Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Manta caprina: curso supera expectativa de público

postado em 20/08/2009

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O Instituto Nacional do Semiárido (INSA/MCT) realizou nesta semana, em Campina Grande (PB), o curso de capacitação profissional "Processo de Elaboração da Manta de Carne Caprina e Ovina" e contou com a presença de mais de trinta profissionais de restaurantes, açougues e frigoríficos da região de Campina Grande e do Cariri paraibano.

O diretor do INSA, Roberto Germano Costa, destacou que a iniciativa tem como objetivo expandir a cadeia produtiva na região, por meio da capacitação de empresários do ramo. "A técnica da manta caprina já é bastante utilizada na região de Petrolina, PE, e a nossa meta é difundir esta metodologia em outros locais. Tal procedimento precisa ser disseminado, como uma alternativa para agregação de valor às carnes de animais típicos do Semiárido Brasileiro", ressalta Germano.

O evento foi uma parceria firmada entre o INSA, Embrapa Semiárido (CPATSA) e apoio da Agência de Apoio ao Empreendedor e Pequeno Empresário (SEBRAE), Sindicato dos Restaurantes, Hotéis, Bares e Similares de Campina Grande (Sindicampina) e SENAI. De acordo com a Engenheira de Alimentos do INSA, Terezinha Duarte, a procura superou todas as expectativas. "A parceria com essas instituições é fundamental nesse processo. O interesse foi tão expressivo que gerou a necessidade da realização de mais edições do treinamento e nós já estamos trabalhando para isso", afirma Terezinha.

As informações são do Instituto Nacional do Semi-Árido, resumidas e adaptadas pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Paulo Cesar Bastos

Feira de Santana - Bahia - Produção de gado de corte
postado em 20/08/2009

A matéria mostra um exemplo expressivo do que se poderá fazer como Tecnologia Social.Parabéns à iniciativa do INSA.

Não são apenas palavras , teses , citações e definições. É a prática indo muito além dos discursos. Tecnologia Social é isso aí.

É a mostra de uma experiência, uma ação concreta e inovadora, de aliar a secular sabedoria popular ao conhecimento científico e tecnológico. A tradicional técnica sertaneja deve ter sido sistematizada, pelos orgãos de pesquisa e extensão, e utilizada como capacitação para a pequena empresa. O saber local foi reaplicado. Valeu e deve ser levada tal capacitação para todos os estados produtores de caprinos e ovinos do nosso semi-árido nordestino.

O desenvolvimento local com tecnologias sustentáveis, isto é que construam os três pilares -renda,respeito ambiental e inclusão social - é um instrumento importante para o desenvolvimento do Brasil como um todo. A compreensão, no entanto, de que desenvolvimento sustentável deve ser apoiado nos três pilares citados é fundamental.

Paulo Cesar Bastos - engenheiro civil e produtor rural

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade