Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Código florestal: anistia a desmatadores é criticada

postado em 29/10/2009

25 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Projeto de lei de revisão do Código Florestal provocou discussão e tumulto entre ruralistas e ambientalistas durante toda a manhã de ontem (28) na Comissão de Meio Ambiente da Câmara. Após se acorrentarem às cadeiras, ativistas do Greenpeace foram expulsos por seguranças, o que aumentou a tensão entre os deputados.

O embate aconteceu por causa da redação de um novo relatório ao texto 6.426 de 2005, feito pelo deputado Marcos Montes (DEM-MG) juntamente com representantes do Ministério da Agricultura. Congressistas do PV acusaram o relator de plagiar um projeto já feito pela CNA (Confederação Nacional da Agricultura).

A presidente da entidade, senadora Kátia Abreu (DEM-TO), nega. Mas diz que o texto é "mais do que razoável": "Como está hoje não podemos ficar, ou vamos criminalizar toda a produção do país", disse.

O ponto mais criticado do relatório é o que prevê a anistia para áreas desmatadas até 31 de julho de 2006. Pelos cálculos do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), isso resulta em uma anistia de mais de 35 milhões de hectares desmatados ilegalmente. "Estou propondo apenas uma reorganização do que foi feito. Muitos desmataram sim, mas às vezes isso foi feito com a própria ajuda do governo", afirma Montes.

Outro ponto que causou polêmica foi o que passa para os Estados a competência para definir as áreas de preservação nas APPs, que são topos de morro, margens de rios e encostas, ou seja, áreas que não podem ser ocupadas e precisam ser recuperadas. O terceiro ponto polêmico é o que reduz a área de reserva na Amazônia.

A votação do projeto foi adiada para a semana que vem depois da intervenção do líder do governo, Henrique Fontana (PT-RS), e do líder do PSDB, José Aníbal (SP). O esforço dos ambientalistas agora é levar o projeto, apelidado de "floresta zero", para uma comissão especial que já existe na Câmara dos Deputados sobre o assunto.

A reportagem é da Sucursal de Brasília, adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Willem Guilherme de Araújo

Guaxupé - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
postado em 29/10/2009

Parabéns pelo ato. Não podemos mais aceitar que politicos ligados ao interesse do agronegocio prejudique ainda mais o Brasil. O país está deste é jeito é por gente deste tipo que faz alguma coisa errada e depois passa uma borracha por cima.

Como podemos anistiar um bando de grileiros, posseiros e latifundiários que desmataram impunemente o Cerrado e a Floresta Amazônica e deixar por isso mesmo? Esta senadora e seu séquito não tem nada na cabeça... O certo é regualarizar as terras e cobrar um preço justo pelas irregulariadades ambientais cometidas. Aonde este povo entende de agricultura?

Paulo Luís Gonçalves Campelo

Belo Horizonte - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
postado em 29/10/2009

Acho que a palavra correta não seja ANISTIA, na verdade o que está se propondo é a não criminalização daqueles que desmataram durante o período em que isso era permitido. É mais ou menos como se daqui a alguns anos fossem feitas alterações no Código Florestal aumentando as áreas de Preservação para 95% de todas a Propriedades, passando a ser exigido de todos o replantio das áreas desmatadas "ilegalmente" e quem não o fizer estaria na ilegalidade. É exatamente isso que está acontecendo agora, porém os números são outros.
Abraços a todos.

Targa

Alta Floresta - Mato Grosso - Produção de gado de corte
postado em 29/10/2009

A proposta dos ruralistas, com as alterações acima, é coerente e vai resolver o problema dos produtores no Brasil.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade