Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

ES: implementação do Programa Cordeiro Capixaba

postado em 25/08/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Embora o consumo per capita de carne ovina no Brasil seja ainda pequeno, o mercado interno é crescente e alavancado pelos restaurantes, que estão cada vez mais incluindo em seus cardápios pratos especiais à base de carne de cordeiro. No embalo das oportunidades apresentadas pelo mercado, o governo estadual, em parceria com a iniciativa privada, está implementando o programa Cordeiro Capixaba. A proposta, que visa a expansão da ovinocultura, tem a meta ousada de ampliar o rebanho atual de 35 mil cabeças para 400 mil cabeças em quatro anos.

A meta é arrojada, mas possível de ser atingida, destaca o secretário estadual de Agricultura, Enio Bergoli. Ele explica que o programa que será desenvolvido pela secretaria Estadual de Agricultura (Seag), em parceria com o Sebrae e a Associação de Criadores de Caprinos e Ovinos do Espírito Santo (Accoes), é ideal para implantação nas pequenas propriedades.

A criação de ovinos, assegura Bergoli, é uma excelente oportunidade para os proprietários rurais, que não terão dificuldade em vender os animais. Sua argumentação é baseada no mercado de São Paulo, o maior do país, que precisaria de um rebanho de 2 milhões de animais para o abate. O rebanho da Região Sudeste, o maior do Brasil, é de 70 mil cabeças e, somente para abastecer São Paulo, precisaria crescer três vezes, pelo menos. Um dos objetivos do programa, explica Bergoli, é organizar o processo da produção da ovinocultura do Espírito Santo, desde a criação até o supermercado. Os produtores que optarem por aderir ao programa terão todas as orientações disponibilizadas pelos parceiros.

O programa, destaca o secretário, oferecerá aos ovinocultores suporte tecnológico na forma de treinamento, qualificação de mão de obra, além de assistência técnica. Um dos grandes gargalos da cadeia é o número reduzido de frigoríficos, mas a dificuldade está sendo sanada. Em Atílio Vivácqua tem um abatedouro em operação e, até o final do ano, outro será inaugurado em Viana.

As informações são do jornal A Gazeta, adaptadas pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2022 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade