Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Marcelo Molento comenta sobre o método Famacha

postado em 19/08/2010

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O professor da Universidade Federal do Paraná, Marcelo Beltrão Molento, de Curitiba, Paraná, enviou um comentário ao artigo "OPG e/ou FAMACHA? Confira a opinião dos produtores e especialistas". Abaixo leia a carta na íntegra.

"Olá,

É com muita satisfação que vejo estes números. O método FAMACHA começou a se popularizar em 1999 e 2000, sob responsabilidade dos Drs. Gareth Bath, Faffa Malan e Jan van Wyk. Cheguei de retorno ao Brasil e trouxe o objetivo de validar a técnica aqui no início de 2000. A primeira publicação saiu em Julho de 2001 em um Congresso em "Botucatu" (Molento e Dantas, 2001). Usamos 35 animais com grande expectativa e deu tudo certo.

Nunca descuidamos de respaldar as outras técnicas e de pensar primeiramente na saúde animal. Os dados relatados nesta enquete e em outros artigos técnicos indicam que o sucesso é imenso e muito disto se deve ao respaldo técnico que várias pessoas tem dado em todo o Brasil. Parabéns para nós.

Muito se fala das desvantagens e dos pontos fracos desta técnica, entretanto nada pode ser mais forte do que a base científica, a comprovação estatística e os dados de produção no final de anos de pesquisas em fazendas de vários tamanhos. Avaliamos mais de 250 animais por hora na Fazenda Felicidade em Restinga Seca, RS que tem mil animais. Empolgante é ouvir os depoimentos!

Então, se somarmos o percentual de técnicos e produtores, que utilizam técnicas alternativas de diagnóstico temos mais de 55%, e olha que devemos retirar a homeopatia e a fitoterapia, pois estamos falando de tratamento de métodos de diagnóstico e não de tratamento (se me permitem a observação).

Como observado, muitos produtores ainda usam o tratamento supressivo por que não tem segurança de uso, por falta de assistência técnica ou porque falta ler mais. Então este percentual pode ser na realidade de uns 20 a 25%. Se este valor for retirado do total do rebanho nacional teremos algo como 3 a 4 milhões de animais sendo manejados quase sem drogas, moderadamente parasitados (viva os resilientes) e dando um retorno econômico positivo para seus felizes proprietários.

Confesso que este gráfico me deixa muito realizado pois o objetivo de cooperativismo e extensão tem sido cumpridos e a FarmPoint também cumpre seu ótimo papel. Um abraço. Marcelo"

Clique aqui para ler mais opiniões sobre este assunto.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Agda Ribeiro

Cansanção - Bahia - Produção de ovinos
postado em 08/10/2011

sou da região semiarida do Brasil e o problema com a verminose H. contortus esta acada vez mais se alastrando principlamente neste periodo de poucas chuvas, ele se manifesta e o metodo Famacha ainda esta muito pouco reconhecido mais, meu principal objetivo é tentar ao maximo que os pequnos craidores de ruminantes(caprinos e Ovinos) reconhecam cada vez mais este metodo. pois vejo ele como uma alternativa para diminuir a resitencia causada pelos anti-helminticos..
estou sempre lendo as materias sobre o metodo pois pretendo uma especialização maior para com ele...

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade