Iguaí, Araci, Itaberaba, Jaguaquara e Paramirim para a elaboração do modelo de gestão.

Os novos frigoríficos deverão ser geridos por cooperativas, com a participação de pecuaristas, das prefeituras e de marchantes. "Estamos investindo dinheiro público, e queremos garantir que os frigoríficos terão perenidade", disse o secretário. As outras unidades, com capacidade de 100 animais/dia, serão implantadas nos municípios de Bom Jesus da Lapa, Valença, Remanso, Morro do Chapéu e Itabuna.

"É preciso lembrar que governa melhor quem não governa sozinho", ressaltou a secretária da Casa Civil, Eva Chiavon, destacando que as ações só alcançarão êxito se as prefeituras atuarem em conjunto. Para ela, a implantação dos novos frigoríficos, que faz parte do Programa de Regionalização do Abate, representa um grande avanço para a pecuária baiana. De acordo com o secretário Eduardo Salles, os 15 municípios onde as novas unidades serão instaladas foram definidos depois de um estudo das zonas do Estado que mais necessitavam do equipamento, em função das distâncias dos já existentes e do rebanho da região.

Os novos frigoríficos serão construídos baseados numa planta padrão desenvolvida pela Seagri/Adab, respeitando as exigências da Portaria 304 do Ministério da Agricultura, que regula o abate de bovinos, caprinos e ovinos, visando combater o abate clandestino, e impõe normas à construção dos equipamentos e a existência de câmaras de refrigeração. Além de ser mais barata, com custo em torno de R$ 1,2 milhão, a planta padrão contempla características peculiares, como o aproveitamento das vísceras brancas e vermelhas, que no interior do Estado é feito pelas mulheres, chamadas de fateiras. "É uma identidade cultural, e com os novos frigoríficos estamos dando oportunidades e dignidade a estas profissionais para que esse produto chegue à mesa do baiano com mais qualidade". As vísceras são usadas em pratos como dobradinha e sarapatel.

O modelo defendido pela Seagri é inverso ao praticado no passado, que era a centralização do abate através de grandes frigoríficos e entrepostos. Já na visão atual, a centralização peca por não contemplar os pequenos pecuaristas, que não conseguem despertar o interesse dos grandes frigoríficos para seus animais que eventualmente não se enquadrem nas exigências de carcaça ideal. No modelo de descentralização, o abate acontece na própria região do produtor, inserindo todos os pecuaristas, grandes e pequenos, reduzindo os custos do frete dos animais, que muitas vezes inviabiliza o abate.

As informações são do Governo do Estado da Bahia, adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Luiz F. A. Marques

Vitória - Espírito Santo - Pesquisa/ensino
postado em 23/07/2010

A capilarização do abate, com manutenção da qualidade via pequenos e médios frigoríficos inspecionados, vem atender às necesidades de formação de pólos de riquezas (econômicas e culturais) no interior do Brasil, que é um país de tradição pecuária. É o sentido inverso do falido programa de abate e inspeção sanitárias centralizados, vigentes nas décadas de 1970 e 1980, onde somente os grandes tinham vez. A Secretaria de Agricultura da Bahia está no caminho Certo; Parabéns pela iniciativa, porque assim, todos ganham. Aguardamos o mesmo feito político por parte dos outros Estados da Federação.

Targa

Alta Floresta - Mato Grosso - Produção de gado de corte
postado em 24/07/2010

parabens a equipe da Beefpoint por divulgar esta notícia, está uma das grandes armas para os pequenos criadores de bovinos, é uma saída excelente para sairmos do monopólio da carne que está acontecendo no Brasil, parabens ao Governo da Bahia pela iniciativa, acredito que em breve seja implantado este modelo em mais Estados.

Jorge Humberto Toldo

Jussara - Goiás - Consultoria/extensão rural
postado em 27/07/2010

Parabéns, Parabéns e Parabéns....

É o que temos a falar sobre um governo que deixou a demagogia de lado e partiu para a ação. Até hoje só vimos as intermináveis reuniões, as subcomissões das comissões para elegerem uma comissão para continuar com a velha demagogia do "temos que fazer... é preciso fazer..." pois bem, dessa vez isso tudo ficou de lado e o governo simplesmente fez, parabéns.

Agora, vamos com calma que o andor é de barro! Muito dinheiro será investido nesse projeto, não que seja um projeto inviável, muito pelo contrário, só pela saúde pública já se paga, mas pela correta implantação, pela correta gestão e pelo controle da politicagem, isso é fundamental. Mas, com a gestão pluralizada que está sendo proposta acho que não teremos problemas.

De qualquer forma é um grande e sério passo para acabar com abate clandestino e ao mesmo tempo dar oportunidades iguais a todos os pecuaristas.

Parabéns.

Katia R. P. Correia

Teixeira de Freitas - Bahia - Matadouro Frigorífico
postado em 05/09/2010

ATUALIZANDO: estamos com 70% de obras concluidas de uma planta de um frigorífico para abate de ovinos/caprinos e suínos. Localizado no Município de Teixeira de Freitas com 4.000m² de área construida e com S.I.F. Qualquer informação falar com Katia 073-9974.0753

everaldofmartins@hotmail.com

Antas - Bahia - Produção de ovinos
postado em 30/09/2010

Antas, Sitio do quinto, Novo triunfo, Jeremoabo não há abatedouros. Porque isso, é triste.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade