Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Preços de milho e soja em alta preocupam pecuaristas

postado em 27/09/2007

2 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Os preços de milho e soja estão em alta e, com isso, encarecem a ração animal. Segundo dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, o preço médio da saca de 60 quilos de milho, cotado em setembro até o dia 21 em Campinas (SP), esteve 55,4% acima do obtido no mesmo mês do ano passado (em valores nominais) e 57,6% superior à média de janeiro.

O centro informou que a alta se deve à maior demanda interna pelo produto, principalmente das indústrias relacionadas aos setores de aves e suínos, que buscam fazer estoques para atender às necessidades do último trimestre. Além disso, as exportações de milho tem tido um bom desempenho em virtude das perdas da safra de trigo na Europa e consequente substituição dessa cultura pelo milho.

Gráfico 1. Evolução dos preços da saca de 60 quilos do milho em reais, comercializada em Campinas (SP), em valores nominais.


O valor da soja também está em alta. De acordo com os dados do Cepea, a saca de soja no Paraná em setembro (cotação até o dia 21) ficou 36% superior à média obtida no mesmo mês de 2006. Em relação a janeiro deste ano, o aumento é de 19,5%.

De acordo com as informações do Centro, a alta de preços da soja se deve à valorização da Bolsa de Chicago (sendo um dos motivos, segundo relatório da BM&F, as elevadas cotações do trigo, que se mostraram firmes em virtude dos problemas climáticos na Europa e nos Estados Unidos) e o aquecimento da demanda interna e externa.

Gráfico 2. Evolução dos preços da saca de 60 quilos de soja em reais, comercializada no Paraná, em valores nominais.


Acompanhando a tendência de alta dos grãos, o preço caroço de algodão, produto também utilizado na ração animal, também aumentou. Segundo dados da Secretaria de Agricultura do Paraná (Seab/PR), a arroba de caroço de algodão em agosto ficou 24% superior à média obtida no mesmo mês de 2006, mas ainda está inferior a janeiro deste ano, quando atingiu um pico de preços.

Gráfico 2. Evolução dos preços de caroço de algodão, em reais por arroba.


No caso do milho, os pesquisadores do Cepea acreditam que o comportamento dos preços nos próximos meses ainda será de alta, em virtude do aumento da demanda européia, e da demanda potencial pelo milho brasileiro, fatores que continuarão limitando a oferta interna.

Segundo o último relatório da BM&F, algumas fontes do mercado esperam que o cenário da maior demanda européia deva se repetir até julho de 2008, quando deverá ser colhida a nova safra européia.

No mercado interno, o clima está preocupando os produtores de milho, que realizam o plantio da safra de verão a partir deste mês. De acordo com o Cepea, há quem pense em trocar a cultura pela soja no Sul do país, caso não chova nos próximos dias. No caso da produção de soja, a preocupação dos produtores é maior no Centro-Oeste, pois pode haver prejuízo em termos de produtividade.

Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

Luiz Fernando Bonin Freitas

Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Consultoria/extensão rural
postado em 06/10/2007

Se existe essa perspectiva de aumento nos preços dos grãos devido à demanda interna e externa, problemas climáticos internos e no mundo, a dúvida que ronda o produtor é produzir alimento ou energia (encher o tanque dos carros americanos). Temos que produzir leite a pasto (volumoso encarado como lavoura), com gerenciamento da atividade, tecnificação, genética, financiamento para quem realmente faz pelo país, para que possamos nos tornar grandes no cenário mundial, pelas condições que possuímos, pelos nossos produtores, crianças, esperamos vontade e vergonha política...

Ricardo Jose de Souza

Céu Azul - Paraná - Indústria de insumos para a produção
postado em 20/10/2007

Só espero que essa transição acabe logo, pois fica difícil de se trabalhar baseado apenas em especulações, o produtor não sabe se investe, se segura, ou se acaba logo com o plantel!

Aguardamos ainda o nosso governo criar uma politica agrícola sustentável urgente.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade