Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Ibama avalia perigo de defensivos usados no Brasil

postado em 26/01/2011

2 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) mostra que os defensivos agrícolas usados no Brasil ainda são, no mínimo, perigosos. O primeiro relatório sobre a comercialização de defensivos no país lançado pelo Ibama indica que 88% dos produtos vendidos em 2009 estavam classificados entre perigosos, muito perigosos e altamente perigosos. Os 12% restantes estavam classificados como pouco perigosos.

Apesar de todos os produtos terem algum tipo de perigo, todos estavam legalmente registrados e passaram pela análise de três ministérios - Agricultura, Saúde e Meio Ambiente - antes de serem liberados para comercialização. "Nosso objetivo é tornar pública as características dos produtos usados no Brasil e saber como esses produtos estão sendo usados", afirma Márcio de Freitas, coordenador de avaliação e controle de substâncias químicas do Ibama.

Um dos motivos que justifica a elevada taxa de periculosidade dos defensivos usados no Brasil é a grande aplicação de herbicidas no país, em especial o glifosato, incluído na classe III (perigoso). Sozinhos, os herbicidas representaram em 2009 quase 45% das vendas totais da indústria, sendo que 52% das marcas foram classificadas como perigosas, 46% como muito perigosas e 2% como altamente perigosas.

O coordenador do Ibama reconhece que há uma tendência na indústria de defensivos de procurar moléculas menos agressivas. Ele lembra, contudo, que em números de registros essa tendência ainda não aparece. Com a queda da patente de produtos mais antigos aumenta o número de pedidos de registros para formulações de genéricos.

O Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Agrícola (Sindag) informou em 2010
que, nos anos 60, o Brasil usava 2,1 quilos de herbicida e 1,1 quilo de inseticida por hectare. Quarenta anos depois, o uso médio de herbicida caiu para 242 gramas e o de inseticidas para 69,75 gramas por hectare.

Márcio de Freitas faz uma ponderação em relação aos riscos de cada um dos produtos. "Estamos avaliando até agora apenas o perigo do produto e não o seu risco. Uma arma de fogo é algo sempre perigoso, mas o risco de uma morte ser causada por ela é maior por alguém que anda com ela constantemente do que por quem a deixa em casa", exemplifica Freitas.

Nos próximos relatórios, afirma o coordenador, deve haver também o cruzamento de informações sobre o uso dos defensivos por Estado com as culturas predominantes em cada um deles.

A reportagem é de Alexandre Inacio, para o jornal Valor Econômico, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Paulo Luís Gonçalves Campelo

Belo Horizonte - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
postado em 26/01/2011

Já que o que está em discução aqui é a periculosidade dos defensivos agrícolas comercializados no Brasil, eu gostaria de deixar um pequeno comentário. Eu discordo com a recomendação de que o produtor deve lavar as embalagens dos defensivos antes de enviá-las de volta para as indústrias. Acho que essa prática contribui com a poluição dos nossos mananciais, ao lavar essas embalagens os resíduos desses defensivos estão sendo transportados para cursos d´água. Acho que esses resíduos devem ser devolvidos para a indústria e ela é que se vire para dar uma destinação correta a eles.

MARIO MELO

Cascavel - Paraná - Consultoria/extensão rural
postado em 29/01/2011

Mas então recomende melhor para que os produtores realizam melhor esta tríplice lavagem, pois aqui no Paraná a tríplice lavagem é feita e os resíduos são jogados no próprio tanque de aplicação, não havendo contaminação alguma em cursos d´águas. Nosso recolhimento é feito e pode ser exemplo para todo pais, as unicas embalagens que são devolvidas sem a tríplice lavagem são as de tratamento de sementes, como rege a legislação. Os nossos produtores já estão conscientizados com a importância da devolução e aqui no Oeste do Paraná temos 100% de embalagens devolvidas.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade