Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Especialistas esperam alta no preço dos alimentos

postado em 20/09/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Apesar de não ser um movimento explosivo, a subida dos preços dos produtos agrícolas, como milho, soja, trigo e algodão, deve ter impacto na inflação ao consumidor no último trimestre deste ano. "Há inflação pela frente. Ainda não deu tempo de ter reflexos nos preços ao consumidor, mas os IGPs já estão subindo", alerta o diretor da RC Consultores, Fabio Silveira.

O Índice de Geral de Preços -10 (IGP-10), da Fundação Getúlio Vargas, se acelerou neste mês. O indicador encerrou setembro com alta de 1,12%, após de ter subido 0,46% em agosto. Os preços dos produtos agropecuários no atacado, que tinham aumentado 0,22% em agosto, subiram 3,55% este mês.

Entre os itens que mais impulsionaram a inflação no atacado estão soja (6,60%), milho (12,37%), algodão (26,22%) e bovinos (4,83%). Pelo segundo mês seguido, o pão francês, que leva farinha de trigo, ficou mais caro. O reajuste foi de 1,14% em agosto e de 1,45% em setembro.

"O impacto maior será nos IGPs", diz Bernardo Wjuniski , economista da consultoria Tendências, que concorda com Silveira. Nas suas contas, o aumento dos preços dos alimentos deve tirar o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que é a inflação oficial, de resultados quase nulos em julho (0,01%) e agosto (0,04%) para altas de 0,45% ao mês no último trimestre. A aceleração deve ocorrer por causa dos alimentos, que já subiram 3,5% até agosto e devem fechar o ano com alta de 7%.

Já Silveira estima um IPCA de 0,35% ao mês no último trimestre. "Não será uma alta aterrorizante", observa. "Não teremos um descontrole inflacionário capaz de tirar a inflação do centro da meta", afirma Wjuniski. De toda forma, ele observa que a alta dos preços dos alimentos não deve se esgotar neste ano e novas rodadas podem ocorrer em 2011, especialmente se a seca que afeta hoje as áreas de plantio se prolongar.

"A alta do grupo [Alimentação] está vindo um pouco mais forte e deve continuar sendo o destaque", comentou o coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de São Paulo (Fipe-USP), Antonio Evaldo Comune. Segundo Comune, os principais responsáveis pela aceleração da Alimentação e do indicador geral de inflação foram a carne bovina e o frango.

Entre a primeira e a segunda quadrissemanas de setembro, a alta no valor médio da carne bovina passou de 3,17% para 4,57% e respondeu por 0,11 ponto porcentual da taxa do IPC. No mesmo período, o avanço no preço do frango passou de 3,13% para 4,18% e representou 0,04 ponto porcentual do total da inflação. Ele ressaltou, entretanto, que, mesmo com a projeção do encerramento do mês sendo aumentada, o comportamento da inflação em São Paulo segue sem gerar maiores preocupações.

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo, resumidas e adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade