Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Custo para secagem de leite de cabra é reduzido

postado em 07/12/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Responsáveis por 90% da criação de caprinos do país, os pequenos e médios criadores de caprinos da região Nordeste tem à disposição uma nova tecnologia para beneficiar o leite de cabra em pó. Desenvolvida na Universidade Federal de Viçosa (UFV) a partir de observações feitas na cidade de Florestal (MG), uma máquina de pequeno porte e baixo custo para secagem vai possibilitar uma nova alternativa para a comercialização do leite, que, no pequeno município mineiro, é insuficiente para a fabricação de subprodutos como iogurte e queijos.

A venda direta do leite de cabra ao consumidor, segundo alguns produtores, se de um lado elimina o intermediário e agrega o valor da comercialização do produto, por outro insere custo para essa venda, tanto financeiro, como estrutura física, como em tempo dedicado. Além disso, com a verticalização total, o pequeno e médio produtor rural acumula as funções na propriedade, principalmente de agricultor - ressalta Luís Carlos Gouvêa, orientador dos alunos do curso técnico em agroindústria da UFV responsáveis pelo primeiro protótipo do equipamento.

A primeira amostragem da máquina recebeu do Sebrae o Prêmio Técnico Empreendedor, em 2008. Com a procura de empresas pela tecnologia, o professor conta que foi possível fazer aperfeiçoamentos. A princípio, a máquina funcionava através de energia elétrica. Luís Carlos conta que, a pedido do Sebrae, o quarto protótipo do equipamento foi adaptado para energia a gás por conta da falta de eletricidade no Nordeste.

Feita de material inox, o aparelho possui um sistema de pré-secagem que retira em torno de 50% da umidade do leite em banho-maria. Isto porque o leite não pode ser fervido durante o processo de secagem, para que não haja desnaturação das proteínas. Concentrado, o produto é colocado em uma câmara de secagem ligada a um atomizador, onde ocorre a total evaporação da água. Para transformar 2 litros do leite pastoso em pó são gastos 20 minutos.

Esse é uma técnica inovadora, já que no Brasil não temos máquinas apropriadas para a secagem de leite direcionadas para pequeno e médio produtor. Para se ter uma ideia, a máquina mais barata que temos hoje no mercado custa em torno de R$120 mil. Trabalhamos com a aprovação da Anvisa. Então, hoje a nossa deve sair em torno de R$10 a R$12 mil - destaca Luís Carlos.

As informações são do Portal Dia de Campo, adaptadas pela Equipe FarmPoint.

A máquina já está disponível no campus Florestal da UFV. Os interessados devem entrar em contato pelo telefone (31) 3536-3327.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade