Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

PB: governo aumenta compra de leite de cabra

postado em 16/11/2009

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Líder nacional da produção de leite de cabra, os cerca de mil pequenos produtores paraibanos ganharam mais um reforço de incentivo para manter a liderança do segmento. O Programa Leite, uma parceria do Governo do Estado e Federal, irá aumentar a partir deste mês a compra governamental dos atuais 14 mil litros/dia para 30 mil litros/dia. Apesar da Paraíba ser apenas o sexto maior rebanho da Região Nordeste de caprinos, o Estado detém a maior produção de leite de cabra do País, cerca de 20 mil litros/dia. Além do Programa do Leite, os produtores destinam a diferença para fabricação de queijos, iogurtes e doces.

O produto vem despertando interesse também do mercado privado. De olho na produtividade paraibana, a fábrica Cabralac, do Rio de Janeiro, realizou, no último mês, a primeira compra de leite em pó. Foram vendidos nessa remessa mais de 12,7 mil litros que rendeu 1.425 quilos do leite de cabra em pó. Os produtores das cidades de Amparo, Umbuzeiro, Prata, Gurjão e Cabaceiras forneceram o leite para as usinas com qualidade comprovada pelo SIF do Ministério da Agricultura.

Com o aumento da cota governamental e a procura mais intensa do setor privado pelo produto vão ajudar atingir a meta do Projeto Aprisco para 2012: produção de 60 mil litros/dia, o que representa um crescimento de 200%. O Aprisco articula o desenvolvimento sustentável e integrado da caprinovinocultura no Nordeste dos diversos segmentos. Além do leite e derivados, a gastronomia, o corte e as indústrias de curtume, calçados, assessórios e roupas.

A expansão do setor da caprinocultura leiteira nos próximos anos será um dos temas da quarta edição do Simpósio Internacional sobre Caprinos e Ovinos de Corte (Sincorte), que será aberto na próxima segunda-feira, às 19h30, 16 de novembro, no Hotel Tambaú, em João Pessoa. O seminário, que se estende até 20 de novembro, vai reunir pesquisadores dos Estados Unidos, Portugal, Tunísia, Uruguai, Quênia, França, Espanha e África do Sul e dos diversos estados do Brasil debaterão as novidades científicas e tecnológicas do agronegócio da caprinoovinocultura no Brasil e no mundo. As políticas públicas voltadas para o setor também serão consideradas.

Paralelo ao Simpósio Internacional, ocorrerão outros cinco eventos, entre eles o '2º Fórum Nacional sobre a Caprinocultura Leiteira' e a 'Feira Nacional do Agronegócio da Caprinovinocultura de Corte' (Fenacorte). O evento promete estreitar as relações entre os produtores, a indústrias, as instituições de pesquisa, além da troca de experiências e informações que possibilitem inovações e venham a contribuir com o desenvolvimento da cadeia produtiva.

Os números do segmento mostram o potencial econômico e a vocação regional da ovinocaprinocultura na Região Nordeste. O apelo social e a possibilidade de geração de emprego e renda no campo da cadeia produtiva envolvem a produção leite e derivados, gastronomia, corte e as indústrias de curtume, calçados, assessórios e roupas. Atualmente, o Nordeste concentra 92,6% do total de caprinos do País, o que representa 9,5 milhões de cabeças, enquanto de ovinos a taxa na região é menor, mas também lidera com 58,4% das cabeças de ovinos (9,1 milhões).

Para o gestor do projeto Aprisco Nordeste e diretor do Sebrae Paraíba, Luiz Alberto Amorim, a implementação do projeto de desenvolvimento integrado de caprinovinocultura no Nordeste deverá produzir impactos mobilizadores, visando ampliar a inserção dos produtos do setor no mercado local, regional e nacional. "Queremos que a estrutura da cadeia produtiva migre de um foco de economia de subsistência, fase atual, para uma economia sustentável e de produção de escala. O nosso maior desafio atual é organizar comercialmente o setor para esse salto, pois queremos vender o leite de cabra mais como alimento e menos como remédio", apontou.

As informações são do Sebrae Paraíba, resumidas e adaptadas pela Equipe FarmPoint.

Para mais informações, entre em contato pelo box abaixo ou pelos telefones 2108-1218 /1219 /1215 /1126.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade