Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

PB: governo importará embriões de caprinos da África

postado em 02/12/2009

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Depois de consolidar a pecuária caprina na Paraíba, já aparecendo com o maior produtor de leite, o Governo do Estado tem como meta ampliar a oferta de genética para expandir ainda mais o plantel caprino e ovino entre os criadores do semi-árido, como forma de oferecer oportunidade de mais emprego e renda. Nos próximos dias uma missão do Governo irá a África para aquisição de embriões.

O secretário do Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, Ruy Bezerra Cavalcanti, destacou que o rebanho caprino na Paraíba está na ordem de 600 mil animais, dos quais um terço é produto do melhoramento genético que teve início a mais de oito anos.

"Verificando que deu certo naquela ocasião, o governador determinou que fosse elaborado outro programa de melhoramento genético", informou o secretário. Segundo ele, já existe assegurada a aquisição de 950 embriões com recursos do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida) e 1.000 embriões pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para que seja dado um novo impulso no rebanho caprino.

No mês de dezembro, o pesquisador da Empresa de Pesquisa Agropecuária da Paraíba (Emepa), Wandrick Hauss de Sousa, viaja à África do Sul para iniciar o trabalho de seleção de animais matrizes e reprodutores de alta linhagem que fornecerão os embriões e com isso melhorar o rebanho paraibano.

Todo o projeto visa tornar a pecuária caprina cada vez competitiva, agregando valores para conquistar o mercado. Com relação a produção de leite, que traz resultados imediatos, o Governo compra 13,8 mil litros diários de uma produção em torno de 20 mil litros, através do Programa do Leite.

Segundo o secretário Ruy Bezerra, a meta é que num período de até quatro anos possa se chegar aos 50 mil litros, o que será possível com a introdução de genética de boa qualidade.

A preocupação é garantir mais um mercado para a produção de leite que não seja apenas a compra pelo governo. "Temos que agregar valor ao leite caprino e a solução é sua transformação em pó, que tanto tem mercado nacional como internacional", disse. As pesquisas mostram a viabilidade econômica do projeto, obtendo um resultado de um quilo em pó para nove quilos do leite in natura. Também tem a instalação de um abatedouro localizado na cidade de Monteiro, que está próximo de ser inaugurado.

"A cadeia produtiva da caprinocultura está voltada hoje para a produção do leite, mas sabemos que poderia se voltar para a produção de carne", comentou. Ele aguarda que se constitua a gestão do abatedouro para começar seu funcionamento porque o governo não pode gerir unidades que são próprias da iniciativa privada.

"O objetivo é transferir novos conhecimentos, novas tecnologias de alimentação, de melhoramento genético e realmente a obtenção de resultados econômicos nesta atividade", disse o secretário Ruy Bezerra.

A reportagem é do portal ClickPB, resumida e adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade