Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Carne ovina: como podemos aumentar a demanda?

postado em 21/10/2009

16 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O consumo de carne de cordeiro no Brasil ainda é muito baixo em relação aos países que mais produzem esse tipo de proteína animal e em relação aos demais tipos de carne consumidos no geral.

Um dos entraves da cadeia produtiva de carne de cordeiro no Brasil é a dificuldade da indústria e/ou organizações de produtores em atrair o gosto do consumidor, convencer o mesmo de que a carne de cordeiro tem qualidade e que pode ser consumida no dia-a-dia como as demais carnes de origem animal. Além disso, existe a dificuldade em atender o mercado de forma constante e com produtos padronizados.

O consumidor de grandes centros urbanos tem dado preferência a produtos com garantias de origem, controle de qualidade e cortes padronizados, para que assim sinta-se seguro ao adquirí-los.

Nesse sentido, uma alternativa apontada para estimular o consumo seria a criação de marcas pelas indústrias, cooperativas e associações.

Nesse sentido, considerando as principais ações que poderiam trazer fortalecimento para a demanda interna de carne ovina, o FarmPoint deseja saber sua opinião quanto ao movimento de criação de marcas de carne ovina no Brasil.

Essa iniciativa seria uma das soluções para organização do setor, fortalecendo o mercado interno e impulsionando a demanda por carne ovina? Por favor, deixe sua opinião no box de cartas, abaixo, explicando seu ponto de vista.

Iremos reunir as respostas e publicar um artigo em destaque. Desde já, muito obrigado pela participação.

Equipe FarmPoint

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

renan antonelli mendes

Pirassununga - São Paulo - Estudante
postado em 21/10/2009

Bom dia,

Realmente precisamos aumentar a demanda de carne ovina, mas este atitude a meu ver necessitaria de uma grande mudança na produdução, como foi dito no texto. Ainda há muita dificuldade em atender o"mercado de forma constante e com produtos padronizados".
Pelo menos no estado de São Paulo, o aumento do consumo do produto não seria um tiro no pé, estimulando a importação de carne?. Lembrando que não conseguimos suprir nossas demandas internas.

Eric Storani

São Pedro - São Paulo - OUTRA
postado em 21/10/2009

Boa tarde,

com relação a proposta de criar marcas, entendo que corremos o risco de ficar na mão de grupos ou grupo restrito o que causa controle no preço (sempre a favor da industria) uma campanha publicitaria (tv,revista,etc) de incentivo ao consumo seria uma alternativa, as associações e cooperativas poderiam realizar uma campanhia nacional conjunta para estimular e aumentar o consumo.

Outro fator é premiar (valorar) o produto qualificado, isso estimularia a produção e compensaria maiores investimentos.

são minhas considarações!

ab
Eric

Nei Antonio Kukla

União da Vitória - Paraná - Consultoria/extensão rural
postado em 21/10/2009

Como mencionado pelos leitores, a cadeia produtiva ovina requer muita coisa para se tornar "importante" dentro do contexto. Mas como o Farmpoint está fazendo está pesquisa com relação ao marketing da carne vamos nos ater a ela.
No Estado do Paraná a alguns anos iniciou-se um magnífico trabalho para promover a carne suína, através de campanhas publicitárias na TV, Rádio, Revistas, Escolas e todo o canal de comunicação possível. O estado paranaense logrou grande êxito, pois conseguiu sim promover o consumo da carne e desmistificar de que a mesma fazia mal a saúde.
Com a carne ovina, acho que um trabalho de igual teor seria viável, com campanhas de marketing estimulando o consumo do produto fora das épocas natalinas ou período de Páscoa, mas acrescentando a mesma no cardápio do dia-a-dia, nas escolas etc.
A criação de marca para a carne, creio que funcionaria muito bem se fosse feito um trabalho regionalizado, com características locais, porém com o sotaque de carne de cordeiro de qualidade, como algumas alianças mercadológicas da carne bovina já fizeram, ou seja, criaram suas marcas regionalizadas mas enfatizando sempre o Novilho Precoce.

Elton Cléo Thíel

Pelotas - Rio Grande do Sul - Produção de ovinos
postado em 21/10/2009

Boa tarde.

Eu não diria novas marcas, mas sim cortes com selo de qualidade certificados por
quem realmente atende os padrões pré estabelecidos.
Cito como exemplo o Conselho Regulador do Cordeiro HERVAL PREMIUM no RS, o qual já esta a 10 anos acompanhando cordeiros do campo ao abate sempre primando pela qualidade final do produto, os cortes recebem o selo "CORDEIRO HERVAL PREMIUM " somente após rigorosa certificação, que é feita dentro do frigorífico pela Certificadora SAFRA AGRONEGÓCIOS LTDA.
Selo este bastante conhecido pelos consumidores exigentes.

Obrigado
Elton

Milena Hama Totake Watanabe

São Bernardo do Campo - São Paulo - Produção de ovinos
postado em 21/10/2009

Boa tarde

Para mim, o maior entrave na produção de carneovina é a falta de organização da cadeia produtiva. Enquanto não houver frigoríficos de abate de ovinos em diversas regiões o produtor não terá como escoar a produção. A demanda interna pela carne ovina cresce mais a cada ano, porém faltam abatedouros legalizados para a realização do abate e venda da carne para supermercados e restaurantes.

Outra entrave é a falta de padronização para o abate dos animais, deve-se estabelecer preços diferenciados para cada categoria animal através da caracterização e tipificação das carcaças obtidas, assim, se o frigorífico pagar mais caro para carcaças com peso médio de 15 quilos , por exemplo, o produtor será "obrigado" a produzir animais nesses parâmetros.

O escoamento da produção depende da organização dos produtores através de associações e da negociação dessas com os frigoríficos próximos para que um dia da semana seja feito o abate de ovinos, como ocorre no frigorífico da Pif Paf em Minas Gerais.

A criação de ovinos, assim como a demanda pela carne ovina, tornam-se cada vez mais significativas no Brasil, no entanto, torna-se necessária a organização da cadeia produtiva assim como ocorre para carne bovina.

Márcio Martins Ferreira

Barretos - São Paulo - Produção de ovinos
postado em 22/10/2009

Bom dia a todos,


A ovinocultura tem condições de produção diferenciadas do gado de corte, assim também deve ser a organização do setor, a união de criadores é o elo mais vulnerável da cadeia, na pecuária de corte já estruturada os frigoríficos que são o elo mais forte ditam as regras.

A ovinocultura ainda é um nicho de mercado com preços bem diferenciados, devemos na minha opinião, cuidar para que os criadores se beneficiem destes preços e com isto ampliem seus rebanhos e garantam a sustentabilidade e fornecimento de produtos de acordo com a exigênncia do mercado. Uma boa opção é a integração com frigorífico com participação nos lucros.


Saudações.

Diego Magri Bernardes

São Sebastião do Paraíso - Minas Gerais - Indústria de insumos para a produção
postado em 22/10/2009

Boa tarde!

Acredito que há problemas em todos os elos da cadeia. Os produtores nao padronizam seus planteis, pois na maioria das vezes isso implica em investimentos em genetica, nutrição e escala, por outro lado a dificuldade de escoar sua produção deixa instabilidade no seu negocio.
Acredito que o estimulo pode vir pelo lado dos frigorificos, que junto com associaçoes de criadores e orgãos relacionados estimulem o consumo da carne e em contrapartida auxiliem com programa de extenção, os produtores ao redor de suas plantas fabris em produzir animais de qualidade, remunerando melhor por isso. Seguindo primariamente modelos de integração como das aves.
Gerando assim oferta de qualidade, baixo custo de deslocamento e mais competitividade em concorrer com os produtos importados.

Tenho certeza que isso nao é um trabalho facil e tambem todos receiam em dar o primeiro passo. Mas seguindo leis basicas do mercado, tendo demanda (e isso tem pois somos importadores de cane ovina) é necessario que os elos da cadeia que consigam lucrarar (com certeza as industrias figrorificas) com isso deem esse primeiro passo mais arriscado.

Obrigado!

Roberto Moreira de Azambuja

Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Instituições governamentais
postado em 22/10/2009

O elo mais fraco da Cadeia produtiva é o produtor, isto se ela existisse, pois quando ele compra, pergunta: Quanto custa? Quando ele vende, pergunta:Quanto vale? Muitas vezes a Industria que leva as culpas por pagar pouco, mas na realidade quem dita os preços é as grandes Redes de Supermercado, que alem de cobrar espaço nas gondolas, muitas vezes as Industrias tem que fornecer produto para as promoções, alem de receber de volta os não vendidos.
Não temos uma oferta constante para abastecer o mercado, devido a saxonalidade do produto, mas oque for de boa qualidade tem comprador certo.

José Oton Prata de Castro

Divino das Laranjeiras - Minas Gerais - Produção de ovinos de corte
postado em 23/10/2009

Sem dúvida nenhuma quando houver cadeia organizada da cadeia produtiva o elo mais fraco como sempre será o produtor. Em breve teremos o PORTAL FRIGORIFICO em Teixeira de Freitas,sul da Bahia, para abate de ovinos caprinos e suínos. Estrategicamente localisado sob o ponto de logistica para exportação (próximo aos portos de Vitória, Caravelas e Ilheus) e já com SIF para exportação, com certeza dará um grande impulso á ovinocaprinocultura. A demanda prevista será de 6.000 animais mês quando estiver funcionando á plena capacidade. Claro que irá exigir animais com padronização da carcaça, sanidade etc. Enquanto não funciona vou colocando meus produtos, informalmente, no mercado. Bem que gostaria atender todas as exigências para a atividade mas infelizmente, há muita falácia e pouca ação por parte do poder público para resolver estes gargalos numa atividade que tem tudo para fazer inclusão social sem paternalismo nem esmolas. Acorda BRASIL.

Alana

Goiânia - Goiás - Produção de ovinos
postado em 04/11/2009

Primeiro organizar a cadeia produtiva. Não tem frigorífico( Goiás) porque não tem animais suficientes a serem abatidos e ao mesmo tempo os produtores não investem na produção por não ter frigorífico. Enquanto isso estamos importando carne ovina de qualidade e barata do Uruguai, e também fazendo o mercado clandestino com abate de animais sem qualidade.
As soluções seria o incentivo a produção de ovinos, pois o mercado já existe e está crescendo cada vez mais. A abertura de um frigorífico na região que remunere por qualidade além de associações para que o produtor tenha preços mais acessíveis e o mais importante que é atendimento técnico para que os produtores reduzam mortalidade, doenças e tenham um manejo correto não desistindo da criação.
Uma campanha falando da carne ovina e de suas qualidades incentivando o consumo da carne também.

Carlos Henrique Pellizzari Fernades

Dourado - Mato Grosso do Sul - Consultoria/extensão rural
postado em 05/11/2009

Sem delongas eu digo que ao meu ver, é 50% do primeiro passo. Depois bastaria criar abatedouros sem muitos entraves e um grupo de vendedores para as grandes redes.

Luiz Eduardo Moura Castro

Sorocaba - São Paulo - Varejo
postado em 06/11/2009

Padronização do produto nacional é uma necessidade urgente e isto envolve toda a cadeia produtiva. É um plano a longo prazo envolvendo indústria, produtor rural e o governo. Quanto ao incentivo a maior demanda, eu creio que o consumidor compra o que lhe convém e para popularizarmos a carne ovina e caprina o principal incentivo seria baixar o preço final. Veja o Uruguai. Nenhuma indústria nacicional consegue competir com o preço deles. Eles agregam valor principalmente pelo couro e lã coisa que é difícil por aqui.

Luís Carlos da Rosa Soares

Santana do Livramento - Rio Grande do Sul - Ovinocultura leiteira
postado em 07/11/2009


Luís Carlos Soares
Sant´Ana do Livramento -RS

Nós temos um potencial a ser explorado no consumo de carne ovina sem pensar em exportação, o que preciasamos é markting atrvés dos meios de comunicação,
para maior conhecimento da população sobre a qualidade da carne ovina que é saudável, saborosa, palatável, macia e que produzida apasto no RS é também de baixo custo.

MARCOS LIMA BARBOSA

São Paulo - São Paulo - Produção de ovinos
postado em 10/11/2009

Primeiramente gostaría de agradecer mais uma vez ao FARMPOINT pela iniciativa de debater assuntos tão importantes e tambem saudar por mais um ensinamento do mestre de todos nós o "guru" ROBSON LEITE.

Na minha concepção tambem oque falta é um governo solidário e parceiro do produtor sem a clássica demagogía da classe política .As quadrilhas dos poderes executivo,legislativo e judiciario não estão preocupadas senão com os dividendos pessoais advindos do "puder"!!

Bastaría ao governo criar uma forte taxação que desincentive a importação de carne ovina e ao mesmo tempo criar uma política verdadeira com os ESTADOS da união de incentivar as prefeituras estrategicamente localizadas á construção de pequenos frigoríficos regionais,com uma legislação sanitária desburocratizada e ágil e que seríam administrados pelas associações regionais de criadores com apoio e gerenciamento de orgãos estaduais de formação,pesquisa e fomento da atividade.

É óbvio ululante que sai muito mais barato para o ESTADO incentivar as familias que vivem no campo a permanecerem no campo ,produzindo e gerando renda e empregos,do que criar infraestrutura de moradías,saneamento básico,transporte,segurança etc... para estas familias nas falidas cidades. A EUROPA toda já sabe disto há muito tempo e é por isso que ela subsidia os produtos do homem do campo.Estão aí para quem quiser ver,diariamente expostos e estampados na midia impressa e falada ,a tão propalada favelização das cidades brasileiras com todos os lamentáveis desdobramentos sociais e a falencia do ESTADO em tentar administrar o inadministrável.

Enquanto isto a ovinocultura vai ficando no já conhecido jargão "é fresquinho porque vende mais ou vende mais porque é fresquinho?" -Não temos produção de cordeiros porque não temos uma cadeia organizada ou não temos cadeia organizada porque não temos cordeiros?

FORTE ABRAÇO A TODOS

MARCOS DE LIMA BARBOSA
CABANHA MB DORPER
PINDAMONHANGABA-SP
marcos @mbdorper.com.br

jonas kleyton silva santos

Ipojuca - Pernambuco - Estudante
postado em 13/11/2009

Estou começando com um projeto de criação de ovinos e caprinos, no momento pretendo começar com 300 matrizes! na minha propriedade estou destinado 30 ha para isto ! gostaria de saber seria viavel este sistema que tenho em mente?

quero prodizir uma graminea e uma leguminosa com o sistema de irrigação, fazer o corte e servir aos animais in natura ou sob forma de feno!
pretendo criar animais confinados e o corte todo foito com sistema mecanizado!
obs na minha região o quilo vivo esta na casa de R$3.90 !

agradeço a todos os companheiros do site!

Angela Cristina Felice

Dom Pedrito - Rio Grande do Sul - Estudante
postado em 01/06/2010

Sem dúvida seria uma ótima opção para atrair o consumidor e difundir o consumo dessa carne tão nobre que, apesar do valor agregado, vale a pena consumir. Eu sou bolsista de um projeto sobre agregação de valor na carne ovina do pampa gaucho, e gostaria de receber de vocês noticias e ideias sobre o assunto. Desde já agradeço. sds.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade