carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Paraíba alavancará o Polo de Desenvolvimento em Ovinocaprinocultura este ano

postado em 09/06/2014

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A Paraíba deverá alavancar o Polo de Desenvolvimento da Ovinocaprinocultura, neste ano de 2014, reativando o frigorífico de caprinos na cidade de Mulungu, no Brejo paraibano, e organizando a cadeia produtiva desta atividade, para que se torne mais rentável. Na última quinta-feira (05), foi apresentado o Estudo do Complexo da Ovinocaprinocultura no Brasil, em João Pessoa, que mostrou que, apesar do país ter um dos maiores rebanhos, 90% do abate dos animais acontece em condições sanitárias impróprias e de forma clandestina, o que diminui a oferta de produtos de qualidade nos mercados consumidores.

“A partir do estudo apresentado, fruto de um trabalho longo de pesquisa e de benchmarking com cinco países, iremos traçar as diretrizes das ações. Vamos agora colocar na prática o que foi sugerido no estudo”, ressaltou o coordenador do estudo e analista do Sebrae Paraíba, Jucieux Palmeira.

O Estudo foi apresentado durante o Seminário do Complexo da Ovinocaprinocultura no Brasil, realizado pelo Sebrae Paraíba, em João Pessoa, nesta quinta-feira (05). Segundo Jucieux Palmeira, a apresentação do estudo é a primeira parte do projeto, que pretende alavancar a atividade na Paraíba e no Nordeste.

O Estudo do Complexo da Ovinocaprinocultura apresentou uma análise comparativa da cadeia produtiva do Brasil e de cinco países visitados pelos pesquisadores (Reino Unido, Espanha, Uruguai, Austrália e Nova Zelândia). “Fizemos um trabalho de benchmarking internacional para conhecer a cadeia produtiva de sucesso desses países. Por que não podemos adotar esses modelos aqui também? Parte da Espanha, por exemplo, tem o clima muito parecido com o do Nordeste brasileiro”, completou Jucieux.

O professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Carlos Frederico Lacerda, apresentou esta análise, em conjunto com os pesquisadores Bruno Santos, Breno Guerra, Eduardo Amadeu e Daniel Benitz. “O Brasil possui um grande mercado consumidor de carne de ovinos e caprinos. Muitos países estão de olho neste mercado. Apesar de termos um rebanho de 18 milhões de animais, importamos ovinos do Uruguai”, disse Carlos Lacerda.

Ele mostrou que a Nova Zelândia, por exemplo, possui um rebanho de 31,2 milhões de caprinos e ovinos, abate 23 milhões e exporta cerca de 92%, ficando apenas 8% para o mercado interno, já que sua população é de aproximadamente 3 milhões de habitantes. Já o Uruguai, possui um rebanho de 8,2 milhões de caprinos e ovinos, menos da metade do Brasil, e ainda assim vende sua carne para o Brasil.

De acordo com o Estudo apresentado por Carlos Lacerda, a cadeia produtiva desses cinco países visitados são extremamente organizadas, o que lhes confere a rentabilidade da atividade. A indústria frigorífica tem elevada participação nesse desenvolvimento. São 20 frigoríficos operando no abate de ovinos na Espanha, 21 no Uruguai, 17 na Nova Zelândia, países com área e população inferior a 5% do Brasil. No Brasil, no entanto, a indústria frigorífica tem baixa participação, pois são apenas três frigoríficos na região Nordeste que possuem SIF (Serviço de Inspeção Federal) e se dedicam prioritariamente a esta atividade.

As informações são da Agência Sebrae de Notícias-PB, adaptadas pela Equipe FarmPoint.
 

Avalie esse conteúdo: (1 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade