Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Geadas prejudicam pastagens e criações no Rio Grande do Sul

postado em 30/07/2012

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

De acordo com o Informativo Conjuntural divulgado pela Emater/RS-Ascar nessa quinta-feira (27/07), o desenvolvimento e o rebrote das forrageiras naturais e cultivadas foram prejudicados pelas fortes geadas e pelas baixas temperaturas ocorridas no Rio Grande do Sul nas últimas semanas. O campo nativo, mesmo com as chuvas dos últimos dias, não apresentou recuperação significativa, e a oferta e a qualidade do pasto para os animais continuam limitadas.

A situação deverá se agravar, caso o frio e as geadas se prolonguem por todo o mês de agosto, tendo em vista que o rebrote da maioria das espécies do campo nativo ocorre, normalmente, no mês de setembro.

O gado mantido em pastagens cultivadas de aveia e azevém está em bom estado, mas as pastagens apresentam baixa produção de massa verde, com desenvolvimento muito lento devido às baixas temperaturas e geadas.

Em relação à produção de leite, a menor oferta de forragens verdes para o rebanho leiteiro tem obrigado os produtores a utilizarem mais silagem, grãos, farelos e rações na alimentação dos animais, o que tem aumentado significativamente os custos de produção e reduzido a rentabilidade da atividade. A maior queda na produção de leite ocorre entre os produtores que não têm reserva alimentar para os animais, como silagem e feno, e dependem apenas do campo nativo e de pequenas pastagens de aveia e azevém para manterem o gado.

O estado sanitário do rebanho ovino é bom na maioria dos municípios produtores do Estado, beneficiado em parte pelo baixo regime de chuvas. Por outro lado, o frio e as geadas também estão reduzindo o peso corporal dos animais, especialmente das ovelhas de cria que estão em pleno período de amamentação ou parição dos cordeiros. Há registros de aumento de mortalidade de cordeiros, devido ao choque térmico na parição e, também, ao mau estado nutricional das ovelhas, que apresentam pouco leite para os cordeiros. Também se constata um aumento na mortalidade de ovelhas paridas, devido às más condições alimentares.

A matéria é da assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar, adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade