Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Kátia Abreu mantém MP para agilizar votação

postado em 03/06/2009

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Com receio de perder o prazo de votação da MP 458/09, que trata da regularização fundiária na Amazônia legal, a relatora da matéria no Senado, Kátia Abreu (DEM-TO), decidiu manter o texto aprovado na Câmara, apesar de não concordar com sua integralidade. O texto pode prescrever por decurso de prazo no início da próxima semana e a base ruralista no Senado tentará iniciar a votação da MP hoje.

Apelidada como "MP da Grilagem" por ambientalistas, a MP deve regularizar a situação jurídica de 400 mil posses de até 1,5 mil hectares em 436 municípios da Amazônia. Podem ser contemplados pela medida cerca de 1,2 milhão de posseiros na região. Na Câmara, o deputado Asdrúbal Bentes (PMDB-PA) ampliou a regularização para todas as áreas da União, e não só as do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Na Câmara, governistas e oposicionistas fizeram um acordo para relaxar as exigências ambientais. Pelo novo texto, a punição ocorrerá somente em casos de desmatamento irregular em APPs e reservas legais. Além disso, o relator na Câmara concordou que o governo indenize posseiros na retomada de terras pela União por descumprimento de alguma imposição legal. E incluiu-se indenização de benfeitorias aos posseiros, mesmo que tenham desmatado a área, por exemplo. Para a relatora no Senado, foi um avanço: "Tem que ter indenização. Se o posseiro construiu uma casinha, por exemplo, precisa receber por isso", disse.

O relatório mantido por Katia Abreu amplia, de dez para 30 anos, o prazo para recomposição de APPs e reserva legal, além de ter permitido a regularização de áreas em nome de servidores públicos e de pessoas jurídicas. A MP estabelece prazo de até três anos aos Estados da Amazônia para a realização de zoneamentos econômicos e ecológicos. Do contrário, esses Estados não poderiam firmar convênios com a União. Para Katia Abreu, a MP deveria tratar somente da questão fundiária, sem entrar no mérito da preservação do meio ambiente. "Não vamos aprovar nada disso", afirmou.

A MP 458 e a relatora do texto no Senado foram alvos de protesto do Greenpeace. "Essa MP tenta legalizar o desmatamento e a grilagem", disse o coordenador da campanha de combate do desmatamento da entidade, Marcio Astini.

As infromações são do jornal Valor Econômico, resumidas e adaptadas pela equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade