Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Produção de soja cai no sul e nordeste

postado em 04/06/2012

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A quebra da safra de soja e de outros produtos agrícolas, provocada por prolongada estiagem, prejudica toda a economia do Rio Grande do Sul e segura em parte a expansão do PIB brasileiro. O Estado esperava produzir 11,3 milhões de toneladas de soja neste ano, mas colheu apenas 6,2 milhões, segundo estimativas da Federação da Agricultura (Farsul). O valor bruto da produção caiu quase na mesma proporção em relação ao esperado no início da safra - de R$ 8,1 bilhões para R$ 4,4 bilhões, com perda de R$ 3,7 bilhões.

A soja é o principal produto agropecuário do Estado e, como tal, tem influência maior na formação do PIB. Mas a estiagem prejudicou também as culturas do arroz, fumo e milho, entre outras. Somada, a projeção de perdas agrícolas passa a R$ 6 bilhões. Mas não é só. Considerando o que a safra movimenta nos serviços e na indústria, o impacto estimado é de R$ 23,7 bilhões.

No Nordeste, o desempenho da soja também fui ruim. No Cerrado do Piauí, a produção de soja caiu mais de 10%, por causa da seca. Para compensar a queda na produtividade, o preço da saca de 60 quilos da soja subiu também em torno de 10%, de R$ 42 para R$ 45, em consequência da alta no preço dos alimentos.

O preço do milho caiu, e os produtores armazenaram a colheita, esperando a escassez fazer o preço do milho subir. No Centro-Oeste do País a situação é diferente, segundo grandes produtores de grãos de São Paulo, Paraná e Mato Grosso. A previsão é de aumento na área de plantio, principalmente da soja. No norte do Paraná e na região dos Campos Gerais paranaenses, o cenário atual é positivo e a expectativa é de mais plantio, segundo o superintendente da Capal Cooperativa Agroindustrial, Adilson Roberto Fuga.

Para o empresário rural Alexandre Maia, da agropecuária Agromaia, no sudoeste paulista, não se vê no campo nada que lembre essa retração. Ele conta que a empresa já comprou cerca de 1 milhão de hectares do grão apenas na área atendida pela unidade de Taquarivaí. "Os preços da soja nunca estiveram tão bons e as perspectivas são ainda melhores", diz. O superintendente do Instituto Mato-grossense de Economia Aplicada, Otávio Celidônio, diz que a queda do PIB do trimestre reflete situações adversas, como a seca no Sul e no Nordeste.

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo, adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade